Fui Ser Viajante na Bolívia: altitude, tradições e paisagens incríveis

Era meados de fevereiro quando decidimos: 2017 seria o ano do Fui Ser Viajante na Bolívia. Depois da primeira parada no Peru, colocamos as altitudes bolivianas no nosso roteiro de mochilão pela América do Sul.

Mas por que Bolívia? Não é perigoso? O que tem lá pra ver? Vocês têm certeza?’. Nos meses seguintes, essas frases foram uma constante em nossas vidas. O fato de que a gente queria conhecer o país mais pobre da América do Sul um pouco mais de perto foi surpreendente para muitos amigos. A surpresa trouxe em seguida vários avisos, dicas de segurança e muita curiosidade – e tudo isso só fez aumentar minha ansiedade pelo que a gente ia encontrar.Fui Ser Viajante na Bolívia - primeira vez

Li muito, conversei com alguns amigos que já tinham ido para turismo, e com outros que já moraram em La Paz. Isso tranquilizou bastante as emoções e, mais importante, me fez embarcar para a Bolívia de mente e coração abertos. Com muita curiosidade para descobrir um país rico em cultura e história, com paisagens de tirar o fôlego, e que paralelamente, tem um histórico de dificuldades políticas e sócio-econômicas. Essa Bolívia nossa vizinha, tão similar e tão diferente do Brasil.

Amigos viajantes, bem-vindos à Bolívia das altitudes, tradições e paisagens incríveis.

Fui Ser Viajante na Bolívia - primeira vezFui ser viajante na Bolívia: o que a gente viu por lá

Foram sete dias e seis noites conhecendo o azul profundo do Lago Titicaca em Copacabana e Isla del Sol, vendo de perto a cultura, o misticismo e os contrastes sociais em La Paz, e sendo desafiados e encantados pelas condições climáticas e belezas do Salar de Uyuni. Depois de todo o impacto cultural do Peru, estávamos bastante envolvidos na missão de ver e ouvir mais histórias sobre os Incas – além de descobrir mais cenários de tirar o fôlego. Cenários bonitos, inclusive, foram destaque nessa viagem: em todos os países descobrimos lugares de cair o queixo!

Copacabana e Isla del Sol

Nossa primeira parada, a porta de entrada na Bolívia. Ver o Titicaca ao lado da simplicidade das ruas em Copacabana não impressionou de cara. Mas foi só cruzar o lago até a Isla del Sol, sobrevivendo ao frio e aos ventos extremamente gelados, que a impressão sobre a Bolívia começou a mudar. Como não se encantar com os contornos geográficos da ilha, que contrastam com os tons de azul profundo do lago mais alto do mundo? Cenários que, por mais que eu tente, tem uma beleza que eu jamais conseguiria definir fielmente!

O conflito entre os povos do lado norte, sul e centro da ilha nos impediu de cruzar o lendário caminho Inca que atravessa a Isla del Sol de ponta a ponta. Ficamos apenas no lado Sul, parte de um dia e uma noite. As escadas tiraram nosso fôlego, o primeiro grande desafio que superamos em território boliviano. Conhecemos o Templo do Sol e um pouco da cozinha temperada ao sabor do Titicaca. Para terminar, um pôr do sol de encher os olhos! Foi uma experiência intensa e encantadora! Como eu queria ter estendido nossa passagem por essa ilha cheia de magia!Fui Ser Viajante na Bolívia - primeira vez

La Paz

Os desafios seguiram na saída de Copacabana para La Paz. A confusão na venda e marcação de lugares nos ônibus foram apenas a primeira aventura. Já no ônibus, seguimos cruzando estradas fora de qualquer mapa, consequência das rodovias nacionais repetidamente interditadas por protestos. Cruzamos rios, esperamos lhamas que cruzavam a estrada. Entramos em La Paz por uma periferia nada convidativa, até assustadora para um primeiro contato. Desembarcamos na hora do rush, para um trânsito (quase) tão louco quanto o de Lima.

Já era noite quando chegamos no nosso hotel, na região mais turística de La Paz: o Mercado de Las Brujas. Que é exatamente isso que o nome diz: um mercado cheio de poções mágicas, amuletos e simpatias – além de muitos outros presentinhos mais convencionais, que os turistas adoram. Eu já tinha lido sobre ele, mas ver os pequenos animais empalhados, misturados com as sombras da noite, para mim que sou uma pessoa meio assustada, foi uma primeira impressão um pouco impactante!Fui Ser Viajante na Bolívia - primeira vez

Será que todos os conselhos estavam certos?

Tive que me despir de todo e qualquer preconceito e começar a olhar a cidade novamente. Muita pobreza, muito trânsito, muita poluição. Mas também um povo simpático, que ostenta uma cultura forte, original e única. E bons pedaços de histórias sul-americanas, contadas na versão de um país cansado de lutas por território: primeiro contra os espanhóis e depois contra os vizinhos Chile e Peru.

La Paz conta todas essas histórias, em meio a uma e outra parada para recuperar o fôlego na altitude. Visitamos Chacaltaya, a antiga estação de esqui desativada pelo aquecimento global – um aviso para nossos tempos, no mesmo dia que conhecemos o inusitado Vale de la Luna boliviano. Rafael não me deixou fazer o tour de bicicleta pela Estrada de la Muerte – nem entendo porque ele não confia no meu senso de equilíbrio hahahaha. Infelizmente, faltou tempo para visitar as ruínas pré-históricas de Tiahuanaco, um dos prováveis berços da Civilização Americana.Fui Ser Viajante na Bolívia - primeira vez

Tenho que ser honesta e dizer que La Paz não me apaixonou. Procurei beleza por várias partes, mas a cidade não chegou a mexer com meu coração. Mas por outro lado, foi o destino que mais me ensinou, como pessoa e como viajante. Aprendi sobre diversidade de cultura, sobre a força de um povo, sobre histórias e conflitos na América do Sul! Foram variados sentimentos, que me fazem refletir com carinho sobre nossos dias na La Paz que não é capital, mas é a maior cidade boliviana. A Bolívia e seu povo tem muito a me ensinar! E foi minha passagem por La Paz que me deu certeza que quero voltar para ver um pouco mais: as minas de Potosí, Sucre, Tihuanaco. La Paz novamente, quem sabe.Fui Ser Viajante na Bolívia - primeira vez

Salar de Uyuni

Seguimos de La Paz para o pequeno povoado de Uyuni, de onde começamos nossa jornada de três dias e duas noites no maior deserto de sal do mundo. Cenários espetaculares, acompanhados de muito frio. Um dia com dificuldades para tomar banho e muitos momentos em que aquecer o corpo parecia uma missão impossível.

Muito tempo espremida dentro de uma caminhonete 4×4. Muito tempo admirada com tantas paisagens incríveis. Muita diversão, novos amigos, e muita, muita história para contar de um dos lugares mais incríveis do planeta.Fui Ser Viajante na Bolívia - primeira vez

Acompanhe os próximos posts da série Fui Ser Viajante na Bolívia!

Com certeza, aprendemos muito nesses dias na Bolívia. Apesar das dificuldades que encontramos nessa parte da viagem, voltamos com lindas fotos e boas histórias. Com certeza, o mais desafiador dos três países que visitamos no mochilão 2017 (os outros foram Peru e Chile). Muita lição pra levar pra vida, muito fôlego para subir cada vez mais alto nas altitudes mundo afora!

Fica ligadinho que vamos contar todos os detalhes na série de posts Fui Ser Viajante na Bolívia 😉

 

Salve esse post no seu Pinterest pra lembrar do nosso site sempre que for planejar sua viagem! 😊

Fui Ser Viajante na Bolívia

Lila Cassemiro
Pernambucana, contadora de histórias e bem curiosa. Geminiana apaixonada por artes e culturas, sempre com a mala pronta pra viajar de novo. Eu gosto de gente.
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários:
Analuiza disse:

Eu não tenho dúvidas de que as paisagens bolivianas devem ser mesmo impressionantes, mas só por esta prévia (para me deixar cheia de expectativa!) já imagino a quantidade de histórias e aventuras que vem por aí! Léo mochilou pela Bolívia e me conta histórias. Deve ter sido um aprendizado e tanto para vocês! 🙂 bjus

Klécia disse:

Foi sim! De vida e de viajante! A Bolívia acho que transforma todo mundo, nem que seja um pouquinho! Esperando você nos próximos posts, Ana! 🙂