Fui Ser Viajante

O que fazer em Piranhas, Alagoas: a jóia escondida às margens do São Francisco

Compartilhar

Não tem como esconder que sou completamente apaixonada pelo Nordeste e pelas suas histórias. E a cidade de Piranhas, em Alagoas, é um daqueles destinos encantadores, que não consigo esquecer.

Procurando o que fazer em Piranhas, você vai se encantar com o charme das casas coloridas, a fé nas escadas sem-fim que levam até a Igrejinha de Nosso Senhor do Bonfim, as águas do Rio São Francisco correndo preguiçosas margeando a cidade…

Mas entre todas, as principais atrações de Piranhas tem a ver com a história do cangaço. O espírito do sertanejo respira em cada canto dessa cidade com pouco mais de 25000 habitantes.

Piranhas é história do Brasil, contada pelo povo do nordeste com charme e poesia.

Leia mais: Roteiro de 3 dias em Aracaju, Piranhas e Canindé de São Francisco

O bom estado de conservação das casas antigas rendeu a Piranhas o tombamento pelo IPHAN como Patrimônio Histórico Nacional.

A cidade é carinhosamente apelidada de “Lapinha do Sertão”, como foi chamada por D. Pedro II quando este visitou o município em 1859, chegando de viagem pelo Rio São Francisco.

A visita do imperador é motivo de orgulho pra cidade, que até hoje chama a sede da prefeitura de Palácio D. Pedro II.

Piranhas é a melhor opção para pernoite se você vai fazer o passeio de catamarã pelos Cânions de Xingó.

A cidade conta com uma boa infraestrutura para o turismo, com uma quantidade razoável de pousadas e restaurantes, além de atrativos interessantes que rendem bons passeios pela cidade.

Duas diárias são suficientes para conferir as principais atrações de Piranhas.

>> Reserve sua hospedagem em Piranhas! Aproveite as ofertas!

O que fazer em Piranhas: principais atrativos

Pórtico de entrada da cidade

1) Rota do Cangaço e Cangaço Eco Parque:

Piranhas ficou conhecida nacionalmente por causa do cangaço. Muitas histórias sobre o bando de Virgulino da Silva, o Lampião, povoam a região.

Foi inclusive ali pertinho da cidade, na Grota de Angicos, que os cangaceiros do bando de Lampião foram pegos em uma emboscada e decapitados.

O passeio de catamarã pela Rota do Cangaço custa R$ 80,00 por pessoa (atualizado 2019), com saídas no atracadouro de Piranhas. Crianças até 4 anos não pagam, e de 5 a 9 anos pagam meia entrada.

Navegando pelo Velho Chico.

A navegação em catamarã pelo Rio São Francisco segue por cerca de 30 minutos, e as paisagens não podiam ser mais bonitas. Atracarmos no Cangaço Eco Parque, onde somos recebidos por uma equipe devidamente caracterizada de cangaceiros.

Chegada no EcoParque

A história do bando de Lampião é contada por um desses guias caracterizados, que conduz o grupo por uma trilha até a Grota de Angicos.

A trilha tem cerca de 1.5km e intensidade média. Melhor ir de sapato fechado e levar água!

No final da trilha, encontramos o local da emboscada onde o grupo de Lampião foi surpreendido e morto pelos volantes da polícia.

Placa marcando a emboscada ao bando de Lampião na Grota do Angico.

O horário de 11h dificultou um pouco nossa caminhada pela trilha, com o sol a pino do sertão. O terreno é seco e arenoso, com muita vegetação espinhosa e pouca sombra.

Quem preferir, não faz a trilha e fica desfrutando do Eco Parque, com banho de rio, muitas redes e espreguiçadeiras.

Existe outra empresa em Piranhas que oferece o turismo até a Grota de Angicos. Com essa equipe, o que muda é que o barco atraca no Espaço Ecológico Angicos.

A proposta é a mesma, mas com essa equipe a trilha até a Grota tem 700m e dizem que foi o percurso original feito pela volante para emboscar Lampião em 27 de julho de 1938. Nesse passeio, além dos R$80,00, cobra-se R$5,00 pela trilha até a Grota.

Existe um acordo entre as duas empresas, para que os dois grupos nunca se encontrem na Grota. Enquanto um grupo está recebendo as explicações do guia na Grota, o outro grupo está chegando ou esperando um pouco enquanto o outro termina, para poder visitar o local.

Na volta da trilha, o almoço (opcional) funciona no esquema buffet, com comida à vontade por preço fixo. O passeio dura em média 3 horas.

2) Centro Histórico de Piranhas

Não é a toa que o Centro Histórico de Piranhas foi declarado Patrimônio Histórico Nacional. A arquitetura da cidade é um charme só.

A cidade é repleta de casinhas e casarões antigos, tudo muito colorido. E pra deixar ainda mais lindo, tem as margens do Velho Chico emoldurando a cidade.

À noite, o movimento fica por conta dos bares da cidade, como a clássica Pizzaria e Cachaçaria Altemar Dutra (batizado em homenagem ao cantor que também andou por ali).

E parece, como dizia a canção, aquela boa e velha ‘festa do interior’. Parecia que a cidade inteira estava por ali, na Praça do Centro Histórico, proseando, ouvindo um forró e tomando uma cerveja.

A farra acontece bem no centrinho, embaixo de duas árvores acolhedoras, com as mesas dispostas na rua, numa divisão imaginária de qual mesa está sendo atendida por qual restaurante. Um clima muito delícia!

De dia, dá pra aproveitar o centrinho pra passear a pé, conhecendo as antigas igrejas da cidade.

No centro são duas, a Igreja Nossa Senhora da Saúde, construída no século XIX em estilo neoclássico, e a Igreja de Santo Antônio de Lisboa, a mais antiga de Piranhas (1790), onde estão depositados os restos mortais dos fundadores da cidade.

Outras atrações: visitar o Centro de Artesanato, Artes e Cultura de Xingó, que funciona na antiga Casa de Máquinas da Rede Ferroviária; tomar um banho de rio na prainha da Orla Altemar Dutra (ele de novo!).

Vista do centro histórico de Piranhas

3) Museu do Sertão Marília Rodrigues

O Museu do Sertão fica instalado no prédio da Antiga Estação Ferroviária de Piranhas, e é uma ótima oportunidade de conhecer mais sobre a história de cidade, do cangaço e do homem sertanejo.

Antiga estação ferroviária, onde hoje funciona o Museu do Sertão.

A entrada é baratinha (acho que pagamos R$2,00), e embora o museu não seja muito grande, vale a visita!

Ele tem peças lindas de montaria, das casas sertanejas, religiosas, de pesca e muitas fotos. Inclusive, peças que remetem à passagem de D. Pedro II pela região.

4) Torre do Relógio

Fica bem em frente ao Museu do Sertão. A torre foi construída em 1879 e sua arquitetura se destaca no centro de Piranhas.

O local abriga o ‘Café da Torre‘, que funciona no alto do edifício. E que até hoje eu fico triste de não ter conseguido visitar, porque estava fechado quando passei por Piranhas.

Se for por lá, me fala nos comentários como é a vista – e o café –  lá de cima!

5) Mirantes

Por falar em lindas vistas do alto: Piranhas tem um relevo lindo, o que presenteou a cidade com dois lindos mirantes.

Ah, Piranhas e suas escadas! Adivinha como se chega até os mirantes? Isso, escada acima, meu povo!

O Mirante da Igreja fica no alto de 250 degraus de uma escada íngreme e irregular. Deu um trabalhão e envolveu muitas paradas estratégicas no caminho, mas chegamos lá em cima!

No topo, fica a igreja de Nosso Senhor do Bonfim, e a vista compensa todo o esforço!

Vista do Mirante da Igreja

Mirante Secular fica no lado oposto ao Mirante da Igreja e abriga um obelisco que foi construído no final do século XIX para saudar o século XX, que se iniciava.

A boa notícia é que, além da escadaria que o liga até a cidade (364 degraus), o mirante secular pode ser visitado de carro, pela estrada que sai de Piranhas em direção a Canindé (coloque no GPS que não tem erro!).

Lá em cima ficam também a Hotel Pedra do Sino, Cachaçaria Altemar Dutra e Restaurante Flor de Cactus. Aproveitamos a visita ao mirante para jantar no restaurante e aproveitar o por do sol lá de cima.

A comida estava uma delícia, o único contra foi que, naquele dia, o restaurante fechou logo depois do por do sol.

Vista do Mirante Secular. É possível ver a escadaria até o Mirante da Igreja.

6) Povoado de Entremontes

Entremontes é um distrito de Piranhas. Tem importância histórica também por ter abrigado Dom Pedro II durante sua viagem pela região.

Além disso, Entremontes tem, assim como Piranhas, o charme dos casarões históricos.

Um diferencial fica por conta do artesanato das mulheres rendeiras, que fazem lindos bordados de redendê e ponto-cruz. A arte de Entremontes é muito reconhecida na região e até mesmo por estilistas internacionais.

7) Usina de Xingó

A Usina Hidrelétrica de Xingó fica na estrada entre Piranhas e Canindé de São Francisco. O tour guiado demora cerca de 50 minutos.

O tour começa com um vídeo explicativo sobre a construção da usina, depois visitamos a maquete de madeira, talhada em detalhes incríveis, uma verdadeira obra de arte!

Por fim, somos levados até a Usina em si, e fazemos o tour pela parte externa e interna. A vista de cima da barragem é de tirar o fôlego.

Não tinha nenhuma comporta aberta quando visitamos, mas dá pra imaginar a força da água! Uma obra monumental da engenharia!

8) Cânions do Rio São Francisco

O passeio pelos Cânions de Xingó foi o que trouxe a gente pra esses lados, pra começo de conversa. Esse passeio te oferece algumas das paisagens mais lindas da região.

Você vai navegar pelo São Francisco, o Rio da Integração Nacional, de uma maneira que jamais imaginou. Tem post detalhando tudo sobre esse passeio!

Onde se hospedar em Piranhas?

Piranhas é uma cidade bem pequena, com cara de interior mesmo. Então a gente cometeu um terrível erro de planejamento com relação a hospedagem.

Telefone público de Piranhas

Acreditamos que seria fácil achar um lugar pra ficar ao chegar na cidade para pernoitar depois do passeio de catamarã pelos cânions de Xingó. Para nosso azar, tinha um evento acontecendo na região justamente no final de semana que visitamos a cidade. Estava tudo lotado!

Pra piorar, a cidade tem um relevo acentuado e muitas pousadas ficam acima das escadas.

Tivemos que subir alguns lances de escadas com degraus irregulares, talhadas em pedra com a mochila nas costas, cansados depois de um dia de passeio, pra lá em cima descobrir que não havia vagas…

Acredite em mim, vale a pena reservar pousada em Piranhas com antecedência e já chegar lá com tudo organizado para aproveitar o passeio!

A cidade de Piranhas tem uma boa infraestrutura de hotéis e pousadas. Veja algumas sugestões:

Dunen Hotel: localizado bem no centro histórico, com piscina e uma das melhores estruturas de Piranhas. Veja mais e reserve aqui.

Aconchego do Velho Chico: um pouco afastado do centro, para quem procura mas sossego. Muito bem estruturado. Veja mais e reserve aqui.

Pedra do sino: Localizado no mirante secular da cidade de Piranhas. Uma das melhores vistas do por do sol na região. Fica afastado do centro. Veja mais e reserve aqui.

Pousada Trilha do Velho Chico: fica às margens do Rio São Francisco, oferecendo uma “praia de rio” para seus hóspedes. Veja mais e reserve aqui.

Pousada O Canto: Bem no centro histórico, estrutura básica porém foi recentemente reformada e está excelente. Veja mais e reserve aqui.

Pousada Asa Branca: para quem topa subir escadas para chegar na hospedagem, mas está disposto a apreciar a vista linda lá de cima como recompensa. Nossa primeira opção de hospedagem em Piranhas. Veja mais e reserve aqui.

Gostou das dicas de Piranhas? Que tal ajudar o blog?

Sabia que você pode ajudar nosso blog? Nosso conteúdo é mantido com a ajuda dos nossos leitores.

Quando você reserva seu hotel com os links aqui do site, você não paga nada a mais por isso, e nós recebemos uma pequena comissão do Booking.com!

Você aproveita as ofertas e ainda ajuda muito nosso site. Assim conseguimos sempre manter o conteúdo atualizado e trazer novas dicas para vocês. Obrigado desde já!

Post publicado em: 11 de abril de 2017.
Post atualizado em: 23 de março de 2019.

Sair da versão mobile