8 on 8 – Beleza (pisos e ladrilhos na América do Sul)

Eu fui uma dessas crianças que chegava em casa toda machucada dos tombos que levava. Minha mãe dizia que eu andava com a cabeça nas nuvens – essa velha mania de sonhar demais. Ela pegava na minha mão e insistia: olha pro chão, assim você não cai. O conselho virou mania e hoje eu não consigo evitar. Não importa onde eu esteja, sempre vou olhar com atenção para o lugar onde coloco meus pés. O chão que passa despercebido de tanta gente, começou a me encantar com os detalhes dos seus pisos e ladrilhos.

‘No meio do caminho tinha uma pedra’. Tinha uma beleza escondida em formas geométricas, em cores, em desníveis. Em palavras escritas com risca de giz. Eu adoro uma #selfeet: fotografar meus pés em pisos e ladrilhos bonitos que encontro pelo caminho. Beleza em forma de chão. Pra mim não importa se é um mosaico multicor, um azulejo português ou uma calçada poeticamente descascada. Se eu vi beleza, vira fotografia.

_________________________

O projeto fotográfico 8 on 8 desse mês é sobre beleza. E nós aqui do Fui ser viajante estamos de trazendo a beleza que nossos pés encontraram pela América do Sul, enquanto a gente viajava pelo Peru, Bolívia e Chile, em setembro de 2017. Uma beleza inusitada, diferente, simples, provocativa talvez. Uma beleza delicada, que muita gente nem percebe. A beleza dos pisos e ladrilhos que a gente encontrou pelos caminhos dessa Sul-américa!

Beleza (pisos e ladrilhos na América do Sul)

1) Museu de Arte de Lima – MALI, Lima

O Museu de Arte de Lima foi a primeira atração que visitamos na cidade de Lima. Ele nem estava no roteiro, mas passando em frente ao prédio, fui hipnotizada pela bonita arquitetura e não resisti a entrar para dar uma espiadinha. Valeu muito a pena! Além de uma coleção impressionante de arte que cobre praticamente toda a história do Peru, o MALI é incrivelmente lindo por dentro.

Eu acho que os contrastes e simetria são alguns dos motivos pelos quais pisos e ladrilhos chamam tanto a minha atenção. E o MALI é um prato cheio para quem gosta de uma bonita arquitetura, desde o chão até as paredes. O prédio brinca com os tons de branco e preto, e o enorme salão que abre a sala de exposições temporárias mais parece um enorme tabuleiro de xadrez.

Leia também: O Museu de Arte de Lima e o café MALI

Museu MALI, Lima. Pisos e ladrilhos da América do Sul.

2) Antigua Miami, La Paz

Sim, adoramos café. Se a cafeteria for um misto de antiquário, com uma decoração detalhista e carregada em pequenas lindezas vindas de todas as partes do mundo, aí o programa fica perfeito. Minha cafeteria favorita em La Paz, que visitei algumas vezes durante a estadia na cidade, se chama Antigua Miami. Ela fica na região turística do Mercado de las Brujas, e me ganhou desde quando eu passei na frente do estabelecimento.

Lá dentro, a cafeteria parece uma grande colcha de retalhos. As xícaras não fazem par com os pires, pratos e garfos: tudo parece ter sido escolhido aleatoriamente para vir compor o lugar. O café é bom, a música sempre de qualidade, o preço justo. E a decoração é um atrativo a parte. Eu queria passar horas só descobrindo os pequenos detalhes do lugar!

E tinha também esse chão, de tantos pedaços vindos de tantos lugares. Um mosaico bonito em suas diferenças, como tudo na Antigua Miami.

Antigua Miami, La Paz - pisos e ladrillos pela América do Sul

3) Igreja e convento de São Francisco, Lima

De todas as atrações que a gente visitou no centro histórico da capital peruana, a Igreja e Convento de São Franscisco com certeza ficou entre as favoritas. O tour guiado pelas antigas catacumbas e pelo interior da igreja é um passeio muito interessante, rico em história da cidade, e muitos mistérios que sobrevivem desde à época do Peru colonial.

Infelizmente, não é possível fotografar nesse tour. O único lugar dentro do antigo convento onde podemos fotografar é a recepção, onde compramos os ingressos para o passeio. Essa foto é do piso desse salão, que me encantou com suas multicores, que fazem um contraste enorme com a sobriedade das paredes do lugar.

Leia também: Um passeio pelo centro de Lima, no Peru: o que ver, visitar e provar

Igreja e convento de São Francisco, Lima - pisos e ladrilhos pela América do Sul

4) Deserto do Atacama, Chile

O Deserto do Atacama é um lugar incrível para fotos do horizonte. Eu peguei o celular e queria posicionar a câmera bem próximo à estrada, pra fazer um clique com a sensação de infinito que o deserto dá. Com tanto sol, não vi que a câmera de selfie estava ligada, e acabei fotografando o ‘lado errado’. Mas no fim, não é que eu gostei do resultado? O Atacama sempre surpreende.

Deserto do Atacama - pisos e ladrilhos pela América do Sul

5) Bairro Chino, Lima

Quando as culturas de diversas partes do mundo se misturam, o resultado quase é sempre interessante. O Peru recebeu uma enorme quantidade de imigrantes chineses, o que impactou no comércio e na gastronomia do país. O Bairro Chino de Lima é bem pequeno mas traz características marcantes desse encontro de povos. Além dos cheiros, cores e lojas que se misturam pelas esquinas, o chão da rua principal, exclusiva para pedestres, traz o horóscopo chinês detalhado. Essa foto retrata o ano do porco, 1983, quando Rafa nasceu (eu nasci no ano do coelho, 1987).Bairro Chino, Lima - pisos e ladrilhos na América do Sul

Leia também: O que fazer em Lima: principais atrações para um roteiro de 3 dias

6) Museu Mario Testino (MATE), Lima, Peru

Meu museu favorito de Lima é o Museu Mario Testino. Um museu bem moderno que traz a vida e a obra do fotógrafo de celebridades Mario Testino. O museu dá destaque tanto aos clicks cheios de glamour de famosos, registrados pelas lentes de Testino, quanto ao trabalho do artista sobre a arte e cultura do Peru.

Ao mesmo tempo em que o museu traz a modernidade da fotografia para as salas de exposição, com impressões de foto em larga escala e projeções de vídeo, a casa onde ele está hospedado é um edifício histórico, cheio de detalhes encantadores, como esse piso em ladrilho.

Museu Mate, Lima - pisos e ladrilhos da América do Sul

7) Barranco, Lima

Barranco é o bairro da boemia, dos artistas, da poesia em Lima. Um bairro que parece que parou no tempo. Pela Ponte dos Suspiros, locais e turistas se revezam formando um mesmo burburinho. Mais à frente, uma pequena multidão toma conta do pólo gastronômico. Mas seguimos por um lado menos movimentado, procurando o caminho da Bajada de Baños, um dos poucos lugares de Lima onde a gente pode chegar bem pertinho do Oceano Pacífico.

No caminho, as pequenas pedras irregulares marcavam o passo. E eu achei que elas representam perfeitamente a alma do distrito de Barranco, bonitas em sua irregularidade. Um tanto antigo, um pouco ultrapassado, mas ainda assim, tão, tão poético.Barranco, Lima - pisos e ladrilhos na América do Sul

Leia também: Barranco, em Lima: o bairro das cores, arte e boemia

8) Restaurante Tio Mario, Lima

Padrões, formas e cores são a minha maior fraqueza, tenho que admitir. E esse piso do tradicional restaurante Tio Mario, em Barranco, Lima, é um exemplo perfeito de simetria que deixa meu coração (e o meu TOC) bem feliz. Há quem diga que Lima é uma cidade cinzenta. Acredito firmemente que essas pessoas andam por aí sem prestar muita atenção no chão onde pisam 🙂

Restaurante Tio Mario, Lima - pisos e ladrilhos na América do Sul

_______________

Tem muito mais beleza na blogosfera! Esse post faz parte de uma blogagem coletiva fotográfica. Minhas amigas blogueiras prepararam posts para abordar a beleza em suas mais diversas formas. Libertem a criatividade e venham passear entre as belezas do mundo com os blogs Diário de Polly, Mulher Casada Viaja, Quarto de Viagem e Turistando.in.

 

Salve esse post no seu Pinterest pra lembrar do nosso site sempre que for planejar sua viagem! 😊

Pisos e ladrilhos pela América do Sul

 

Avatar for Klécia
Klécia
Pernambucana radicada no Rio de Janeiro, mas que escolheu chamar o mundo inteiro de lar. Apaixonada pelas estradas e pelos destinos, acredita no poder dos encontros e descobertas de quem está sempre a caminho. O maior sonho? Colocar a mochila nas costas e dar a volta ao mundo ♥
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários:

Eu esqueci de falar Klécia, eu incluí seu blog nos meus favoritos, se quiser incluir o quartodeviagem aqui na sua lista ficarei bem feliz, abraços

que post interessantíssimo, eu sempre tiro fotos dos pezinhos por aí, mas nem imaginava que tinha um nome pra isso, adorei a sua perspectiva e o background dos lugares! beijos

Não fazia ideia que a minha mania tinha nome: selfeet! Eu sempre faço isso e mato marido de raiva porque paro do nada para tirar foto dos meus pés nos chãos bonitos que vejo por aí. O seu post é um colírio para os meus olhos, AMEI todas as fotos e a história por trás delas 🙂 Obrigada por compartilhar! Beijo grande

Klécia disse:

Hahaha eu também sempre tenho que sair correndo atrás de Rafael, porque me atraso por culpa da selfeet! heheh
Obrigada pela visita e comentário, Pollyane! 🙂

Juliana Moreti disse:

Selfeet… to ficando velha mesmo! Nao sabia que isso existia
hahahahahaha
Vai ver que é porque raramente faço!
Tua foto do Atacama ficou super engraçada! Ainda bem que a câmera de selfie estava ligada! Ficou show!

Mas fiquei curiosa com a tua foto de capa.. To com receio de chutar errado!
hahahahaha
Onde é?

Klécia disse:

Oi Ju, é em La Paz. Mirador Kiri Kiri. Uma ótima vista da cidade – e uma boa dose de poesia no chão 🙂

Marcia disse:

Nem preciso dizer que adorei o post, não só pela introdução (adoro historinhas), mas porque também ando olhando pro chão (é hereditário, não foi conselho de mãe, não). Tenho muuuitas selfeet, mas não conhecia a expressão! Essa foto do Atacama está linda, adorei a textura do asfalto e as montanhas ao fundo. Beijos

Klécia disse:

Marcia, também adoro historinhas 🙂
A do Atacama tem um lugar especial no meu coração, representa muito mais do que um pé na estrada – representa uma viagem e um modo de ver o mundo que cada vez mais eu acredito – e um lugar que me marcou pra sempre.
Beijos e ótimas viagens pra gente!

Analuiza disse:

Oi Klécia… Eu também adoro um piso. Sempre estou com um olho nas nuvens e outro no chão, observando, descobrindo seus detalhes…

O piso do Mali é lindo, mas não conseguia desviar meus olhos do Café Antigua Miami… Toda a sua descrição, da baguncinha desconectada de qualquer ordem, me fez amar este espaço. Assim como o colorido que não conversa da Igreja de São Francisco.

Pisos e mais pisos lindos. Horóscopo chinês pelo chão?! Que massa!!!! O de Testino é belíssimo! Assim como o do Tio Mario.

Sabe que uma das memórias mais fortes que tenho do Atacama é da estrada?! Aquilo me marcou!
Contudo o piso que eu mais gostei foi o de Barranco. Talvez por lembrar minhas raízes! 🙂

Adorei e viajei muito em sua bonita seleção! bjus

Klécia disse:

Aninha, andamos viajando como sempre em sintonia, um olho no chão e outro nas nuvens, atentos e aguçados em descobrir belezas. O piso de Barranco realmente é tão interessante: poesia, desconstrução, velho e novo que se misturam. E anota o nome da Antigua Miami quando for a La Paz, por favor. Você vai adorar!