Primeiro dia de tour no Salar de Uyuni

Uma verdadeira aventura de 3 dias e duas noites, dentro de uma caminhonete 4×4, percorrendo um dos lugares mais isolados da terra. Como muita gente ficou curiosa sobre como foi o dia-a-dia do tour pelo deserto de sal, resolvemos montar um relato de cada dia pelo Salar de Uyuni. Nesse post, acompanhe nossas aventuras no primeiro dia no Salar de Uyuni!

Nossa aventura começou no pequeno povoado de Uyuni, na Bolívia.Percorremos as paisagens do deserto durante três dias e duas noites, e terminamos a jornada na fronteira com o Chile, de onde seguimos para o Deserto do Atacama. Teve frio, teve aperto no carro, teve noite sem banho, hotel de sal e teve paisagens inesquecíveis, que fizeram tudo valer a pena!

Leia também: + Planejando uma viagem para o Salar de Uyuni

Primeiro dia no Salar de Uyuni - Isla Incahuasi

Dica: Quem faz o tour de um dia pelo deserto de sal da Bolívia, saindo de Uyuni, visita as mesmas atrações que vimos nesse primeiro dia de tour no Salar de Uyuni. Então se essa é a sua opção de passeio, vale acompanhar as dicas desse post também!

Ah, e não esqueça de contratar o Seguro Viagem antes de embarcar para a Bolívia! Muita gente passa mal com a altitude, e uma viagem de aventura está sempre sujeita a riscos. Viaje tranquilo! Faça uma cotação com a Seguros Promo. Leitores do blog ganham 5% de desconto com o cupom FUISERVIAJANTE5.

Primeiro dia no Salar de Uyuni: roteiro e dicas

Preparativos do primeiro dia no Salar de Uyuni

O dia começou cedo, mas a gente ainda estava em La Paz. Às 7h, pegamos um vôo da empresa boliviana Amaszonas, com direção ao pequeno aeroporto de Uyuni. O vôo leva uma hora e nem deu tempo de sentir o medo que eu acumulei por meses para voar numa empresa aérea boliviana com nome de floresta. Para minha surpresa, tudo foi muito organizado no embarque. A aeronave era pequena, mas o vôo foi tranquilo. Quando eu vi, os belos cenários do Uyun já começavam a se revelar pela janela do avião.

Primeiro dia no Salar de Uyuni - Empresa aérea Amaszonas

Pegamos um táxi do aeroporto até o centro de Uyuni. O preço é tabelado, 10 bolivianos por pessoa (15 bolivianos se for à noite). Segundo a empresa que nos vendeu o tour em La Paz, a Hanaq Pacha Travel, nós deveríamos chegar no escritório da Alkaya Expediciones, em Uyuni, até as 9h. Tranquilo, tínhamos tempo de sobra. Demos o endereço ao motorista: Avenida Ferroviária, entre a Av. Arce e Av. Bolivar. Em menos de 10 minutos já estávamos desembarcando no centro de Uyuni, um povoado ainda menor do que eu imaginava.

Entramos no escritório da Alkaya Expediciones e não tinha ninguém. Rafael ficou esperando enquanto eu fui dar uma volta no quarteirão. Segui pela avenida Arce, uma peatonal cheia de restaurantes, mini-mercados e turistas. Passei pela torre do relógio e a Catedral de Uyuni, uma igreja bem menor que o título deixa entender.

Bem ali do lado, o símbolo tradicional do Rali Dakar servia de apoio para uns senhores que fumavam e conversavam. A cidade segue acontecendo, apesar dos mil turistas por metro quadrado. Uma feira de verduras, turistas falando alto, crianças que brincavam no pátio de uma escola.

Primeiro dia no Salar de Uyuni - Povoado de Uyuni
Primeiro dia no Salar de Uyuni - Povoado de Uyuni

Um barulho danado para um povoado tão pequeno.

Voltei para o escritório da Alkaya e ninguém tinha aparecido. Peguei o telefone e mandei WhatsApp para o contato que recebemos da Hanaq Pacha Travel.

Em poucos minutos, o atendente da Alkaya Expediciones respondeu e chegou no endereço. Essa modernidade!

Acertamos os detalhes, deixamos nossas mochilas e saímos para tomar café e comprar os suprimentos para os dias de tour. Devíamos voltar até 10:30, para sairmos com o carro até às 11h.

Tomamos café na Avenida Arce, atraídos pela oferta de café continental do Restaurante Camel. Comemos pão, ovo, café ou chá, suco de laranja e água, por 25 bolivianos cada (aproximadamente 3 dólares, preço de setembro de 2017). Depois, entramos em um mini-mercado e compramos lanches e água para levar no tour.

Para o tour de três dias e duas noites, levamos doze litros de água (uma garrafa de seis litros cada), mais uma garrafa de água pequena para levar com a gente dentro do carro. Para lanchar, optamos pelo prático e seguro: batata frita, biscoitos, tudo que fosse fácil de comer e industrializado, para não correr risco de nada estragar. Também levamos papel higiênico, toalhas umedecidas, e outros itens de higiene que citamos no post de Planejamento para o Salar de Uyuni. As refeições principais estão incluídas no preço do tour e são oferecidas pela empresa / motorista.

Primeiro dia no Salar de Uyuni - deserto de sal na Bolívia
Pesquise o menor preço, porque o serviço será igual pra todo mundo.

Voltamos para a Alkaya Expediciones por volta das 10:30h. Esperamos um tempo até o motorista amarrar nossas bagagens e a comida dos próximos dias em cima do 4×4. Mochilas, garrafas de água: todos os volumes grandes vão em cima do carro. Por isso, não esqueça de colocar o essencial em uma mochila menor para ir com você dentro do carro (documentos, comida, água, etc).

Foi aqui que conhecemos nossos companheiros de viagem. Uma austríaca e três brasileiros, além de nós dois e o motorista. E olha a surpresa: a gente já conhecia a austríaca, que era ninguém menos que a garota da confusão do ônibus de Copacabana a La Paz. Lembram da menina que viajou no ‘jump seat‘ por causa do overbooking da empresa boliviana? Esse mundo é mesmo muito pequeno, especialmente se você está fazendo mochilão pela América do Sul.

Apesar de sermos clientes de Alkaya, fomos colocados no jeep de outra empresa, a Estrella del Sur Uyuni. Os outros meninos também tinham cada um fechado com uma agência, pagado valores diferentes, e acabamos todos juntos no carro da Estrella del Sur.

Primeiro dia no Salar de Uyuni - deserto de sal na Bolívia

Embarque na caminhonete: escolha um bom lugar

O carro da Estrella del Sur era novo e bem conservado, e nosso motorista era simpático e prestativo, o que nos deixou mais tranquilos. Nós dois entramos primeiro na caminhonete e fomos pra o banco de trás. O lado bom é nesse banco viajam apenas 2 pessoas, tem espaço para bolsas e pra se esticar no banco. Mas o lado ruim é que lá atrás tem pouco espaço para as pernas. Depois de três dias, seus joelhos vão começar a reclamar.

O brasileiro mais alto ficou no banco do carona, ao lado do motorista. Um lugar confortável, mas você viaja sozinho. O banco do meio é o melhor de todos. Ali viajam três pessoas (a austríaca e os outros dois brasileiros), mas é o lugar com mais espaço para as pernas. O único contra é ter que viajar com a mochila no colo. Mas se forem três magrinhos viajando, até dá pra contar com uma folga.

Tem grupos que fazem revezamento de lugares durante o tour. A gente não fez, mas isso é uma opção de cada grupo. Dentro do carro, os três dias de tour foram uma mistura de espanhol com o motorista, inglês com a austríaca e muito português entre os brasileiros. Uma torre de babel dentro da caminhonete 4×4.

Som na caixa e pé na estrada! Ps.: Levem playlists nos telefones ou pen drive com música. Os motoristas levam música, mas em três dias é sempre bom variar um pouco a seleção musical, rs.

Primeiro dia no Salar de Uyuni: roteiro completo

1) Cemitério de trens, Colchani e as pirâmides do Salar

Começamos o tour e o motorista se apresentou. Perguntou de onde éramos e soltou a melhor música boliviana que ele tinha na playlist. Mas não ficamos muito na estrada. Em menos de 10 minutos já estávamos fazendo a primeira parada, no Cemitério de Trens. Em 1889, uma estrada de ferro foi construída para transportar os minérios de Pulacayo, Potosí e Sucre para Antofagasta no Chile. Mas com a chegada das locomotivas movidas a petróleo, essas antigas máquinas alimentadas a carvão foram abandonadas no meio do deserto. Nascia o cemitério de trens no Salar de Uyuni.

Primeiro dia no Salar de Uyuni - cemitério de trens
Primeiro dia no Salar de Uyuni - cemitério de trens

As dezenas de locomotivas são o cenário perfeito para diversão e fotos. Ficamos lá por cerca de 30 minutos, o que é muito pouco! Eu queria ficar e explorar todos os ângulos desse lugar! Só é preciso ter cuidado ao se aventurar em cima dos vagões, porque muita coisa está enferrujada e a superfície para caminhar nem sempre é estável! Mas eu me diverti muito!

Primeiro dia no Salar de Uyuni - cemitério de trens

Em seguida, paramos no povoado de Colchani. Um pequeno vilarejo na entrada do Salar de Uyuni, que tem duas atividades principais: a primeira é a exploração de sal do deserto, construindo pirâmides de sal para secagem e consumo. A segunda é uma feira de produtos artesanais. Ficamos apenas alguns minutos lá, porque nenhum de nós tinha interesse de comprar nada. Demos uma olhada rápida, tiramos algumas fotos e seguimos viagem.

Primeiro dia no Salar de Uyuni - povoado de Colchani

Enfim, o Salar de Uyuni!

Voltamos para o carro e a paisagem começou a mudar em poucos minutos. A imensidão de branco começa a tomar conta de tudo. Pra onde quer que você olhe, um deserto de sal infinito! Comecei a me perguntar como o motorista se orienta e sabe exatamente para onde tem que ir.

De repente ele parou bem ao lado das pirâmides de sal. A gente sai do carro e fica meio bobo por um tempo. Olhando pra todo lado, sem saber exatamente o que fazer ou o que fotografar primeiro. Como viajamos em setembro, o Salar de Uyuni estava seco, com o chão desenhado de formas geométricas curiosas, deixadas pela água que evaporou das estações chuvosas. Muitas pirâmides para secar o sal, espalhadas por todo lado. Coloquei um pouquinho de sal na boca, pra ‘sentir o gosto’ do maior deserto de sal do mundo. Uma imensidão branca de 12 mil km², formada pela evaporação da água de lagos pré-históricos, que se formaram junto com a cordilheira, a mais de 3600 metros de altitude.

Primeiro dia no Salar de Uyuni - deserto de sal na Bolívia

Começamos a nos soltar. Experimentamos mil ideias para as fotos em perspectiva. Até fizemos alguns vídeos engraçados e de coreografia. As recordações desse lugar, da imensidão do Salar de Uyuni, estão entre os melhores momentos da viagem pela América do Sul. Um lugar inacreditável, o maior deserto de sal do mundo! Uma beleza e magia que nenhuma palavra consegue expressar!

Primeiro dia no Salar de Uyuni - Pirâmides de sal

2) Monumento Rali Dakar e Monumento às bandeiras

Já passava de 13h quando chegamos no antigo hotel de sal, onde seria nosso almoço. O motorista nos deixou no Monumento Rali Dakar. Combinamos 20 minutos para explorar o monumento e visitar as bandeiras, mais à frente. Depois a gente se encontraria no hotel de sal, para comer.

Primeiro dia no Salar de Uyuni - Monumento Rali Dakar

Tiramos fotos no monumento ao Rali Dakar, todo feito de sal e bem maior do que eu imaginava. Não é permitido subir no monumento, mas vez ou outra aparecia alguém escalando a escultura de sal. Ali ao lado fica o Monumento às Bandeiras, com bandeiras deixadas por viajantes do mundo todo. Encontramos uma brasileira, e também de alguns times de futebol do país.

Primeiro dia no Salar de Uyuni - monumento às bandeiras

3) Almoço no antigo hotel de sal

Entramos no antigo hotel de sal, o primeiro construído no Salar. Hoje, a estrutura foi convertida em ponto de parada para os grupos em tour pelo deserto de sal. Lá há banheiros razoavelmente organizados e com papel higiênico, ao custo de 10 bolivianos por pessoa. No hall principal, várias mesas, cada uma ocupada por um carro. Os motoristas preparam a comida lá fora, e trazem para a mesa. Eles não comem com a gente, fazem seus pratos e ficam em outra mesa, almoçando juntos. Fazendo esse tour todos os dias, muitos se conhecem e são amigos.

Primeiro dia no Salar de Uyuni - Antigo Hotel de Sal
Primeiro dia no Salar de Uyuni - Antigo Hotel de Sal

Nosso almoço no primeiro dia foi vegetariano, o que deixou alguns dos rapazes desesperados. Eu achei ótimo, porque a comida mais leve me caiu melhor durante essa viagem cheia de temperos fortes. Batatas, dois tipos de salada, tomates e abacate, hambúrguer de quinoa, refrigerante e água.

Tudo foi servido em abundância e bem gostoso, todo mundo repetiu. Um detalhe importante: esquentar alimentos é bem difícil durante o tour. A maioria das coisas é preparada ou servida fria, para facilitar a vida do motorista.

Quando fui parabenizar nosso motorista pela comida, ele confessou que a mulher dele que preparou tudo, e ele só serviu. O tour no Salar de Uyuni também conta com a sorte de encontrar um motorista bom cozinheiro, ou que tenha uma mulher que cozinhe e organize tudo pra ele 🙂

Primeiro dia no Salar de Uyuni - Antigo Hotel de Sal

4) Mais fotos no deserto de sal

Depois do almoço, seguimos rodando pelo deserto de sal, e nosso motorista fez mais uma parada para fotos. Essa foi ainda melhor que a primeira, porque já estávamos acostumados com o grupo e mais soltos para fotos. O motorista também se mostrou bem prestativo, dando ideias de poses e fotografando o grupo. Ele também levou dinossauros e outros brinquedos para brincarmos com as fotos em perspectiva.

Primeiro dia no Salar de Uyuni - deserto de sal na Bolívia

5) Isla Incahuasi

Nossa próxima parada foi na Isla Incahuasi, ou Ilha dos Pescados. Imagine um oásis de cactos gigantes no meio do deserto de sal, essa é a ilha dos pescados. A entrada custa 10 bolivianos, e dá direito a usar o banheiro de lá. É importante atentar para onde são os banheiros pagos, porque eles são mais limpos e garantem certa qualidade. Fui somente uma vez num banheiro público, no meio do nada, para ter uma das piores visões da vida. Se a vontade apertar e não tiver banheiro pago perto, a solução é apelar para a ‘Madre Naturaleza’.

Primeiro dia no Salar de Uyuni - Isla Incahuasi

A Ilha Incahuasi é uma das 33 ilhas do Salar de Uyuni, e uma das 10 que é possível visitar dentro do deserto de sal. Incahuasi, em Quéchua, quer dizer ‘Casa dos Incas’, indicando a passagem dessa antiga civilização pela Ilha do Pescado. Existe um caminho delimitado para turistas, e o percurso total leva cerca de 20 a 30 minutos. Vamos passando por formações de pedras muito interessantes, como o Arco de Coral, além das formas inusitadas dos cactos gigantes que dominam a ilha. Com sorte, é possível ver um pequeno roedor que mora na ilha, e se esconde em buracos no chão.

Primeiro dia no Salar de Uyuni - Isla Incahuasi

A visão do Salar desde a Ilha Incahuasi é espetacular. No topo da ilha, há uma praça (Plaza 1 de Agosto), de onde se tem uma visão 360 graus do Salar de Uyuni. Lá também há um altar para celebrações da fé local. A ilha Incahuasi tem alguma coisa de mágica, ou sobrenatural. Não sei explicar, mas é um cenário pra não esquecer nunca mais!

Primeiro dia no Salar de Uyuni - Isla Incahuasi

6) Pôr do sol no deserto

Terminamos o tour pela Ilha Incahuasi, e esperamos nosso motorista, que esperou até estar bem próximo ao horário do por do sol para seguir estrada. Depois de mais alguns minutos, paramos no meio do nada, com uma vista maravilhosa do sol que começava a sumir por trás das montanhas. Quando pensamos em sair do carro, era tanto vento do lado de fora que resolvemos esperar até o último minuto (e enfim entendemos porque o motorista esperou tanto para sair da Isla Incahuasi).

Quando saímos, o espetáculo do final de dia foi um dos mais bonitos que já vimos. Nem dá pra descrever a mágica de ver o sol se por em um deserto, é algo que todo mundo devia viver pelo menos uma vez na vida!

Por do sol no deserto de Sal - primeiro dia de tour no Salar de Uyuni
Por do sol no deserto de Sal - primeiro dia de tour no Salar de Uyuni

7) Hospedagem no hotel de sal

Com o sol indo embora, tudo ficou escuro muito depressa. Seguimos para nossa hospedagem em deserto de sal. A maioria dos tours passa a noite na comunidade de San Juan, mas aqui tivemos outra surpresa.

Nosso motorista mora no meio do deserto! Nós ficamos hospedados no pequeno hotel que ele gerencia com a família, um pouco antes de San Juan.

O hotel segue o padrão das construções do deserto: tudo de sal, das paredes aos móveis. Só uma diferença: somente nosso grupo estava hospedado ali aquela noite!!

Cada grupo ganhou um quarto privativo. Os três meninos dormiram em um quarto com 3 camas de solteiro, Rafa e eu em um quarto de casal e a menina austríaca ficou com um quarto só pra ela. Depois de nos alojar, tomamos banho quente (!!!), ao custo de 10 bolivianos cada.

Primeiro dia no Salar de Uyuni - Hotel de Sal primeira noite

Os filhos do nosso motorista apareceram correndo pra lá e pra cá, cobrando os 10 bolivianos de todos. Repetindo: ‘Te vás a duchar? 10 bolivianos tienes que pagar’.

Ficaram tagarelando, passando o esfregão no chão e falando de futebol, Neymar e Pelé. Eu estava esperando tanto perrengue para essa viagem, que jamais imaginava que nossa primeira noite no deserto de sal fosse assim tão divertida e confortável.

Depois do banho, lanchamos biscoitos com chá ou café. Ficamos conversando até mais tarde, quando nos serviram o jantar. Uma sopa quentinha, prato principal com batatas e carne (para alegria dos rapazes) e até um docinho de sobremesa.

Primeiro dia no Salar de Uyuni - Hotel de Sal primeira noite

Resumo do primeiro dia no Salar de Uyuni

Não podemos reclamar: demos a sorte grande com o motorista e a hospedagem no primeiro dia no Salar de Uyuni. Nem dá pra dizer que teve perrengue no primeiro dia, e a viagem superou todas as expectativas quando pensamos nos lugares incríveis que conhecemos.

O nosso motorista se despediu, e a gente colocou o despertador para 6 da manhã. Entramos no saco de dormir e no meio de todos os edredons da cama. A noite foi confortável e não sentimos frio. As luzes se apagaram às 22h, mas as tomadas ficaram funcionando para carregar celulares e câmeras.

Avatar for Klécia
Klécia
Pernambucana radicada no Rio de Janeiro, mas que escolheu chamar o mundo inteiro de lar. Apaixonada pelas estradas e pelos destinos, acredita no poder dos encontros e descobertas de quem está sempre a caminho. O maior sonho? Colocar a mochila nas costas e dar a volta ao mundo ♥
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários:
Analuiza disse:

oi Klécia… indiscutivelmente as paisagens são espetaculares! Todos os lugares que você menciona são incríveis e renderam fotos maravilhosas. Devem ser de fato lugares mágicos. Assim como o Atacama que visitei anos e anos atrás, mas que me deixou impressões muito fortes.

Este texto, além de me deixar deliciada com estas paisagens, está sendo importante por duas razões: primeira para me ajudar a tomar decisões quando decidir voar para Uyuni. Assim como quando visitei o Atacama, não atravessei a fronteira, pelo que estou acompanhando da viagem, faria o mesmo na Bolívia. Ficar não sei quanto tempo apertada em um carro me mata de desespero. rsrsrs E olhe que ainda estamos em seu primeiro dia de viagem.

Segunda coisa: lembrar de avisar que não posso comer quinoa: quando fiz um dos passeios pelo Atacama que inclua quinoa – foi inclusive quando conheci – passei muito mal. Tentei comer depois, no Brasil e continuei passando mal. Basta comer para vomitar. Impossível controlar! rsrsr

Adorei o hotel de sal, sua informalidade e a sorte de vocês terem um motorista simpático, um grupo que aparentemente funcionou e banho quente!! rsrsrs Uma boa noite de sono vale ouro!!!!! bjus

Klécia disse:

Sério que você tem problemas com a quinoa, Ana? Ela foi meu alimento salvador, sempre me deixa muito leve e satisfeita 🙂
Eu quero voltar para a Bolivia (e somente ela) qualquer dia. Tem tanto a conhecer, e é daqueles países que merece mais que a primeira vista, sabe?
O hotel de sal é mesmo bem curioso! E a sorte veio bem do nosso lado nessa viagem! 😀

Analuiza disse:

Fora o Uyuni eu nunca tinha considerado a Bolívia… sempre me pareceu um lugar estranho, perigoso… mas depois de ler os textos aqui e acompanhar a viagem de vocês estou atentando o juízo de Leo para ele considerar voltar a Bolívia. rsrsrs

Este agora me parece um lugar interessante, atraente, cheio de elementos para observar, aprender, pensar…

Obrigada! Escrever blogs afinal serve (também) para inspirar outros viajantes, né?! 🙂

Klécia disse:

Sempre, Ana! Sempre! 🙂

Eu tenho muita vontade de fazer essa viagem, mas tenho muito receio dos perrengues no meio da viagem. Lendo assim até parece tudo lindo rsrs não pegou o contato direto do motorista? Rsrs Que sorte a de vcs, banho quente, grupo e motorista bacana.

Mas viu, cadê as 5mil fotos no Post? Quero ver todas rsrs

Klécia disse:

É tudo lindo sim!!! E o perrengue é bem menor do que eu imaginava. Só não dá pra fazer por conta (ainda, talvez mude com mais uns anos). Mas por um preço, você transforma tudo em perrengue free!!! As fotos (não as 5mil, mas várias) vão vir num post só pra elas 🙂 Prometo!! <3