Como planejar a sua viagem para a Ilha do Mel, no Paraná

Dicas Ilha do Mel – planejamento de viagem | Você já foi a um lugar que superou em muito as suas expectativas? Eu me senti assim ao visitar a Ilha do Mel pela primeira vez. Mas vamos com calma que o destino não é pra todo mundo!

Para visitar as praias lindas e paradisíacas, é preciso muita disposição e bastante aventura para encarar a estrutura mais rústica da ilha.

A Ilha do Mel fica no estado do Paraná, na baía do Rio Paranaguá. Muita gente considera as praias da ilha como as mais lindas do estado.

Temos um post dedicado a contar nossa experiência e roteiro na Ilha do Mel, passando pelas principais atrações turísticas e trilhas. Já nesse post aqui, vamos dar algumas dicas importantes, que você precisa saber antes de ir.

O básico sobre a Ilha do Mel

Cerca de 4km separam a Ilha do Mel da parte mais próxima ao continente (Pontal do Sul, no município de Pontal do Paraná).

A Ilha do Mel possui um programa de preservação bem restrito. A maior parte da ilha é uma Estação Ecológica, área de preservação tombada pelo Patrimônio Histórico e que não pode receber visitantes.

Já na Reserva Natural é permitido que os visitantes façam trilhas, desde que não agridam a paisagem. Na Zona de Ocupação ficam as vilas, onde fica todo o movimento de moradores, hotéis e restaurantes.

Ilha do Mel
Mapa da Ilha do Mel

São três vilas principais: Encantadas, Nova Brasília e a Vila do Farol. Nas vilas ficam os restaurantes, os mercados e as pousadas da Ilha do Mel, que são em sua maioria simples e familiares.

Apesar do padrão mais rústico, existem algumas pousadas na Ilha do Mel que oferecem uma maior infraestrutura (temos um post inteiro só com dicas de pousadas na Ilha do Mel, confira).

Desde 1998, a Ilha do Mel recebe fornecimento de energia elétrica diretamente do continente, 24 horas por dia. Mas nem todas as facilidades da vida moderna aportaram na ilha.

Não há estradas, apenas as pequenas ruas de terra batida dentro das vilas e as trilhas que conectam as vilas e levam até os principais pontos turísticos.

Para ir de uma vila a outra, você vai precisar se aventurar nas trilhas ou pegar um táxi marítimo para fazer o percurso pelo mar.

Várias empresas oferecem o serviço durante o dia, e podem ser contratadas diretamente no trapiche (que é como são chamados os pequenos piers de cada vila).

Normalmente as empresas cobram R$10,00 por pessoa para levar de uma vila a outra nas lanchas.

Nos trapiches você encontra carregadores de mala, que por uma taxa levam sua bagagem em carrinhos de mão do trapiche até seu hotel. Só não sei quanto custa o serviço, porque viajei de mochila.

Ilha do Mel
Trapiche de Encantadas
Ilha do Mel
Os carros de mão no Trapiche de Encantadas

Dicas Ilha do Mel: para saber antes de ir

Como chegar na Ilha do Mel?

Existem embarcações que fazem, regularmente, a travessia entre o continente e a Ilha do Mel. As saídas acontecem do píer de Pontal do Sul  ou do píer de Paranaguá. Escolhemos ir por Pontal do Sul por vários motivos:

1) O tempo de travessia. O percurso por Pontal leva cerca de 30min, enquanto por Paranaguá leva 1h45min, em média.

2) O custo da passagem. O preço de passagem ida e volta, saindo de Pontal, é R$35,00 por pessoa, enquanto de Paranaguá é R$53,00 (valores com taxa de embarque já  incluída).

3) A frequência dos barcos. As saídas dos barcos de Pontal do Sul acontecem das 8h às 18h, com saídas de hora em hora nos dias de semana e a cada meia hora nos finais de semana. Já as saídas de Paranaguá acontecem apenas três vezes ao dia: 9:30h, 13h e 16:30h.

Existem dois pontos de desembarque: Encantadas e Nova Brasília (o qual atende também às vilas menores de Praia Grande, Farol e Fortaleza). É importante conferir em qual vila fica a sua pousada, para pegar o barco certo!

Uma outra opção é fretar embarcações particulares. Na chegada, contratamos uma lancha para nos levar até a vila de Encantadas.

O trajeto levou menos de 10 minutos e custou R$25,00 por pessoa. Pagamos apenas a passagem de volta no barco regular, que custou R$15,00 por pessoa.

Ilha do Mel
Gruta das Encantadas

Fizemos o percurso Curitiba-Pontal do Sul de ônibus. As duas rotas (Curitiba/Pontal e Curitiba/Paranaguá são operadas unicamente pela Viação Graciosa.

Minhas experiências com essa empresa têm sido bem ruins. Todas as vezes que usei o serviço (foram três) o ônibus apresentou algum problema (desde ar condicionado ruim até quebrar mesmo, no meio da estrada).

A única coisa boa é que dá pra comprar a passagem pela internet com antecedência (com acréscimo de taxa de conveniência de R$3,50 por compra).

E foi essencial comprar antes, porque no dia já estava tudo esgotado para os horários que precisávamos.

A passagem Curitiba/Pontal custa ida R$38,30 e volta R$33,00 (a diferença está na taxa de embarque entre as rodoviárias) e o trajeto leva um pouco mais de 2 horas.

O ônibus para nas rodoviárias de Praia do Leste e de Pontal, mas você só desce na terceira parada, na frente da ‘Maninho House‘.

Maninho House é um pouco de mercearia / delicatessen / restaurante, que fica na esquina do terminal de embarque de Pontal do Sul. Pra pegar o ônibus na volta, o ponto de embarque é também na Maninho House.

Esperando o ônibus de volta, almoçamos um PF muito bem servido na Maninho House, que custou R$18,00 por pessoa e deixou todo mundo satisfeito.

A comida era simples mas bem saborosa. Tenho que dizer que foi esse PF que me salvou nas 4 horas de volta, graças ao ‘probleminha’ no ônibus da Viação Graciosa.

Foi com o pessoal da Maninho House que fechamos a lancha particular que nos levou à Ilha, com saída imediata logo que desembarcamos do ônibus. Foi ótimo porque não tivemos que esperar a hora do barco regular e chegamos bem rapidinho na Ilha.

Você pode conferir o horário atualizado dos ônibus e barcos neste link.

Uma outra opção – que sinceramente pode te salvar de umas dores de cabeça – é fazer o trajeto terrestre de carro. Descendo pela BR 277 até as cidades de Paranaguá ou Pontal do Sul.

Você pode deixar o carro estacionado em pequenos estacionamentos nas cidades. Não perguntei o preço, mas li que a diária custava entre R$20,00 e R$30,00.

Ilha do Mel

Quando ir e quanto tempo ficar na Ilha do Mel?

Os meses de verão costumam ser bem quentes, porém mais chuvosos. No inverno, faz mais frio mas chove menos (ou nem chove!).

Fomos no final do verão e pegamos chuva em uma tarde, dos três dias que passamos na ilha. A melhor época seria outono ou primavera, para escapar das chuvas e pegar temperaturas mais amenas.

No verão, o litoral do Paraná é um dos lugares mais quentes e úmidos que já visitei no Brasil. O clima pode ficar bem desconfortável nessa época!

Outro problema de dezembro/janeiro na ilha são os borrachudos, que atormentam muito nesses meses!

Ficamos na ilha metade da sexta, o sábado inteiro e metade do domingo. Pra completar todos os pontos turísticos com calma e curtir as praias, eu recomendaria mais um dia completo.

Ilha do Mel

Onde ficar na Ilha do Mel?

Você provavelmente vai se hospedar numa das vilas principais: Encantadas ou Nova Brasília. 

Se você quer evitar deslocamentos, é melhor escolher Nova Brasília, que fica mais perto dos principais atrativos da Ilha do Mel, como o Farol das Conchas e a Fortaleza de Nossa Senhora dos Prazeres.

Nova Brasília sai na frente também na oferta de pousadas com uma maior estrutura e mais restaurantes.

Leia também: dicas de pousadas na Ilha do Mel

Por outro lado, ficar em Encantadas tem os seus atrativos. A enorme fenda que forma a Gruta das Encantadas é tombada pelo Patrimônio Artístico e Histórico do Paraná. Além disso, eu achei as praias de Encantadas mais bonitas 🙂

Ficamos hospedados em Encantadas e gostei bastante.

Onde comer na Ilha do Mel?

À noite, a vila era bem movimentada, com música ao vivo em vários restaurantes. Gostamos bastante do movimento noturno dos quiosques Fim de Tarde e Bistrô Feel Good.

No almoço a maioria dos restaurantes de Encantadas trabalha no esquema de buffet, com preço fixo de R$25,00 por pessoa.

O Restaurante Ilha do Mel tinha boas opções de salada e frutos do mar no buffet, mas cobrava terríveis R$17,00 numa garrafa de cerveja Original de 600ml.

Cerveja é bem caro na ilha, por sinal. Vale comprar nos mercados ou comparar o preço entre garrafa e lata. Quase sempre a latinha saia mais em conta.

Em Brasília, compramos a lata de cerveja Heineken geladinha a R$5,00 na Mini Mercearia e Bebidas WOS.

Almoçamos no Restaurante Mar e Sol, que tinha o cardápio mais caro entre todos os restaurantes que visitamos na ilha. Tão caro que ficamos só nos petiscos, que apesar de tudo estavam saborosos.

Ilha do Mel
Praia de Fora

O que levar para a Ilha do Mel?

Leve seus remédios básicos, porque não tem nenhuma farmácia na ilha. Separe um kit básico de primeiros socorros do trilheiro, com protetor solar, cicatrizante, analgésico, relaxante muscular, antitérmico e band-aid. E leve repelente também, porque no mercado da ilha ele custa os olhos da cara.

Outro item importante é a lanterna. À noite, ela é essencial para se deslocar pelas vilas. Leve dinheiro em espécie para gastos em táxi náutico e coisas do gênero. Não achei nenhum caixa eletrônico na ilha.

Na sua grande maioria, o comércio local aceita cartão de crédito e/ou débito.

E o mais importante, com certeza, é: Viaje leve! Faça uma triagem do que você realmente vai precisar e leve apenas o essencial. Esqueça o salto e leve tênis e chinelo! Lembre que a ilha não tem aslfato e tem uma estrutura bem rústica. Vai facilitar muito seu deslocamento se você viajar apenas com o necessário 😉

Ilha do Mel
Mar de Fora

Dicas importantes

– Não é permitido entrar na ilha com nenhum animal. Os bichinhos vão ter que ficar em casa dessa vez :/

– Dá pra alugar bicicletas na ilha, por cerca de R$35,00 a diária. Com a maré baixa, elas são boas opções para se locomover na ilha. Dá pra fazer boa parte das trilhas pela praia, com ajuda das magrelas.

– Fique de olho da tábua de mares antes de sair para qualquer trilha na Ilha do Mel. Pontos importantes da Ilha ficam completamente inacessíveis na alta das marés. A entrada na Gruta das Encantadas, por exemplo, fica completamente impossibilitada. O mesmo acontece com a travessia entre o Mar de Fora e a praia do Miguel, contornando a Ponta da Nhá Pina, e com a trilha para a Fortaleza. Fique atento e não se arrisque!

– Sinal de telefone na ilha é bem irregular. Internet então, bem mais difícil. Nas vilas o sinal melhora um pouco, mas nas trilhas por muitas vezes fiquei completamente incomunicável. Pra quem faz questão de conexão, lembre de reservar uma pousada com wi-fi.

Ilha do Mel
Farol das Conchas

Lila Cassemiro
Pernambucana, contadora de histórias e bem curiosa. Geminiana apaixonada por artes e culturas, sempre com a mala pronta pra viajar de novo. Eu gosto de gente.
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários:
Gabriela Caravaggio disse:

Excelente dicas, bem explicativo, com instruções claras, me deu uma boa norteada em como me planejar, agradeço as informações.

Lila Cassemiro disse:

Nós que agradecemos sua visita e seu comentário, Gabriela! 🙂

Eunice Leal Barros disse:

Olá, adorei suas dicas, obrigada por compartilhar.
Estive lá duas vezes, a última vez foi qdo guardei um segredo por dois meses p revelar ao meu marido somente na ilha, minha primeira gravidez, isso foi há 25 anos. Pretendo voltar em setembro e com certeza estará bastante diferente. Uma dúvida que tenho, será que é seguro fazer as trilhas sozinha? Talvez eu viaje sozinha e se meu marido for, ele não ama trilhas como eu rsrsrs. E outra, qdo fui vi cobras, tenho pavor, vc sabe se hoje em dia é comum encontrar cobras lá?
Obrigada e abraços

Lila Cassemiro disse:

Oi Eunice! Olha, nunca recomendo fazer trilhas sozinha, por questão de segurança de você na trilha mesmo. Você pode acabar se machucando ou precisando de ajuda em alguma travessia, é sempre bom estar com alguém nesses momentos. E a natureza na ilha ainda é bastante preservada, é muito provável que haja cobras, embora eu não tenho encontrado nenhuma nessa viagem.
Boa viagem e obrigada por partilhar sua história linda com a Ilha do mel!

Carlos disse:

Oi, Klecia! Adorei teu Post. Simples, claro e com um monte de dicas. Obrigado pelas dicas.

Klécia disse:

Que bom que a gente pode te ajudar, Carlos! Boa viagem 🙂

André disse:

Olá, Klecia. Gostaria de visitar a Ilha. O que acha de ficar hospedado em Pontal do Sul, pegar o barco de manhã e voltar ao fim da tarde? Por uns 3 dias. É tranquilo fazer a travessia ida e volta por mais de um dia? O quão cansativo você acha que seria para conhecer as atrações da Ilha? Obrigado!

Rafael Cassemiro disse:

Oi André, a travessia é tranquila, com boa disponibilidade de horário. É possível sim fazer, só verificando o horário do último barco para não perdê-lo!
É possível visitar as atrações indo de barco até o ponto mais próximo e então realizar uma pequena caminhada, ou atravessar a ilha via trilha!
Grande Abraço!

thalita disse:

Oii!! Adorei o post!
Estou planejando ir final de ano e fiquei ainda mais animada com a publicação 😀
Sabe me informar se os carros devem ficar em pontal do sul/paranaguá em estacionamentos ou tem algum tipo de balsa pra veículos?

Rafael Cassemiro disse:

Oi Thalita, os veículos devem permanecer em Pontal do Sul ou Paranaguá! Não existe acesso para nenhum veículo automotor na ilha!
Obrigado pelo comentário e boa viagem!

ale disse:

olá. tudo bem? poderia me dar algumas dicas? eu chego no aeroporto de curitiba num horário muito ruim, as 23 horas. o que vc faria para chegar ás 8 lá na travessia da ilha? vc sabe se lá perto da travessia tem algum hotelzinho para descansar algumas horas? sabe se no caminho para o pontal do sul tem alguma hospedagem? estou com essa dificuldade. vou fazer esse bate e volta no sábado e sair de lá para ir para o centro de curitiba. só tenho esse dia… muito obrigado.

Rafael Cassemiro disse:

Oi Ale, a única possibilidade seria ir para o pontal do sul de carro, visto que o último ônibus sai de Curitiba as 20:40, enquanto o primeiro ônibus sempre sai as 7:40am (levando cerca de 2h15 até pontal do sul). Existem sim, algumas pousadas próximas ao ponto de embarque pra ilha.
De qualquer forma, o ideal é você avaliar bem esses pontos e ver se é viável incluir esse bate e volta no seu roteiro.
Obrigado pelo comentário e boa viagem!

Andrea disse:

Olá estou planejando ir pra Ilha do Mel em março e estava querendo alugar um chalezinho com cozinha, vc acha que seria muito dificil encontrar um mercaTipo, pão, café, macarrão, essas coisas básicas pra café da manhã e pra uma comidinha rápida?

Rafael Cassemiro disse:

Oi Andrea, lembro bem de termos visto pelo menos um mercadinho na vila de Encantadas e na vila de Nova Brasília, onde você pode comprar esses itens para alimentação. Vimos muitas pessoas chegando na ilha com itens que trouxeram do continente (cerveja, alguns alimentos, frutas e etc).
Obrigado pela visita e boa viagem.

Pedro disse:

Oie Klécia. Tudo bem? Vale um bate e volta? Pegando o primeiro barco pela manhã no Pontal e retornar a tarde. Obrigado pelas dicas

Rafael Cassemiro disse:

Oi Pedro, vimos algumas pessoas com essa intenção quando chegamos lá na marina, de onde saem os barcos. Pessoalmente, acho que fica um pouco corrido e também cansativo, dependendo do deslocamento que você irá fazer para chegar até Pontal do Sul.
Mas caso seja a única opção, vc terá que escolher uma parte da ilha para visitar!
Obrigado pela visita e boas viagens

Paula Abud disse:

Já li alguns posts sobre a Ilha do Mel e fiquei encantada! Apesar de gostar de uma boa tecnologia, acredito que ficar uns dias incomunicável e em contato com a natureza me faria muito bem!
Achei tudo tão lindo e que bom que os preços não são assustadores, eu esperava uma experiência estilo Fernando de Noronha, mas vi que é bem mais acessível.
Adorei, Klécia, seus posts como sempre são um verdadeiro guia de viagem!
Beijos.

Taís disse:

Que post ótimo, Klecia!!
A Ilha do Mel também é um lugar que tenho vontade de conhecer e seu post com esse tanto de informações e dicas, só me fazem querer planejar uma ida pra lá quando tiver pelo Brasil! 🙂

Klécia disse:

Vai sim Tais! Você vai se encantar 😀

Já quis ir várias vezes para a ilha do Mel, e ultimamente esse destino estava adormecido na minha memória.
Adorei lembrar desse paraíso.
Quem sabe risco logo o destino da minha lista?

Klécia disse:

Eu tava com essa viagem guardada faz um tempinho, esperando a hora certa! Fiquei feliz demais de ter conseguido ir esse ano 😀

Deisy Rodrigues disse:

Morro de vontade de conhecer, mas nunca vou pra Curitiba em tempo bom hahahahaha, quem sabe consigo conhecer um dia.

Klécia disse:

Curitiba tem um clima que não ajuda muito mesmo hehehe Mas um dia dá certo! 😀

você acredita que morava ai do lado e nunca fui a ilha do mel? que vergooonha hauehaue é engraçado que a galera sempre vai no verão mas chove toda vida e fica nublado -_- acho que iria no inverno!!

Klécia disse:

Eu tive sorte e so peguei um pouco de chuva no sábado. E eu quero voltar lá, apaixonei <3

sempre tive vontade de conhecer a Ilha do Mel, ainda vou realizar esse sonho, dicas mais que importantes pra quem quer visitar o local! abraços

Klécia disse:

Tomara que você visite em breve, Flávia 😀

Ju Garzon disse:

Que delícia de lugar! Também adorei as dias, principalmente as de levar lanterna e dinheiro em espécie. Estamos tão acostumados a “passar cartão” em tudo quanto é lugar, que muitas pessoas até perderam o hábito de levar trocado no bolso. E eu tenho tanto medo de ficar no escuro que até morando na cidade, o meu chaveiro é uma lanterninha. kkkk

Klécia disse:

Verdade Ju! Já passei perrengue sem dinheiro em Ibitipoca – MG, que não consegui sacar antes de ir e na vila não tinha absolutamente nada! Ainda bem que na hora consegui pagar a conta de alguém no cartão e pegar algum $$, porque se não teria sido dureza!

Tenho uma turma de amigos que foram e eu fiquei babando enquanto acompanhava as fotos. Adorei o tanto que seu post ta completo, queria muuito conhecer <333

Klécia disse:

Na torcida pra que voce vá lá, Lorraine! Eu adorei tanto que quero que todo mundo passe por lá também! 😀

Que lugar lindo! Eu fiquei doida pra conhecer desde que uma amiga minha foi passar lua de mel, porque antes nem sabia da Ilha do Mel. :O Quando vi que tu tava indo pelo instagram, já fiquei ansiosa pelas dicas, hahaha.

Klécia disse:

Ain Kat! Voltei apaixonada <3 É tudo lindo e super rústico, lugar pra desconectar do mundo mesmo!

Patricia disse:

Adorei!!
Não conhecia esse lugar. Adoro viagens assim, mais rústicas, conectadas com a natureza, trilhas, praias.
Dica anotada!!

Klécia disse:

Eu adorei a Ilha, Patricia! Surpreendeu todas as minhas expectativas 🙂