Valle de la Luna, Valle de la Muerte e por do sol no Deserto de Atacama

Chegamos em San Pedro de Atacama quase na hora do almoço. Estávamos cansados, porque nesse mesmo dia tínhamos acordado super cedo para fazer o terceiro e último dia de travessia pelo Salar de Uyuni. A agenda do dia ainda teve imigração Bolívia – Chile e transfer até San Pedro de Atacama. Tudo naquele calor e sol de rachar que só um deserto sabe te proporcionar. Mas a ansiedade para desbravar o tão sonhado Deserto do Atacama era maior que qualquer calor e cansaço. Nesse mesmo dia, ainda decidimos fazer o tour Valle de la Luna e Valle de la Muerte no Deserto do Atacama, com direito ao primeiro por do sol no deserto.

Se você perguntar pelas agências de turismo em San Pedro, vai logo descobrir que esse é um dos passeios mais tradicionais da região. Ele é indicado para quem está chegando no Deserto do Atacama, como um passeio de aclimatação, já que ele envolve pouca altitude e menos esforço físico. Nosso problema não era o medo de altitude (já que a gente estava viajando já a 15 dias nas alturas do Peru e Bolívia), mas sim o tempo disponível. O tour Valle de la Luna geralmente começa as 16h, para tentar fugir das horas de sol mais forte no deserto. Cabe direitinho no cronograma de quem chega em San Pedro perto da hora do almoço!

Grande duna, Valle de la Luna, San Pedro de Atacama - deserto de Atacama

Deserto do Atacama: Valle de la Luna e Valle de la Muerte

Já que esse é um tour super tradicional no Atacama, ele é oferecido pela maioria das agências. O passeio combina o Valle de la Luna com o Valle de la Muerte, e termina com o por do sol na Pedra do Coiote (ou Mirador de Kari). A maior parte dos grupos sai do centro de San Pedro às 16h e retorna por volta das 19:30h no inverno ou 20:30h no verão (depende da hora do por do sol).

Uma coisa muito comum no Atacama é que as agências menores juntam os grupos. Como são muitas agências, uma vende o passeio para 5 pessoas, outra para 3, e por aí vai. No final, as agências fazem uma parceria entre elas e juntam todo mundo num ônibus só. Então pesquise bem os preços porque o serviço oferecido pela maioria das agências é o mesmo… Você pode acabar no mesmo ônibus de alguém que pagou mais que você pelo tour! Então pesquise e busque fechar um pacote de passeios com uma única agência – em troca de descontos!

Grande duna, Valle de la Luna, San Pedro de Atacama - deserto de Atacama

Quanto custa o tour Valle de la Luna no Atacama?

Nossa ideia era fazer um grande número de passeios, mas economizar no preço final. Antes de decidir por uma agência, pesquisamos os preços no centro de San Pedro. A agência BaseCamp Andes Wild Adventures (Toconao 492, San Pedro de Atacama) ofereceu um bom desconto no valor total dos passeios, se a gente fechasse o pacote de passeios. Você pode conferir o preço dos passeios e os descontos no post específico que vamos preparar sobre os custos de viagem no Atacama.

O desconto do Valle de la Luna foi o menor que conseguimos, mas a economia geral no pacote de passeios valeu a pena. Pagamos 9000 pesos chilenos por pessoa nesse tour (setembro / 2017). Normalmente as agências estavam cobrando 10000 pesos pelo tour Valle de la Luna. Também é preciso levar 3000 pesos chilenos por pessoa, para pagar a taxa de entrada no Valle de la Luna (esse valor normalmente não está incluído no valor cobrado pelas agências, e é pago na hora).

Atenção: Existem empresas diferenciadas no Atacama, que oferecem serviços exclusivos. Um tour privativo, com saída em horário diferenciado, coquetel na hora do por do sol e outros extras. Nesses casos, o investimento financeiro é maior. A escolha entre as agências básicas ou o serviço VIP é determinante na hora de saber quanto você vai gastar no Deserto do Atacama.

Valle de la Luna, San Pedro de Atacama - deserto de Atacama

O que levar para o tour pelo Valle de la Luna

A primeira coisa a aprender sobre o deserto do Atacama:  quando estiver sol, vai estar quente demais. Quando o sol se por, esfria muito rápido. Então anota a lista de essenciais para levar para o Valle de la Luna:

  • 1 litro de água para cada um
  • protetor solar, óculos escuros
  • tênis e roupa confortável (pra quando estiver sol e super quente!)
  • chapéu (ou qualquer coisa que proteja a cabeça)
  • Agasalho (para quando o sol se por e ficar frio pra caramba!!!)
  • 3000 pesos chilenos por pessoa (taxa para entrar no Valle de la Luna)

Tour pelo Valle de la Luna: como foi?

O ponto de encontro foi em frente à agência BaseCamp, às 15:50h. O grupo saiu exatamente às 16h, caminhando até o micro-ônibus que estava esperando ali pertinho, no estacionamento público de San Pedro de Atacama. Nosso grupo tinha umas 30 pessoas, incluindo crianças.

O Valle de la Luna fica muito perto de San Pedro de Atacama. São menos de 20km em uma estrada asfaltada e bem sinalizada, que vai de San Pedro até a portaria do Valle de la Luna, que fica dentro da Reserva Nacional los Flamencos. A proximidade e facilidade de acesso é tanta que muita gente até decide conhecer o Valle de la Luna por conta própria, saindo de bike da cidade até lá.

Em uns 15 minutos a gente já estava na portaria da reserva nacional. Descemos para pagar a taxa de entrada de 3000 pesos chilenos e voltamos para o micro-ônibus rapidinho. O clima estava quente demais, mesmo já sendo quase fim de tarde. Atenção! Essa portaria é o único ponto de parada com banheiro no tour.

Principais atrações do Valle de la Luna

Com o micro-ônibus, seguimos até a nossa primeira parada: as Três Marias. A guia explicou um pouco sobre o deserto e suas formações geológicas. É preciso muita criatividade para ver ‘as três marias’ nessas três pedras que permanecem em pé ali no meio do nada, apesar de tanto vento. Mas a admiração toma conta da gente ao olhar para os lados e ver o infinito do deserto mais árido do mundo!

Três Marias, Valle de la Luna, San Pedro de Atacama - deserto de Atacama

Por toda essa área, o chão está cheio de umas partes esbranquiçadas. Isso é sal, que por muito tempo foi extraído do deserto (com explosão de mineradora e tudo). Isso destruiu muita coisa por lá. Nossa próxima parada, inclusive, foi em uma antiga área de mineração, que hoje está abandonada.

Valle de la Luna, San Pedro de Atacama - deserto de Atacama

Valle de la Luna, San Pedro de Atacama - deserto de Atacama

Antiga mineração, Valle de la Luna, San Pedro de Atacama - deserto de Atacama

Tinha um sol pra cada um no meio daquele deserto imenso. Nós seguimos no ônibus até a entrada da Grande Duna. Para chegar no mirante lá de cima, é preciso seguir por um caminho de areia fina, que entrava no tênis, batia no rosto e atrapalhava muito (foi a parte mais difícil do tour).

Subida para a Grande Duna, Valle de la Luna, San Pedro de Atacama - deserto de Atacama

Mas a gente não desistiu!

Subimos com areia e tudo! E lá em cima, fomos recompensados com uma vista maravilhosa! De um lado a imensidão da Grande Duna, que está ali há milhares de anos apesar de todo aquele vendaval. Do outro, temos a beleza do Anfiteatro, outra formação geográfica marcante do Valle de la Luna.

Grande Duna, Valle de la Luna, San Pedro de Atacama - deserto de Atacama

Anfiteatro, Valle de la Luna, San Pedro de Atacama - deserto de Atacama

Nossa guia nos deixou livres por 30 minutos para caminhar. Seguimos por uma trilha à esquerda da Grande Duna, onde vimos que estava mais vazio de turistas. Quanto mais longe do grupão a gente ficava, mais intensa era a paz e a beleza do Atacama visto do alto!

Grande Duna, Valle de la Luna, San Pedro de Atacama - deserto de Atacama

Grande Duna, Valle de la Luna, San Pedro de Atacama - deserto de Atacama

Grande Duna, Valle de la Luna, San Pedro de Atacama - deserto de Atacama

Quando a gente desceu para reencontrar o micro-ônibus, precisamos de uma pequena parada para tirar 10kg de areia fininha que cada um carregava em cada tênis! Mas como valeu a pena, gente! Todo amor por esse tour – e as fotos – não representam o privilégio de ver tudo ao vivo, de pertinho!

Imprevistos no tour: podem acontecer com você também!

Quando se faz um passeio em grupo, a gente tem que estar preparado para tudo. As crianças sofreram bastante com o clima nesse dia. Apesar de ser um dos passeios mais simples no Atacama, o Valle de la Luna é uma área muito descampada e o calor estava muito intenso. E pra ser sincera, a subida até a Grande Duna não é tão fácil assim.

Nossa guia decidiu poupar parte do grupo, que começou a passar mal no meio do passeio. Por isso, nós não visitamos um dos atrativos mais populares do Valle de la Luna: as Cuevas del Sal, ou cavernas de sal. Normalmente os grupos podem até passar por dentro de uma das cavernas, e eu estava muito empolgada com isso… Fiquei meio triste mas entendi que o dia realmente não estava ajudando com todo aquele calor. Voltamos para o ônibus, para seguir com o resto do tour.

Valle de la Muerte e por do sol

Depois de mais alguns quilômetros, chegamos no Valle de la Muerte. Essa área parece muito com o Vale da Lua, só que as formações geológicas são mais avermelhadas. O nome também tem suas variações: tem gente que chama de Valle de Marte – que faz mais sentido pra mim, e parece ser o nome original.

Valle de la Muerte, San Pedro de Atacama, Deserto de Atacama

As dunas são imensas por aqui! Inclusive, ouvi dizer que muita gente pratica sandboard nessa região. No entanto, para entrar na área de dunas é preciso ir com um veículo 4×4. Não foi o caso da gente, nem é o da maioria das agências. Quem está de micro-ônibus chega pela parte de cima do vale e estaciona nas proximidades da Pedra do Coyote, ou Mirador de Kiri. Ali, o maior espetáculo do dia está prestes a acontecer: o por do sol!

A única coisa ruim é que o lugar fica super lotado. Infelizmente tem muita gente sem noção, que passa das áreas delimitadas para segurança e fica muito perto do precipício. Não precisa arriscar a viagem por uma foto né, gente? Vamos manter a segurança – e viajar com um seguro saúde, claro! Essencial em qualquer viagem internacional!

Faça sua cotação de Seguro Viagem agora mesmo com a Seguros Promo e garanta um desconto de 5% com nosso cupom FUISERVIAJANTE5. Você ganha desconto e ajuda o blog a crescer!
Nós ganhamos uma comissão por cada venda realizada com os links aqui do site. Se nossas dicas te ajudaram,  planeje sua viagem por aqui e ajude o blog a crescer! Temos parceria com Booking.com, Seguros Promo e outros serviços essenciais para sua viagem! Todos os links afiliados estão no final do post! A gente te agradece desde já 🙂

O primeiro por do sol no deserto a gente nunca esquece!

A vista da Pedra do Coyote é perfeita, com a imensidão do deserto e Cordilheira de Sal lá longe. O sol se põe, tão lindo como eu só vi ali no deserto. Mas o espetáculo não acaba. Quando a gente olha para a Cordilheira de Sal, outro  espetáculo incrível está só começando.

As cores do crepúsculo fazem a montanha mudar de cor!!! Até hoje eu lembro e fico sonhando com toda aquela beleza. Um momento pra nunca mais esquecer!

Por do sol no Valle de la Muerte, Mirador de Kiri, Pedra do Coyote, Deserto do Atacama

Por do sol no Valle de la Muerte, Mirador de Kiri, Pedra do Coyote, Deserto do Atacama

Por do sol no Valle de la Muerte, Mirador de Kiri, Pedra do Coyote, Deserto do Atacama

Deserto do Atacama dia 2: mais aventura e paisagens lindas!

O dia acabou, o sol se foi e imediatamente o frio chegou no Atacama. Colocamos o agasalho e voltamos para o ônibus. Em poucos minutos, já estávamos desembarcando no estacionamento central de San Pedro de Atacama.

O tour no Valle de la Luna foi incrível! Começamos nossa viagem pelo Deserto do Atacama conhecendo de cara um lugar inesquecível! Não podia ser melhor!

Mas fica com a gente por aqui, que ainda tem muito mais aventura no deserto aqui no Fui Ser Viajante. No segundo dia no Deserto do Atacama, conhecemos as belezas do Salar de Tara – o assunto do nosso próximo post!

 

* Nossas dicas te ajudaram? Que tal reservar seu hotel aqui pelo site? Somos parceiros do Booking.com! Este post contém links afiliados dos hotéis que nos hospedamos em San Pedro de Atacama (Restaurante y Residencial Chiloé) e Santiago do Chile (Chile Pepper Hostel). Reservando por esses links, você não paga nada a mais e nós recebemos uma pequena comissão do Booking.com. Isso ajuda a financiar as despesas do blog! Se quiser dar uma olhada em outros hotéis nessas cidades, pesquise e reserve por esses links: Santiago do Chile | Santiago do Chile. Você também pode ganhar R$100,00 de desconto na sua primeira reserva pelo Airbnb.

Quer saber mais sobre nosso mochilão pela América do Sul?

Veja aqui todos os posts do Fui Ser Viajante no Peru!

Veja aqui todos os posts do Fui Ser Viajante na Bolívia!

Veja aqui todos os posts do Fui Ser Viajante no Chile!

 

Klécia
Pernambucana radicada no Rio de Janeiro, mas que escolheu chamar o mundo inteiro de lar. Apaixonada pelas estradas e pelos destinos, acredita no poder dos encontros e descobertas de quem está sempre a caminho. O maior sonho? Colocar a mochila nas costas e dar a volta ao mundo ♥
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários:
Klécia disse:

Obrigada por viajar por aqui com o carinho de sempre, amigo!

Klécia disse:

Estava mesmo lotado Ana. Mas acredite em mim: ainda há muita magia no Atacama, apesar da multidão!

eis um lugar que ficou para trás em nossas viagens. belo e instigante, histórico e e de muita cultura, gostei muito de ler o post. como sempre, você faz a gente viajar junto. um grande abraço.

Analuiza disse:

O Atacama continua lindo, mas pelo que percebo, muitas coisas mudaram por lá; Pagar para entrar no Vale da Lua?! Super lotado o Vale da Morte?! Quando fui tinha gente, claro, mas poucas, assim como poucos carros. Sei que é egoismo, mas gosto dos lugares mais vazios. 🙁

Foi minha primeira visita no Atacama: vales da lua e morte. O por do sol foi mesmo incrível!!! Pena que não puderam visitas as cavernas de sal. Elas são bem interessantes. 🙂 bjus