Ilha de San Andrés – O Caribe ao alcance de todos

Dicas de viagem para San Andrés | Vocês já ficaram babando muito as fotos de um amigo que viajou pra algum lugar lindo? Esse é o sentimento que me acompanha depois de ler o relato da Viajante Visitante Sabrina Alves!

Ela visitou San Andrés em Fevereiro de 2017 e nos enviou o relato completo da viagem! Vem viajar com a gente que o post da Sabrina tá lindo!


Dicas de viagem: tudo sobre San Andrés na Colômbia

A Ilha de San Andrés (pronuncia-se ‘San Andrês’) pertence à Colômbia e é a maior ilha das que fazem parte do arquipélago de San Andrés, Providência e Santa Catalina.

Banhada pelo mar do Caribe, tem se tornado um destino desejado pelos brasileiros, por ser mais econômico quando se comparado à Cancún e Punta Cana, com belezas naturais semelhantes.

A cidade de San Andrés não é luxuosa. A população e toda estrutura da ilha é muito humilde. Portanto não espere muito das acomodações, estabelecimentos e agências turísticas. É claro que há hotéis mais bem estruturados que oferecem um melhor serviço.

No entanto o valor fica bem mais caro. No geral, tudo é muito simples. Porém, este detalhe é recompensado por seu maravilhoso ‘mar de sete cores’, com passeios bacanas e paisagens surpreendentes.

Para este destino o maior custo é com passagens aéreas e hospedagem. Mas se manter na ilha tem um custo bem acessível, com ótimos e diversos passeios além de se comer muito bem com valores que cabem no bolso.

Além disso, toda a ilha é livre de impostos, o que nos permite fazer umas comprinhas por preços mais baratos!

Leia também: Roteiro de 7 dias na Ilha de San Andrés, na Colômbia

Ilha de San Andrés, Colômbia
A ilha de San Andrés é banhada pelo mar de águas claras e longa faixa rasa.

Quando ir a San Andrés?

A ilha de San Andrés tem sol o ano inteiro! Com clima quente e temperaturas em torno de 26 a 30°C e águas frescas, só predominam duas estações: o verão e o inverno.

Qualquer época do ano é perfeita para se visitar o lugar. Mas os meses com maior frequência de chuvas são Setembro, Outubro e Novembro.

Confira também: Climatologia San Andrés

Escolha do destino, compra de passagens e hospedagem

Era o mês de agosto de 2016, com o auge e polêmica da crise financeira no país, mas Marcus (meu namorado) e eu queríamos aproveitar uma viagem que fosse diferente e que coubesse no bolso.

Pesquisando os valores para destinos no Brasil percebemos que estavam muitos custosos. Então começamos a pensar na ideia de adiar a viagem, porém que fosse possível ser um destino internacional.

Olhamos diversos destinos, até que me lembrei de um conhecido de trabalho que havia postado fotos maravilhosas de um local que eu não tinha ouvido falar antes…

Ilha de San Andrés, Colômbia… Caribe… Opa, parece o destino perfeito – principalmente para cariocas!

Começamos a pesquisar as passagens e hospedagem. Além disso, acompanhamos relatos deste destino em um grupo bacana no Facebook, o Viajando San Andrés, onde as pessoas postam dicas, relatos de suas viagens e tiram dúvidas com as pessoas que já viajaram.

Acompanhamos os valores do aéreo até que em um momento percebi que não ficaria mais barato… Era hora de comprar ou correríamos risco de pagar passagens muito caras!

Não há voos diretos para a ilha de San Andrés, então a escala por qualquer companhia aérea é inevitável. As companhias aéreas que oferecem voos para lá são a Avianca, Copa Airlines e Latam, saindo do Brasil; Além das chamadas low cost colombianas, a Viva Colombia e Satena.

Pesquisamos as diversas opções de aéreo, e , para nossa previsão de viagem – Fevereiro de 2017 – chegamos nas seguintes conclusões:

  • Voos pela Copa: até ofereciam preços mais baratos, porém voos com muito tempo de escala (às vezes mais de uma escala) e geralmente conexão no Panamá. Não achamos vantagem, pois mesmo que economizássemos no aéreo, teríamos que gastar com hospedagem no Panamá por conta do longo tempo para esperar a conexão. E no Panamá só se aceita pagamentos em dólar. Além disso é exigido passaporte no Panamá, e não tínhamos passaporte ainda. Utilizamos as carteiras de identidade para viagens com destinos do Mercosul, então seria um gasto a mais para fazer nossos passaportes nesse momento.
  • Voos pela Latam: preços muito altos e também com muito tempo de escalas – no nosso período de procura.
  • Voos pela Viva Colombia: vimos como opção viajar para Bogotá e de lá pegar um aéreo pela companhia Colombiana que ofereciam preços mais em conta e bons horários. Porém há várias taxas adicionais como taxa para bagagem (varia por peso), taxa para impressão dos tickets de viagem, taxa para varias coisas que no fim das contas sairia o mesmo valor de um voo de conexão depois de sair do Brasil. Então para evitar muita burocracia e possível confusão, preferimos voar pela Avianca.
  • Satena não pesquisamos, mas é uma companhia aérea que oferece diversos destinos domésticos na Colômbia.
  • Voos pela Avianca: chegar na ilha de San Andrés já é demorado por conta dos horários dos voos, que são muito restritos pois o aeroporto de lá é pequeno. Com conexão inevitável pra se chegar à ilha, preferimos escolher um voo do Rio de Janeiro direto para a Colômbia, para evitar mais conexões. Voos diretos são um pouco mais caros, mas pesquisando direitinho é possível conseguir um bom aéreo. Compramos, em setembro de 2016, um voo pela Avianca no site da Avianca Colombiana – não há passagens para San Andrés no site da Avianca no Brasil. O voo foi direto Rio de Janeiro – Bogotá. Em Bogotá, fizemos escala de 6 horas para então pegar o avião para San Andrés pela mesma companhia. Além de um bom valor para a época, R$1.752,02 ida e volta – por pessoa, com taxas -, as malas foram direto do RJ para San Andrés. Então, ficamos livres de bagagens durante a conexão. Também não é obrigatório passaporte para chegar em Bogotá, podendo embarcar para a Colômbia portando somente as carteiras de identidade.
O que fazer em san andres, Caribe
Relaxando nas águas cristalinas no Acuario em San Andrés

Procuramos as opções de hospedagem pelo site do Booking.com, e percebemos que a maioria das habitações eram de estrutura simples.

Há diversas pousadas, hostels e hotéis disponíveis, no entanto há uma coisa em comum na maioria delas: chuveiro com água fria.

Como é uma ilha, o sistema de aquecimento para água seria algo muito caro para uma acomodação, então a maioria não oferece água quente. Mas sinceramente não foi um grande empecilho visto já que faz bastante calor na ilha…

+ Reserve seu hotel em San Andrés pelo site Booking.com

Como compramos um aéreo de valor elevado, procuramos opções de hospedagem com preço mais em conta e com boa estrutura.

Foi muito difícil achar um local com bom custo-benefício, até mesmo os hotéis mais caros com melhor estrutura não ofereciam algo a nível do valor cobrado – preços de resorts mas quartos simples!

A dica é sempre olhar as fotos dos viajantes pelo site do TripAdvisor, assim vemos se de fato a habitação condiz com o valor cobrado e se está dentro das nossas exigências pessoais.

Mas como já disse anteriormente, a ilha não é luxuosa! Então procuramos um lugar bacana, com preço acessível mas nada com muito luxo pois só ficaríamos ali para tomar banho e dormir, já que faríamos passeios todos os dias, o dia todo.

Escolhemos o Hostel El Viajero, bastante indicado, porém as acomodações são mais recomendadas para jovens. Não indico para viagem em família, com crianças – o acesso aos andares do hostel é por escadas, não há elevador.

Relatarei melhor sobre o hostel no post do nosso roteiro de 7 dias em San Andrés – Colômbia. Reservamos pelo Booking as 7 diárias para o casal, num quarto privativo, que ficou no valor de COP 1.617.691 – um milhão e seiscentos mil pesos colombianos – algo em torno de R$1800,00 (cotação Fevereiro 2017).

Pagamos no check in o valor total, pelo cartão de crédito. Vale saber em detalhes as condições de pagamento da habitação para o planejamento da viagem por conta da troca de dinheiro suficiente ou uso de cartão de crédito, para não se enrolar na conversão da moeda! Vale planejar qual opção de pagamento oferecido fica melhor.

Dicas de hospedagem em San Andrés com bom custo-benefício:
Hostel El Viajero: $$
Hotel Portobelo Beach: $$$$
Hotel Casa Blanca: $$$$
Hotel GHL Sunrise: $$$$
Hotel Decameron Aquarium – All Incluse: $$$$$

Moeda local: Pesos Colombianos (COP) – Câmbio de moedas

O nosso real vale mais que o peso colombiano, algo em torno de 900 COP cada real (cotação de Fevereiro 2017). Vale sempre acompanhar os valores de cotação do dólar, pois irá interferir no valor de conversão das outras moedas.

O dólar já é muito mais valorizado, valendo em torno de 2750 COP cada dólar.

Pensando assim parece que de fato a vantagem é viajar levando dólares, mas recomendo fazer as contas dos gastos considerando o quanto irá gastar ao realizar dois câmbios: reais para comprar dólares que serão levados para a Colômbia para compra dos pesos colombianos no destino final.

Irei fazer nosso relato, mas vale ressaltar que as vantagens de câmbio podem mudar bruscamente de um dia pro outro!

Achamos vantagem em duas opções: Trocar real por dólar quando este baixasse seu valor e levar para a Colômbia para trocar em pesos; ou depositar o montante em reais pela corretora Western Union e sacar o valor convertido em pesos na ilha de San Andrés.

A conversão de reais para pesos mais as taxas pela corretora Western Union geralmente aparece como mais vantajosa – veja como funciona o serviço no site da Western Union.

No entanto é preciso depositar todo o valor em reais em espécie direto em uma agência da corretora – ou nas lojas Riachuelo, que é representante Western Union.

Além disso esse valor total deverá ser sacado na agência Western Union do local de destino.

Em San Andrés há duas agências de câmbio. No entanto, uma delas cobra um valor muito alto para sacar o dinheiro. A agência que cobra a menor taxa para esse saque é a situada em frente ao Hotel Casa Blanca.

Nós iríamos enviar nosso orçamento para a viagem pela Western Union, mas mudamos nossa opção poucos dias antes da viagem pois o dólar caiu bruscamente.

Recalculamos todos os nossos gastos previstos para a viagem, e comparamos os valores de conversão se via Western Union e se fosse trocado para dólar e de dólar para pesos.

Chegamos à conclusão de que os valores estavam bem parecidos entre as duas opções (com um pequeno valor de vantagem se fosse via Western Union) e então decidimos trocar tudo em dólar por alguns outros motivos pessoais:

A segurança, pois teríamos que levar um grande valor em dinheiro para uma agência no centro da cidade do Rio de Janeiro, que era a W.U. mais próxima para nós… seria mais seguro comprarmos dólares no aeroporto internacional do Rio, pois era mais próximo da nossa casa; e também porque chegaríamos de noite na ilha, então só poderíamos sacar o dinheiro em pesos colombianos no dia seguinte.

Ficamos preocupados de precisar do dinheiro antes, já que faríamos escala em Bogotá. Com os dólares em mãos na viagem, poderíamos trocar em uma casa de câmbio com melhor a cotação que achássemos.

Compramos então os dólares por R$3,26 na casa de câmbio Get Money do aeroporto Galeão. Na Colômbia, achamos uma casa de câmbio em Bogotá onde o dólar estava valendo 2800 COP. Isso foi perfeito para nós, pois era o valor de base que usamos para calcular nossos gastos na viagem.

Como tivemos conexão de 6 horas em Bogotá, conhecemos a região central da cidade. Por lá, achamos essa casa de câmbio com esse valor. No aeroporto de Bogotá os valores não passavam de 2720 COP por dólar. Na ilha de San Andrés os valores eram em torno de 2700 COP.

Vale acompanhar o valor do dólar nas casas de câmbio pelo site Melhor Câmbio e conseguir a melhor cotação!

Trocar reais por pesos colombianos no Brasil não é uma boa opção! O câmbio é desfavorável. No entanto trocamos um pequeno valor de reais em COP para gastos iniciais em Bogotá, como táxi e lanche.

A dica é calcular e pesquisar bem os gastos, e as formas e valores de câmbio com antecedência, sempre acompanhando o valor do dólar.

Passeios em San Andrés: como agendar

Em San Andrés é bem tranquilo de se chegar nos locais e comprar os tickets para os passeios. A população vive de turismo, então há várias pessoas e agências oferecendo venda de passeios.

Porém alguns nativos têm sido bem recomendados pelos brasileiros para se fechar os passeios antes de chegar na ilha, com a possibilidade de desconto caso feche um pacote de vários passeios com a mesma pessoa.

Como percebemos que muitos brasileiros iriam para a ilha em Fevereiro, resolvemos entrar em contato com o Kramelo, um carinha bem bacana e divertido super recomendado no Facebook pelos brasileiros – Perfil do Facebook do Kramelo.

Ele e a esposa se comunicam pelo Whatsapp e entendem muito bem nosso “portunhol”, pois já estão acostumados a fechar passeios com brasileiros, não havendo dificuldade de comunicação com eles.

Entrei em contato e combinei os dias e passeios que queríamos, e conseguimos descontos em alguns. Quando chegamos na ilha, ele nos encontrou no hostel e acertamos o pagamento, não pagamos nada adiantado do Brasil.

Além disso, mantínhamos contato por Whatsapp sempre que precisávamos. O mesmo era sempre solícito em nos ajudar e tirar dúvidas.

Mas como comentei, para a maioria dos passeios é bem tranquilo de se chegar, comprar o ticket e marcar o passeio – exceto para o passeio de Parasail e snorkel com o Fernando Mancera, que são muito procurados e tem agenda cheia.

Os passeios e valores serão relatados no post Roteiro de 7 dias na Ilha de San Andrés, na Colômbia.

O que fazer em san andres, Caribe
Passar o dia na ilha de Johnny Cay é um passeio indispensável.

Média de gastos em San Andrés

Pagamos o maior valor em aéreo e hospedagem, em torno de R$5 mil o casal. Por isso é válido acompanhar promoções de passagens aéreas para economizar!

Na ilha os gastos cabem no bolso… Levamos em torno de R$4 mil para o casal, trocados por dólares. Ainda nos sobrou em torno de R$1 mil reais que gastamos em compras de perfumes, bebidas, lembrancinhas e duty free. 

Portanto, no geral, nossa viagem custou algo em torno de R$9 mil para o casal! Mas o orçamento vai depender sempre de um bom planejamento, com antecedência, e também de valores de câmbio.

Vale saber! Mais dicas de San Andrés

A ilha de San Andrés fica mais próxima do litoral da Nicarágua, que sempre tentou obter a soberania da ilha. No entanto, o domínio da mesma foi direcionada à Colômbia, em 19 de Novembro de 2012.

Apesar de pertencer à Colômbia, a população nativa, raizal, da ilha não tem descendência colombiana. Os raizais sustentam uma forte relação cultural com os povos antilhanos, como a Jamaica e o Haiti.

A maioria fala sua língua própria, o inglês crioulo de San Andrés, muito diferente do espanhol! Portanto, na ilha, geralmente não entendemos muito bem o que os nativos ao redor estão falando…

Mas não se preocupe… para lidar com os turistas utilizam o espanhol.

O que fazer em san andres, Caribe
Passeio de Parasail: visão privilegiada.

Esse mar de San Andrés não é montagem! Os tons de azul são encantadores!

Como conclusão: San Andrés é um paraíso!  😎

ATENÇÃO: As tomadas na ilha tem este padrão (como uma carinha assustada), diferente das do Brasil! Levem adaptadores! Uma dica é levar um adaptador e um filtro de linha, daqueles que tem várias entradas, para conectar suas tomadas!

Tomada San Andres
ATENÇÃO: As tomadas na ilha são com esta entrada (como uma carinha assustada), diferente das do Brasil! Levem adaptadores! Uma dica é levar um adaptador e um filtro de linha, daqueles que tem várias entradas, para conectar suas tomadas!

Todas as fotos foram registradas utilizando a câmera GoPro Hero 4 Silver.

-> Gostou da história? Quer aparecer aqui também? Não importa se você tem ou não blog, você tem um espaço aqui no Fui Ser Viajante! Escreve pra gente em contato@fuiserviajante.com e conta a sua história! Os relatos mais bacanas vão aparecer aqui nos próximos Guest Posts!

Sabrina
Bióloga, cientista e amante de fotografia! Começando a explorar as belezas do mundo...
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários:
Tamara F. Tribess disse:

Olá Sabrina,

Achei demais o seu post, era exatamente o que precisávamos para ter confiança e mais tranquilidade na nossa ida a SA.
Uma perguntinha, como você fez pra encontrar o grupo de brasileiros?

Klécia disse:

Oi Tamara, desculpe a demora em te retornar. A gente estava em viagem e o acesso a internet era bem precário no último mês. A Sabrina encontrou os brasileiros por meio de um grupo no facebook chamado San Andrés para brasileiros. Alem de depoimentos de viagem, o pessoal troca datas de viagens e marcam de se encontrar por lá. É bem legal 🙂

Existe um erro na pronuncia de San Andrés

San Andrés por ser de origem espanhola o pronuncia é exatamente com se escreve San Andrés pronuncia-se = San Andrés.

Sou um dos primeiros Brasileiro que visitou o Arquipélago de San Andrés para o desenvolvimento do turismo em 26/05/2000
nesse link você poderão ver o foto da 1º matéria de San Andrés feita no Brasil.
ao todo são 16 vistas ao arquipélago, dando um total de 96 dias de hospedagem em San Andrés
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=475265064142&set=a.475245849142.257840.593874142&type=3&theater

Sabrina disse:

Olá Osmar, legal sua experiência!
Toda vez que dizíamos San Andrés- com entonação de acento agudo no é – repetiam e corrigiam para San Andrês – como se houvesse circunflexo no ê- inclusive comissários de bordo. Mas, como brasileiros, sabemos bem que uma mesma palavra pode ter diferentes pronúncias né?! Infelizmente seu link não abre o conteúdo.
Abraço!