O que fazer em Mendoza, Argentina: roteiro 3 dias ou mais

Tours por vinícolas, jantares harmonizados com o delicioso vinho Malbec, resort com piscinas termais e uma vista sempre espetacular para o Monte Aconcágua.

Parece com o paraíso? São apenas alguns itens da lista de coisas para fazer em Mendoza Argentina.

Dependendo se você planeja viajar para Mendoza no inverno ou no verão, saiba que precisa planejar roteiros bem diferentes.

Mas fique tranquilo. Nesse post vamos te ajudar a descobrir o que fazer em Mendoza, destacando os principais pontos turísticos.

Ah, e tem sugestão de roteiro para 2, 3 ou mais dias na cidade!

Vamos nessa?

Mendoza Argentina: o que saber antes de ir

Essa pitoresca cidade aos pés do Monte Aconcágua pode parecer pacata demais a primeira vista. Mas não se deixe enganar, há muito a fazer em Mendoza – especialmente quando você se permite explorar os arredores da cidade.

Antes de tudo, uma viagem a Mendoza tem tudo a ver com vinhos. A cidade tem mais de 1200 bodegas, algumas famosas internacionalmente, e algumas pequenas propriedades familiares.

É possível visitar muitas delas, por conta própria ou em passeios guiados bem interessantes, como a experiência de wine bike tour pelas vinícolas do Vale do Maipú.

É possível até se hospedar em algumas vinícolas, e experimentar como é acordar com vista para os vinhedos de Mendoza.

Mas não se engane: Mendoza não é apenas um destino para apreciadores de vinho e casais apaixonados.

Também pode ser um destino de muita aventura! Escaladas ao Monte Aconcágua (a maior montanha da América do Sul), passeios de cavalo pelos Andes, rafting no Rio Mendoza e até vôo de parapente com vista para as Cordilheiras.

O que não faltam são opções para subir o nível de adrenalina durante sua viagem a Mendoza.

Ainda quer mais?

Mendoza é um destino perfeito para quem faz questão de visitar bons restaurantes durante a viagem, bem como apreciar uma vida noturna animada por bares, restaurantes e os animados pub crawls.

A cena gastronômica combina as tradições argentinas com um tempero de vinho e montanhas. Deliciosas carnes, empanadas e sorrentinos (parente próximo do ravioli) te esperam em Mendoza.

Planeje sua viagem de acordo com a estação do ano. A paisagem de Mendoza no inverno muda bastante, com a neve tomando conta das montanhas e os vinhedos perdendo suas folhas.

Por outro lado, no inverno as estações de esqui nos arredores de Mendoza funcionam a todo vapor.

Leia também: De Mendoza a Santiago: cruze os Andes pela Estrada de Los Caracoles

O que fazer em Mendoza: melhores passeios

1 – Passeie no centro de Mendoza

2 – Conheça o Parque General San Martín

3 – Faça um wine bike tour em Mendoza

4 – Visite uma produção de azeite em Mendonça

5 – Se hospede em uma vinícola

6 – Faça uma trilha no Parque Nacional Aconcágua

5 – Relaxe nos banhos termais de Cacheuta

6 – Esportes de aventura em Mendoza

7 – Aproveite a gastronomia

8 – Curta a vida noturna na Aristides Vilanueva

8 – Se divirta em um pub crawl

9 – Esqui em Mendoza

Roteiro em Mendoza: 2 dias, 3 dias ou mais

Quando fomos em Mendoza, em novembro de 2014, ficamos na cidade por dois dias inteiros e depois seguimos para uma viagem de 4 dias no Chile. 

O que fazer em Mendoza

O trajeto de avião Rio (GIG) – Buenos Aires (EZE); táxi para trocar de aeroporto; Buenos Aires (AEP) – Mendoza (MDZ) começou na madrugada e se estendeu pela manhã.

Por sorte, as conexões eram bem justas e chegamos em Mendoza na hora do almoço (podemos até dizer que tivemos  2 dias e meio na cidade).

É importante dizer que dois dias em Mendoza é pouco! Muito pouco! Eu nunca deixo o centro de nenhuma cidade de fora de uma primeira visita.

Em Mendoza, o centro tem belos prédios, uma linda área verde e excelente – e barata – gastronomia.

Outras áreas que valem uma visita são as regiões produtoras de vinhos ao redor da cidade e o Parque Provincial Aconcágua, que são atrações que exigem deslocamento e demandam mais tempo. 

Tivemos a difícil decisão de montar um roteiro sabendo que coisas lindas iam ficar de fora. Decidimos conhecer a cidade em um dia e  visitar algumas vinícolas da província de Maipu, que fica a 20km a leste de Mendoza, no segundo dia. 

A minha paixão por vinhos influenciou muito essa decisão. Infelizmente, uma das maiores atrações de Mendoza, o Parque Provincial Aconcágua, ficou de fora dessa viagem.

Muita gente faz um bate-e-volta de um dia até o parque – como a Josiane Bravo, do blog Uma Turista nas Nuvens, que fez esse tour Alta Montanha, que dura um dia.

Mas o passeio seria cansativo e ficaríamos exaustos tendo que ainda seguir viagem para Santiago. Por isso, vimos o Aconcágua só de longe e deixamos a visita ao Parque para  quando voltamos à Mendoza 😉

A montanha Aconcágua tem 6.961 metros de altura e é a montanha mais alta fora da Ásia e, consequentemente, o ponto mais alto do Hemisfério Ocidental e do Hemisfério Sul.

O que fazer em Mendoza

1 – Chegada em Mendoza e Parque General San Martín (tarde bônus)

Chegamos em Mendoza na hora do almoço e resolvemos não perder tempo. Nos hospedamos numa região fantástica da cidade, a rua Aristides Villanueva. Fizemos a reserva da pousada, chamada ‘Casa Aristides’, pelo Booking.com.

A pousada era familiar, com apenas dois quartos. Os donos, Marcelo e Pamela, eram um casal super simpático e que nos ajudou em tudo.

A localização da pousada era excelente, estando a apenas 1km do centro de Mendoza e a 300 metros do Parque General San Martín.

A rua era repleta de restaurantes (para todos os gostos e bolsos) e estava sempre movimentada, com um público jovem e animado, com famílias, com casais. Voltando a Mendoza, com certeza procuraria me hospedar por essa região novamente.

A Casa Aristides oferecia wi-fi, café da manhã e uma lareira pra esquentar as conversas noturnas. Eram apenas dois quartos (acomodando duas pessoas, cada) e um banheiro compartilhado.

Na época que ficamos lá, o outro quarto estava ocupado por um casal de noruegueses da nossa idade, o que rendeu boas conversas.

Consultei a disponibilidade de reserva da casa enquanto redigia esse post, e embora a propriedade esteja listada no Booking.com, ela não aparecia com disponibilidade de reservas.

Aparentemente os donos agora alugam uma outra propriedade em área mais afastada, uma pena.

A Casa Aristides ficava a 1,5 km do Terminal de Ônibus do Sol e a 12km do aeroporto Francisco Gabrielli.

O Parque General San Martín

Como estávamos tão perto do parque, passamos a tarde por lá. O parque é muito lindo! São 400 hectares de muito verde, lagos, praças, um bonito chafariz, playground para crianças e área para piqueniques e churrascos.

Sempre muito movimentado, o parque é a atração dos dias de sol em Mendoza. Eu vejo as fotos e me bate uma saudade imensa desse dia, porque foi tudo tão lindo!

O portão de ferro da entrada é um ponto de destaque, mas a área do parque também abriga um zoológico, um Museu de Ciências Naturais e Antropológicas e um anfiteatro.

Quando você pensa que acabou, ainda tem o Estádio Provincial Malvinas Argentina, construído para a Copa do Mundo de 1978. Não tinha segurança na porta do estádio e fomos entrando, até que uma cachorrada de segurança deu uma corrida na gente hahaha

Aparentemente só dá pra visitar em dias de jogo, uma pena.

No parque ainda fica a Universidade Nacional de Cuyo e um clube de golfe. Tô falando que é e-n-o-r-m-e! Dá pra alugar bikes na entrada, mas fizemos tudo a pé mesmo.

O passeio de ônibus panorâmico que sai da Plaza Independência também passa por dentro do parque, e é uma opção pra quem não quiser andar bastante, como a gente fez. 

O parque permanece aberto 24 horas, todos os dias da semana. A gente inclusive fez nosso primeiro almoço por lá, no restaurante Punta del Lago Sandwicheria, que fica ao lado do Lago de Parque Gral San Martín.

Claro que comemos um bom pedaço de carne, com ‘papas fritas’ e um bom – e barato – vinho argentino. Que saudade!

Próximo ao parque fica o Cerro de La Glória, um morro com um grande monumento e uma linda vista da região.

2 – Visitando o Centro de Mendoza (primeiro dia inteiro)

O centro de Mendoza é uma graça. Um passeio a pé vale muito a pena! Você pode começar pela Plaza Independencia, no coração da cidade. Nos arredores da praça, você pode visitar museus, o mercado municipal.

Visite também o Centro Cívico, com imponentes prédios da administração da cidade, como a prefeitura e o Palácio da Justiça.

Mendoza conta com um Museu do Vinho no centro, que também é uma boa opção pra quem está interessado em enoturismo.

A Plaza Sarmiento e a Catedral de Mendoza também são boas opções. A cidade conta com outro parque urbano, o Parque Central, bem menor e menos atrativo que o Parque General San Martín.

Outra opção é a visita ao pequeno aquário da cidade de Mendoza e ao Serpentário Centro Anaconda, duas atrações bem próximas mas com uma estrutura interessante, especialmente para crianças. A visita aos dois é facilitada porque um prédio fica bem em frente ao outro.

Existe um city-tour que sai da Plaza Independencia e é bem procurado por turistas em Mendoza. São 18 paradas nos pontos turísticos mais importantes da cidade.

A gente até tentou utilizar, mas o passeio só funciona de quinta a domingo. No fundo da foto, dá pra ver o quiosque de venda do City Tour na Plaza Independencia.

Quer uma dica gastronômica? Procure o restaurante Josefina Restó, um dos mais movimentados do ‘Baixo Mendoza’. Pegamos a dica com um local e foi o melhor jantar que tivemos na viagem. Que risoto, que carta de vinhos!

3 – Wine Bike Tour em Maipú (segundo dia inteiro)

O enoturismo é um dos carros chefes de Mendoza. A província é a maior região produtora de vinhos da Argentina e uma das principais do mundo. Cerca de 70% dos vinhos argentinos são produzidos aqui.

No total, existem cerca de 1.200 vinícolas na região, das quais mais de 100 estão abertas à visitação. As vinícolas estão divididas entre 4 principais regiões produtoras: Luján de Cuyo e Maipú, que ficam mais próximas ao centro da cidade e Vale de Uco e San Rafael, mais para o sul. 

Pela distância entre elas e delas para a cidade, é preciso desacelerar e ir conhecendo uma região por vez.

Decidimos visitar a região de Maipú, que é a região com menor altitude e mais próxima ao centro, onde estão localizadas algumas das vinícolas mais antigas e tradicionais de Mendoza.

Pra visitar todas as regiões, pode separar mais uns 3 dias em Mendoza, pelo menos. 

Agendamos um passeio de wine bike tour pelo vale do Maipú, que valeu super a pena.

Percorremos em grupo cerca de 14 Km de estrada, cada um na sua bike e com direito a van de suporte em todo o percurso. Paramos em três bodegas no caminho – Família Cecchin, Vistandes e Viña el Cerno.

Umas eram mais artesanais e outras mais industriais, mas a entrada e a degustação de vinhos estava incluída no pacote. Encerramos o tour numa cervejaria local, o El Patio Cervecero, com direito a uma cerveja, 2 empanadas e pipoca à vontade.

Tem outro post aqui no blog falando mais sobre esse passeio, que foi com certeza a melhor coisa que fizemos em Mendoza. Olha só:

Leia mais: Wine Bike Tour em Mendoza: Conhecendo o Vale do Maipú

Uma dica!

Dá pra fazer esse passeio por conta própria também, alugando bicicletas e escolhendo as bodegas que quer visitar. As lojas que alugam bike disponibilizam mapas e é bem fácil seguir por conta própria.

Optamos pelo passeio em grupo pelo suporte de van na ida e volta e durante o passeio, além de não ter que se preocupar com pagar e reservar a visita nas vinícolas individualmente.

E honestamente, conhecemos só gente legal e divertida no grupo. Nas estradas, os motoristas estão acostumados com os ciclistas e em nenhum momento nos sentimos em perigo.

 Terceiro dia

Visite o Parque Provincial Aconcágua! Não fui ainda, mas dá uma olhada nas fotos do Google que você vai entender porque você precisa ir, caso fique tempo suficiente na cidade.

Mais dias em Mendoza?

Volte a visitar a região das vinícolas. São tantas que você sempre terá uma nova. Eu iria na Trapiche e na Chandon, que são vinhos que admiro, mas você pode ir descobrindo novas delícias em cada região.

Se perder nos vinhedos de Mendoza não é de maneira nenhuma uma coisa ruim. Se descobrir algum tesouro, me avise!

Impressões gerais e planejamento para uma segunda visita a Mendoza

Sou apaixonada por vinhos e nunca tinha visitado uma vinícola na vida. Talvez por isso Mendoza tenha marcado tanto no meu coração.

O wine bike tour foi uma experiência incrível para conhecer pessoas, ver lindas paisagens, provar vinhos incríveis e conhecer de perto o modo de produção. Recomendo a todo mundo!

O centro e seus lindos prédios marcou também. A cidade é de uma calmaria que desacelera a gente.

Dá vontade de ir ficando, provando mais um vinho, descobrindo mais uma praça charmosa. E a comida! Qualidade argentina no corte de carne e fartura de pães e batatas em todos os pratos e restaurantes.

Fiquei triste em não ter feito o tour das montanhas. O Parque Aconcágua com certeza é minha prioridade numa volta à região de Mendoza.

O passeio completo de bate-e-volta inclui a represa Potrerillos, o povoado de Uspallata, a estação de esqui Los Penitentes, a Puente del Inca e o Parque Provincial do Aconcágua, de onde é possível avistar o Monte Aconcágua.

Se você já foi, me conta como é pra ir aumentando minha vontade.

Mendoza também tem uma forte vocação para o turismo de aventura. Rafting, trekking, escaladas, alpinismo. Tem pra todo gosto. As principais regiões exploradas nesse sentido são a Lagoa Potrerillos e o Rio Mendoza.

Outra opções em Mendoza são visitar as Termas de Cacheuta ou ainda conhecer a Reserva Natural Villavicencio. É tanta opção que é só escolher o que mais agrada o seu estilo viajante.

O que fazer em Mendoza no inverno

O que fazer em Mendoza a noite

Planeje sua viagem

Lila Cassemiro
Pernambucana, contadora de histórias e bem curiosa. Geminiana apaixonada por artes e culturas, sempre com a mala pronta pra viajar de novo. Eu gosto de gente.
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários:
Evandro de Morais Rosario disse:

Ola Boa tarde,
estavamos planejando uma viagem para santiago apenas, e resolvemos opitar por passar 2 dias no maximo em mendoza..
Após ver aqui o seu post agora, acho q 4 dias seria essencial, pq amo essas vinicolas, e o aconcagua é um sonho!
alem de parecer muito bonita a cidade e as construções,
Obg pelo seu post, nos ajudou muito, e nos deixou muito mais motivado a conhecer Mendoza.

Klécia disse:

Oi Evandro! Que bom que a gente te ajudou a planejar sua viagem! Com 4 dias com certeza você vai conseguir aproveitar bem melhor a cidade e todas as coisas que ela tem a oferecer! Depois passa aqui e nos conta como foi sua viagem! 🙂

klécia, que delícia de passeio!
Eu adoro alugar bicicleta e conhecer a região / cidade sob duas rodas, mas pedalar pelos vinhedos deve ser ainda mais especial e incrível. Muito gostoso esse passeio, tenho muita vontade de conhecer a região e também acho que é bacana dedicar mais dias para fazer uma viagem com calma e conhecer as vinícolas.

De tudo isso, apenas passo o serpentário rsrs tenho pavor delas =D

Klécia disse:

Oi Mayte! Foi uma delicia mesmo, eu adorei esse jeitinho de passear em Mendoza. E juntando com as vinícolas, foi uma maravilha! Juntou duas coisas que eu amo!
Todo o centrinho é muito lindo! serpentário nem é muito grande, você não vai perder nada muito impressionante não rs
Já o aquário em frente é uma graça! AS tartarugas enormes são super simpáticas e ficaram posando para minhas fotos! =D

Boanerges Lopes disse:

Olá Klécia.
Inicialmente te parabenizo pelo blog e por compartilhar dicas tão essenciais.
Estamos indo a Mendoza em agosto próximo e estou com muita dúvida sobre o deslocamento até as bodegas. Assim como você sou apreciador de bons vinhos e escolhi 6 vinícolas, das quais gosto muito, para visitar em dois dias distintos, porém, não consiguiremos ir de bike pela distância e por minha esposa não encarar o frio da estação de forma tão natural (kkkkkkk) . . .
Já pesquisamos agências e até o serviço de reims, mas ainda é muito caro para o nosso orçamento!
Então, você sabe se é possível pegar taxi comum do centro até a vinícola e de lá pegar outro taxi? Ou seja, é possível ligar da vinícola para algum serviço de taxi ou até esperar passar algum?
Desde já agradeço a atenção. Parabéns!!

Klécia disse:

Obrigada a você, Boanerges, pela visita ao blog e pelos elogios! De Mendoza até as bodegas, você pode sim contratar um taxi na cidade para os deslocamentos. Mas eu acharia viável fechar com um motorista as idas e vindas, porque a maior parte das bodegas fica afastada da cidade, e em locais com pouca circulação de veículos.
Esse passeio que fizemos, não incluir o percurso todo de bike. Fomos de van até a primeira bodega, e fizemos apenas o caminho entre as bodegas pedalando. Deu uns 14 km, mas tudo num ritmo tranquilo e gostoso. Se você vai numa época mais gelada, na cidade também há agencias oferencendo o tour por bodegas, com ida e volta de van.
Se voce tem bodegas especificas que quer visitar, ai seria mais conveniente alugar um carro ou fechar com um motorista. O Chile tem Uber também, mas honestamente não sei qual seria o tempo de espera na bodega até um carro chegar por lá!
Uma outra opção é entrar em contato com a bodega e perguntar se é viável de lá fazer uma ligação para pedir um taxi. EU não tentei essa opção, mas pode ser que funcione!

Patricia disse:

Não acredito que vc foi para Mendoza e não foi ver o Aconcágua de pertinho! Sou suspeita para falar, amo montanhas e visitei a cidade com esse objetivo. Já tem motivo para voltar!
Fiz o wine bike tour tbm. É mesmo uma atração imperdível da cidade.

Klécia disse:

Poxa, Patricia, não deu tempo! Preciso voltar urgentemente, né? 😀

Klecia, meu coração dói, sem mentira, toda vez que vejo fotos de montanhas, não sei explicar, então suas fotos trouxeram emoção aqui hoje! Ainda não conheço Mendoza, mas com certeza irei um dia. Sempre vi fotos de vinícolas e montanhas, mas não tinha visto nada da cidade. Obrigada por compartilhar. Abraços!

Klécia disse:

Vai sim, Marcia! Juro pra você que ao vivo é ainda mais lindo!

Mendoza é um dos lugares que mais quero conhecer na Argentina, acho espetacular a ideia de caminhar pelos vinhedos com essa vista incrível! Se não me engano existem excursões para ir até o Aconcagua né (tipo escalar um pouquinho sem subir ao topo?)

Klécia disse:

Tem sim! Eu que não consegui fazer por causa do tempo 🙁

Maíra Sobieski disse:

Menina, que interessante! Eu estava procurando pessoas que foram para a Argentina, pois essa é a próxima viagem que estou planejando fazer. Vinho é tudo de bom, né? Adoro sair procurando vinícolas escondidas! Amei seu post!

Klécia disse:

Vinho é tudo de bom sim! Aqui já tem uns posts sobre a Argentina, e vou fazendo outros 🙂 Espero que te ajude!

Gabi disse:

Ahh que lindo! Morro de vontade de conhecer Mendoza. Meu marido foi antes de nos conhecermos, e gostou tanto que queria que nos casássemos lá, rs. E essa paisagem montanhosa, coisa mais linda. Esse bike tour entrou na minha lista. O dia que for vou voltar aqui nesse post, ler tudo, e sem dúvidas fazer o bike tour.

Klécia disse:

Um casamento lá seria incrível <3 E o bike tour vale muito a pena!

Paula Abud disse:

Que cidade charmosa, Klécia! Adorei, agora fica a vontade de visitar aqui martelando hahaha.

Klécia disse:

Você ia adora, Paula 🙂

Mendoza é um dos lugares que mais gostei de visitar na Argentina, fomos por 3 vezes, pois viajávamos de ônibus até o Chile. Ver essa região in loco é uma experiência incrível, gostei muito do jeito acolhedor da cidade e dos passeios pelos Andes, a cidade deveria ser mais explorada pelos turistas! Abraços

Klécia disse:

Ai que delícia! 3 vezes na cidade? Sonho meu <3

KLÉCIA DO CÉU!!! Você acredita que só vendo a primeira foto sua nesse post minha ficha caiu que a gente se conhece da UFPE?? HAHAHAHA. Não to crendo! Pela sua foto do facebook eu não tinha reconhecido. :O Que prazer te reencontrar assim com os blogs <3
Que lugar lindo, eu amo esse cenários com as montanhas lá no fundo. Adorei as dicas de roteiro!

Klécia disse:

hahaha, que mundo pequeno, einh Kat? Um prazer te reencontrar também!
Mendoza é mesmo um lugar lindo demais!

Taís disse:

Muito legal seu roteiro, tem muito coisa pra fazer mesmo por lá e fiquei morrendo de vontade de visitar, principalmente por causa dessas vistas incríveis com os Andes de fundo, maravilhoso!
Com certeza iria querer também fazer um passeio relacionado a vinhos, tenho vontade de fazer algo assim no Chile ou na Argentina, Mendoza parece um ótimo lugar pra fazer isso!
🙂

Klécia disse:

É um lugar incrível! Recomendo muito!

Adorei o roteiro e as fotos! Quando se fala de Mendonza pensamos somente em Vinícolas, e é bom saber que outras atividades interessantes no lugar para incluir no roteiro, para diversificar um pouco. Esse é um dos lugares da Argentina que ainda não conheço e morro de vontade conhecer! <3

Klécia disse:

Tem bastante coisa legal pela cidade, Juliana! Vai conhecer sim, você vai amar!

Deisy Rodrigues disse:

Tenho muito vontade de conhecer Mendoza e seu post só fez aumentar,adorei a proposta do tour de bicicleta e achei o Parque General San Martin um encanto, lindas fotos, parabéns.

Klécia disse:

Tudo na cidade é muito bucólico, Deisy, um amor. Queria voltar sempre <3

oi Klécia!
Estive em Mendoza uns anos atrás, mas acredita que lembro muito pouco da cidade? Vendo suas (lindas) fotos então, esse muito pouco na verdade, virou quase nada. Fomos até lá encontrar amigos, que à época tinham filhos pequenos, e fiquei tão entretida com eles, que a cidade passou despercebida. Ainda bem que o Fui Ser Viajante existe: para me mostrar o que eu não prestei atenção. Eu nem sabia da existência do Bike Wine tour! Do jeito que sou agitada e gosto de atividade física acho que ía gostar muito dessa experiência! Com vinhos envolvidos então! Todo mundo voltou bem das visitas? Conseguiram pedalar de volta? Quero ler depois os detalhes desse tour!

Ah! Em minha opinião, as empanadas argentinas são as melhores do mundo. Melhores até que as bogotanas que eu adoro também. 🙂
Nós visitamos duas bodegas quando estivemos aí e em uma delas especialmente tivemos uma experiência sensacional. Agora que estou recuperando histórias antigas no EPM, vou contá-la por lá dia desses! 🙂 beijos Ana

Klécia disse:

Ana, Mendoza merece uma volta com carinho 🙂 Para amantes dos vinhos, como eu, é um paraíso na terra. O Wine Bike Tour foi um passeio incrível. Voltamos todos bem sim! haha A degustação não era o suficiente para tirar ninguém do senso. E no final, quando liberamos os ânimos na cervejaria, voltamos todos sãos e salvos na van para a cidade, sem mais direção de bike 🙂 super seguro! Conto mais no post! Conta as tuas experiências no EPM, mal posso esperar pra ler!