O que fazer em Fernando de Noronha: roteiro econômico de 4 dias

O que fazer em Fernando de Noronha | Montar um roteiro econômico em Fernando de Noronha é uma tarefa desafiadora.

Primeiro, porque é um dos destinos mais exclusivos do Brasil – tanto pela quantidade de vôos quanto pelo valor das hospedagens. Uma viagem pra lá pode sair bem cara, e tentar economizar era nossa missão.

Segundo, porque a ilha oferece uma quantidade enorme de roteiros, atrativos, passeios… Como escolher o que fazer em Fernando de Noronha se você tem apenas 4 dias na ilha?

O que fazer em Fernando de Noronha
Foto: Fui Ser Viajante

De cara, a gente sabia que não daria para visitar todos os pontos turísticos e fazer todas as trilhas de Fernando de Noronha em 4 dias.

Não queríamos uma viagem com correria, daquelas que você chega num atrativo, bate uma foto e sai correndo para a próxima atração, sabe?

Queríamos curtir com calma, descansar na praia, aproveitar ao máximo a natureza da ilha.

Então, essa era nossa missão: escolher o que fazer em Fernando de Noronha num roteiro de 4 dias que fosse divertido e econômico.

Como se deslocar em Fernando de Noronha – e economizar

A ilha de Fernando de Norona é cruzada de ponta a ponta pela BR363, que tem cerca de 7km de extensão. Nossa primeira decisão para economizar em Fernando de Noronha foi que não íamos alugar um carro / bugre.

Escolhemos nos deslocar pela ilha da forma mais econômica: caminhando e pegando ônibus (que passa pelos principais pontos turísticos de Fernando de Noronha).

As caronas também são muito comuns em Fernando de Noronha, sempre tem gente nas portarias do Parque Nacional e nas vilas pedindo carona para os carros que passam.

O aluguel de bicicletas também é outra opção interessante.

Leia também:
+ Dicas Fernando de Noronha: o que saber antes de ir
+ O que fazer na Ilha do Mel, Paraná
+ Ilha do Cedro, paraíso escondido em Paraty – RJ

O que fazer em Fernando de Noronha: roteiro econômico de 4 dias

Chegou a hora de mostrar nosso roteiro de 4 dias em Fernando de Noronha. Essa foi uma viagem muito especial pra gente, aproveitamos demais a ilha, por isso espero que o post te inspire e ajude você a montar um roteiro fantástico por lá.

E vale lembrar: é importante que todo mundo que visita Fernando de Noronha cuide da preservação da ilha.

Mergulho em Fernando de Noronha
Foto: Fui Ser Viajante

Não alimente nem moleste os animais, não jogue lixo no chão e recolha os detritos que você encontrar no caminho. Ajude a cuidar desse paraíso.

Para saber mais sobre o que pode levar para a ilha, sobre as taxas de permanência e como visitar o Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha, leia nosso post sobre o que você precisa saber antes de ir a Fernando de Noronha.

Roteiro em Fernando de Noronha
Foto: Fui Ser Viajante

Dia 1 – roteiro Fernando de Noronha

Chegando ao aeroporto

Para ir do aeroporto de Fernando de Noronha até sua pousada, o mais prático é pegar um táxi ou agendar um transfer com a pousada.

Evite os carros de agência de viagem que se aglomeram na saída de passageiros, pois eles acabam sempre fazendo uma parada na agência tentando te convencer a comprar algum passeio.

Para entrar na ilha, é preciso mostrar o comprovante de pagamento da taxa de preservação ambiental (TPA), um imposto cobrado de acordo com os dias que você vai passar na ilha.

Vale muito a pena pagar as taxas antes de viajar e levar os comprovantes impressos, para evitar as filas de pagamento no aeroporto. Para pagamento no aeroporto, é aceito tanto cartão quanto dinheiro.

No post com as dicas de Fernando de Noronha, falamos sobre os valores atualizados da TPA e como pagar antecipado.

Retirando a carteirinha do Parnamar e agendando trilhas

A maior parte da ilha principal de Noronha pertence ao Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha (Parnamar).

Para visitar o parque, você tem que pagar o ingresso (pode pagar online também) e, ao chegar na ilha, comparecer a uma das sedes do ICMBio para trocar o comprovante de pagamento pela carteirinha de acesso ao Parnamar.

Uma dica importante: essa carteirinha deve andar com você o tempo todo enquanto você estiver na ilha. É preciso mostrar o documento toda vez que for entrar na área do parque (que basicamente inclui as atrações mais importantes de Fernando de Noronha).

Fomos fazer a troca na sede do ICMBio na Vila do Boldró. Esse é o melhor local para fazer a troca porque nessa mesma sede é possível fazer o agendamento das trilhas guiadas.

As trilhas dentro do Parnamar só podem ser agendadas presencialmente. Como são poucas vagas, e algumas trilhas dependem da maré, o ideal é agendar logo que você chegar em Fernando de Noronha.

Queríamos agendar a trilha do Atalaia – mas não conseguimos. Não havia mais disponibilidade para nenhum dos 4 dias em que estaríamos na ilha. Fiquei triste? Sim. Foi azar? Sim.

Mas faz parte. Não desanimamos, adaptamos o roteiro de 4 dias para outros passeios interessantes que queríamos fazer na ilha.

Dica de leitura: esse post do blog Até onde eu puder ir tem muitas dicas sobre as trilhas de Fernando de Noronha.

Check in na pousada e por do sol no Mirante do Boldró

Da Vila dos Remédios (A) até o Mirante do Boldró (B): 3km

Ficamos hospedados numa pousada domiciliar na Vila dos Remédios.

Depois de passar na sede do ICMBio, fizemos o check in e seguimos para o Mirante do Boldró, um dos lugares indicados para assistir o por do sol em Fernando de Noronha. Dá pra ir a pé, mas nós conseguimos uma carona.

No Mirante do Boldró ficam as ruínas do antigo Forte do Boldró. O local tem um barzinho com música ao vivo no fim de tarde, é bem agradável por lá.

Muita gente começou a chegar aos poucos, para apreciar a linda vista do sol se pondo ao lado do Monte Dois Irmãos. Dependendo da época do ano, o espetáculo acontece bem no meio dos morros.

Dica: Se você for a pé, é bom levar uma lanterna para voltar pela estrada à noite.

Por do sol em Fernando de Noronha
Foto: Fui Ser Viajante

Vila dos Remédios à noite e jantar no restaurante Xica da Silva

Aproveitamos a noite para passear pela vila dos Remédios, a principal vila de Fernando de Noronha.

Ela é bem pequena e pode ser percorrida sem pressa em cerca de 30 minutos. Quando passamos pelo restaurante Xica da Silva, ele chamou atenção pela linda decoração.

A vila não tem muitos restaurantes diferentes, então o Xica da Silva se destaca. O restaurante estava acima do orçamento mas em toda viagem nós investimos em pelo menos uma experiência gastronômica bacana e economizamos nas outras refeições.

Por isso, depois do nosso passeio a pé pela Vila dos Remédios, decidimos jantar no Xica da Silva. E que achado fantástico!

Comemos uma moqueca de peixe que está entre as melhores que já comi na vida. O prato era muito grande e servia até 3 pessoas, e custou R$115,00.

Dia 2 – roteiro Fernando de Noronha

Observação de golfinhos com o Projeto Golfinho Rotador

Da Vila dos Remédios (A) até o PIC Golfinho Sancho (B): 5 km

Nesse dia decidimos visitar o Mirante dos Golfinhos e a Praia do Sancho. As duas atrações ficam dentro do Parque Nacional Marinho, no lado sudoeste da ilha de Fernando de Noronha (leve a carteirinha do parque).

O ponto de referência é o Ponto de Informação e Controle (PIC) Golfinho Sancho. Para chegar lá, você pode vir de ônibus e descer na BR no ponto de acesso ao Sancho (pergunte ao motorista). Da estrada, é só uma pequena caminhada até o PIC.

Logo na entrada do PIC, o pessoal do ICMBio nos deu instruções rápidas sobre essa parte do parque, indicando as trilhas existentes.

As opções são:

1) ir direto para a Praia do Sancho (aquela que já foi eleita a praia mais bonita do Brasil algumas vezes), por uma passarela suspensa de 320 m. Este é o caminho mais rápido, facilitando o acesso ao mirante da praia para os portadores de deficiência; ou

2) fazer o caminho até o Mirante dos Golfinhos, também em trilha suspensa (942 m) e daí fazer uma trilha pela mata (passando por diversos mirantes) até chegar na Praia do Sancho (mais 1,1 Km).

Passarelas no PIC Sancho, Fernando de Noronha
Foto: Fui Ser Viajante

Escolhemos a segunda opção. A caminhada pela passarela suspensa até o Mirante dos Golfinhos é muito tranquila, quase sempre na sombra da copa das árvores.

A Baía dos Golfinhos é lindíssima. O pessoal do Projeto Golfinho Rotador fica diariamente no mirante, contabilizando os golfinhos que vem e vão da baía.

O projeto empresta binóculos no local para os turistas que passam por lá. Ficamos por uns 30 minutos no ponto de observação e vimos vários grupos de golfinhos, além de um pequeno tubarão.

PIC Sancho, Mirante dos Golfinhos em Fernando de Noronha
Foto: Fui Ser Viajante

Praia do Sancho

Quando for decidir o que fazer em Fernando de Noronha, tá aqui uma coisa que não pode ficar de fora: Visite a praia do Sancho!

Do Mirante dos Golfinhos, seguimos a trilha de chão pela mata até o ponto de acesso para a Praia do Sancho.

As paisagens do caminho são incríveis e o passeio é super agradável, uma trilha muito leve. 

Trilha pelo PIC Sancho até a Praia do Sancho, Vista do Morro dos Irmãos, Fernando de Noronha
Foto: Fui Ser Viajante

E ao chegar no Sancho… Ah, o Sancho!!!

Estou suspirando até hoje! Que praia, que lugar!

Se existe perfeição numa praia, ela fica toda ali! É difícil descrever os tons de azul, a velocidade dos cardumes de peixes, a natureza que envolve esse lugar. Só dá pra chamar de paraíso, nada menos que isso!

Praia do Sancho, Fernando de Noronha
Foto: Fui Ser Viajante

Para acesso, é preciso descer uma escadinha de bombeiro meio claustrofóbica, um por um, e normalmente tem uma filinha…

Mas como vale a pena!

Escada de acesso a praia do Sancho, Fernando de Noronha
Foto: Fui Ser Viajante

O mar estava bem tranquilo naquele dia e a visibilidade do mar estava uma coisa de outro mundo! Tínhamos levado nosso próprio material de snorkeling, mas até sem máscara é possível ver muita coisa! 

Os peixinhos me ‘atropelaram’ várias vezes! São muitos, nadando loucamente e dando a mínima pra gente! Encantador!

Roteiro em Fernando de Noronha
Foto: Fui Ser Viajante

Se você não tem material de snorkel, é possível alugar máscara e nadadeiras no PIC. O PIC também dispõe de uma lanchonete e um chuveirão.

Almoço no Flamboyant

Nesse mesmo dia 2 do roteiro Fernando de Noronha, fizemos um almoço tardio no restaurante Flamboyant, um restaurante bem no meio da praça na Vila dos Remédios.

Na hora do almoço, o restaurante funciona como self-service, e é uma boa forma de economizar em Fernando de Noronha.

Como nossa pousada também ficava na Vila dos Remédios, aproveitamos para tomar um banho antes de seguir para o próximo passeio.

Trilha Costa Esmeralda

Com o apoio de um guia local (Instagram @vithornoronha), seguimos para fazer a trilha Costa Esmeralda, um dos melhores passeios que fizemos em Fernando de Noronha.

Trilha Costa Esmeralda, Fernando de Noronha
Foto: Fui Ser Viajante

Essa trilha percorre o litoral pelas praias do Mar de Dentro (da Praia do Cachorro até a Baía dos Porcos).

É um visual absurdo de lindo, e o percurso pode ser feito de forma auto-guiada (gratuito) ou acompanhado de um guia local (que também não sai muito caro).

Praia em Fernando de Noronha, Pernambuco
Foto: Fui Ser Viajante

Confesso que o guia ajudou muito, porque embora a trilha siga sempre pela costa, em alguns momentos precisamos subir morros e ir com quem já conhece os caminhos ajuda muito.

A trilha Costa Esmeralda em Fernando de Noronha tem dificuldade intermediária, e você vai levar de 3 a 4 horas para fazer o percurso, dependendo do seu ritmo.

Trilha Costa Esmeralda, Fernando de Noronha
Foto: Fui Ser Viajante

Um alerta: essa trilha só pode ser feita na maré baixa.

Iniciamos na praia do Cachorro e passamos pelas praias do Meio, da Conceição, do Boldró, do Americano, do Bode e Cacimba do Padre, até chegar na linda Baía dos Porcos.

Ufa! Foi puxado. 

Pra terminar, assistimos ao pôr do sol em cima de uma pedra alta que separa a Cacimba do Padre da Baía dos Porcos.

Por do sol em Fernando de Noronha
Foto: Fui Ser Viajante

Fizemos o regresso para a Vila já no escuro, pela BR363, numa caminhada que durou de 30 – 40 minutos.

Projeto Tamar e crepe na praça

Na nossa segunda noite em Fernando de Noronha, fomos à sede do Projeto Tamar assistir uma das palestras educativas ministradas diariamente por lá.

Nesse dia o tema foi Tubarões (os temas mudam diariamente, mas as palestras começam sempre às 20h). No fim da palestra, é possível visitar a lojinha do Tamar, cheia de lembracinhas da ilha.

Projeto Tamar em Fernando de Noronha
Foto: Fui Ser Viajante

Na volta, jantamos um crepe num quiosque rústico localizado bem no meio da praça Flamboyant. O crepe, a conversa e a cervejinha regaram a noite.

Encontramos uns moradores por lá tomando cerveja e a conversa veio fácil. O clima da ilha é ótimo.

Estávamos ao ar livre e de repente começaram alguns chuviscos, mas mudamos para uma mesa coberta e seguimos curtindo Fernando de Noronha à noite. Foi uma delícia!

Dia 3 – roteiro Fernando de Noronha

Baía do Sueste

Da Vila dos Remédios (A) até o PIC Sueste (B): 5 km

De manhã cedinho, pegamos o ônibus em Fernando de Noronha, em direção ao PIC Sueste, no sudeste da ilha.

Era o dia de conhecer o mar de Fora. Apresentamos a carteirinha no PIC Sueste e alugamos uma cadeira e um guarda-sol para ficar um tempo de boa, aproveitando a praia do Sueste.

Praia do Sueste, em Fernando de Noronha
Foto: Fui Ser Viajante

A praia do Sueste é dividida em três áreas:

1) a de mergulho livre,

2) a de mergulho apenas com colete salva-vidas (o fundo é cheio de corais, não é permitido pisar no fundo, pra preservar e pra não se machucar também) e

3) área proibida para mergulho (área de preservação e estudos com tartarugas).

Todo mundo falava que a vida marinha no Sueste é maravilhosa, mas tentamos um mergulho e não conseguimos ver nada.

Tinha chovido no dia anterior e, por isso, o o mar estava muito mexido. Outra dica importante de Fernando de Noronha – evite viajar em época de chuva, porque isso atrapalha muito a visibilidade dos mergulhos e os passeios.

É possível contratar um guia para mergulhos no PIC Sueste. Você vai ser ‘rebocado’ até a área de mergulho com colete, onde é possível ver tartarugas e tubarões.

Decidimos não investir nesse passeio pela baixa visibilidade daquele dia, mas quem fez contou que ainda conseguiu ver muita coisa.

Se tivesse mais tempo em Fernando de Noronha, com certeza ia voltar para tentar mergulhar no Sueste de novo.

Mirante das Caracas, Forte do Sueste e Praia do Leão

Como o mar e vento estavam atrapalhando nosso passeio na praia do Sueste, decidimos sair para explorar outros lugares.

Decidimos explorar as trilhas deste lado da ilha. Pegamos a estrada da esquerda após sair do PIC, num caminho que leva até o Mirante das Caracas, as ruínas do antigo forte São Joaquim do Sueste e a linda Praia do Leão.

Praia do Leão, Fernando de Noronha
Foto: Fui Ser Viajante

Amei essa parte da ilha, pela paz, pela menor quantidade de turistas e, principalmente, pelo esplendor e magnitude da natureza.

O mirante das Caracas é algo deslumbrante. Dá pra ver o mar quebrando com tanta força em plataformas que se formaram há muito tempo, numa antiga erupção vulcânica, algo indescritível.

Caracas, Fernando de Noronha
Foto: Fui Ser Viajante

Nas ruínas do forte, encontramos canhões antigos e enferrujados, cheios de história.

A praia do Leão, por sua vez, é paradisíaca. Eu passaria um dia somente nesse lugar. Voltamos de carona até o PIC Sueste e, de lá, pegamos o ônibus até a vila.

Praia do Leão em Fernando de Noronha
Foto: Fui Ser Viajante

Atenção: essa trilha não está dentro dos limites do Parnamar. Por isso, não existe PIC, não existe barraca, não existe nada além da natureza, Deus e você. Leve seu lanche, sua água e recolha seu lixo!

Almoço no Restaurante Empório São Miguel

Fizemos mais um almoço tardio num outro self-service da vila, o Empório São Miguel. Praticamente o mesmo nível de preço do Flamboyant, e boa qualidade da comida.

Snorkel e por do sol no Porto de Santo Antônio

Saímos do almoço e engatamos uma caminhada para a praia que faltava para completar nossa lista de o que fazer em Fernando de Noronha: o Porto de Santo Antônio.

Porto de Santo Antônio, Fernando de Noronha
Foto: Fui Ser Viajante

O tempo começou a fechar durante a caminhada, mas seguimos firmes.

O porto de Santo Antônio é outro local excelente para mergulho em Fernando de Noronha. Embora tenhamos chegado já no fim da tarde, com pouca luz, deu pra aproveitar bastante.

Dicas Fernando de Noronha
Foto: Fui Ser Viajante

Vimos muitos corais, peixinhos coloridos e até uma cobra. Demos uma caminhada ao redor da região, vendo os barcos de passeio que chegavam.

É ali que fica a fotogênica Capela de São Pedro, no alto de um morro perto da água. Estava acontecendo um casamento lá, por isso não entramos, só vimos de longe.

Capela De São Pedro, Fernando de Noronha
foto: Fui Ser Viajante

Museu do Tubarão

Pra terminar o dia, fomos até o buraco da Raquel e o Museu do Tubarão, mais duas atrações que ficam nessa mesma região.

O Museu do Tubarão é pequeno, mas bem interessante. E dos jardins, a vista do mar é espetacular. Também tinha algumas esculturas na área externa que rendem boas fotos.

Museu do Tubarão em Fernando de Noronha
Foto: Fui Ser Viajante

O lugar ainda conta com uma lanchonete, que vende bolinhos de tubarão (feitos com cação).

Pra fechar o dia, fomos presenteados com mais um pôr do sol lindo, com. vista do mar no Porto de Santo Antônio.

Por do sol em Fernando de Noronha
Foto: Fui Ser Viajante

Dia 4 – roteiro Fernando de Noronha

Forte Nossa Senhora dos Remédios

Era nosso último dia em Fernando de Noronha. Para aproveitar, começamos bem cedo.

Fizemos uma trilha super curta e fácil, saindo da vila dos Remédios para conhecer o Forte de Nossa Senhora dos Remédios.

Forte Nossa Senhora dos Remédios, Fernando de Noronha
Foto: Fui Ser Viajante

O local é encantador com suas ruínas. Fomos presenteados com mais golfinhos passando pela ilha (o local é mais um ponto de observação do Projeto Golfinho Rotador).

Memorial Noronhense e Palácio São Miguel

Já chegando de volta à Vila dos Remédios, passamos um bom tempo no Memorial Noronhense, que funciona dentro de um casarão antigo, aprendendo um pouco sobre a história da ilha.

Você sabia que Fernando de Noronha já serviu como cadeia e base militar americana?

Por fim, fizemos um foto walk pela Vila dos Remédios, fotografando um pouco da arquitetura dos prédios de Fernando de Noronha. Como não se encantar com o Palácio São Miguel?

Casarões de Fernando de Noronha
Foto: Fui Ser Viajante

Infelizmente, essa foi nossa última parada. Nosso vôo era no meio da tarde, então seguimos para a pousada para arrumar as malas e voltar pra casa.

O que fazer em Fernando de Noronha: dá pra economizar e se divertir?

Deu pra perceber nas fotos que a gente se divertiu demais, né?

Aproveitamos muito com esse roteiro de 4 dias em Fernando de Noronha. E a maioria dos passeios que a gente fez foram independentes e econômicos, por isso economizamos bastante nessa viagem.

Roteiro em Fernando de Noronha
Foto: Fui Ser Viajante

Não contratamos nenhum dos passeios super desejados da ilha, como o Ilha Tour ou o Passeio de Barco. Fizemos um tour por conta própria, no nosso ritmo e curtindo muito cada pedacinho de Fernando de Noronha.

Ajude a preservar Fernando de Noronha

Um paraíso como Fernando de Noronha só pode permanecer assim se todo mundo que visita ajudar a preservar.

O que fazer em Fernando de Noronha
Foto: Fui Ser Viajante

Evite alimentar animais, maltratar as plantas e os corais. Não entre em áreas proibidas.

As normas e regulamentos do Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha dizem que é proibido nadar, mergulhar e parar embarcações nas proximidades da Baía dos golfinhos.

Na verdade, é proibido mergulhar com os golfinhos em todo arquipélago de Fernando de Noronha. Não vale tudo por uma foto. Temos que pensar em como essas atividades interferem no ecossistema sensível da ilha.

Museu do Tubarão em Fernando de Noronha
Foto: Fui Ser Viajante

Onde se hospedar em Fernando de Noronha?

Hospedagem em Noronha não é barato. Mesmo se você decidir ficar numa pousada mais simples, mesmo assim o preço é acima da média do que outros destinos no Brasil.

A ilha tem algumas pousadas de alto padrão, algumas inclusive comandadas por artistas famosos. Se você quer investir na hospedagem dos sonhos ao visitar Fernando de Noronha, pode conferir essas pousadas:

Pousada Maria Bonita Noronha, do ator Bruno Gagliasso, é uma das mais procuradas pelos famosos que visitam a ilha. Tem também a Pousada Zé Maria, bem famosa por lá.

Outras duas pousadas de alto padrão são a Pousada Triboju, com localização central, na Vila dos Remédios, e a Pousada Maravilha, com sua piscina de borda infinita com vista para a Baía do Sueste.

Para quem prefere economizar na hospedagem, mas ainda assim ficar num lugar bacana, pode conferir essas pousadas em Fernando de Noronha com ótimo custo-benefício:

– Pousada Lenda das Águas

– Pousada Aconchego Noronha

– Pousada Aratu

Para quem quer economizar de verdade, a dica é ficar em hostel ou nas hospedagens domiciliares, acomodações simples, geralmente com poucos quartos, pequenos negócios comandados pelos moradores locais. 

Outra vantagem é que os locais tem as melhores dicas Fernando de Noronha para você pegar durante a viagem. Veja algumas hospedagens mais econômicas em Fernando de Noronha:

– Suítes Refúgio do Boldró

– Estação Noronha Hostel

– Casa do Maneco

Quanto à localização, preferimos ficar na Vila dos Remédios, a principal e mais estruturada vila de Fernando de Noronha. Ficar hospedado ali facilita as saídas noturnas e os deslocamentos pela ilha.

Outra opção é ficar na Vila do Trinta, que é um pouco mais afastada e tem menos estrutura, mas tem opções mais baratas de hospedagem.

Ainda não encontrou seu hotel ideal? Veja outras opções de hospedagem em Fernando de Noronha.

Avatar for Klécia
Klécia
Pernambucana radicada no Rio de Janeiro, mas que escolheu chamar o mundo inteiro de lar. Apaixonada pelas estradas e pelos destinos, acredita no poder dos encontros e descobertas de quem está sempre a caminho. O maior sonho? Colocar a mochila nas costas e dar a volta ao mundo ♥
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários:
Kezia disse:

Olá, nossa, me apaixonei pelo estilo da viagem. Já adotava e não sabia.
Pretendo conhecer este pedaço do paraíso, ano que vem e vcs, são a inspiração base, anotei todas as dicas e passeios e lugares…rsrs

Klécia disse:

Que bom Kezia! Ficamos muito felizes! Noronha é mesmo um paraíso!
Conte conosco se precisar de mais dicas 🙂 Um abraço!

ana disse:

Tudo o que eu sinto como filosofia de vida, vocês descreveram. Que bom. Farei do mesmo jeitinho se puder. Obrigada de coração.

Rafael Cassemiro disse:

Oi Ana, viajar sem pressa é um modo bem legal de aproveitar cada pedacinho dos passeios. Esperamos que você curta e se divirta. Obrigado pela Visita e boa viagem

Klécia disse:

Que bom ler isso, Ana! É bom quando a gente se conecta assim!

Osvaldo Falcão disse:

Vou agora pra Noronha e tô muito a fim de ir pra essa trilha que vocês fizeram do Mirante de Caracas e etc. Como foi o processo? Dá pra ir só?

Klécia disse:

Oi Osvaldo! Nós fizemos com um amigo da ilha, então foi bem tranquilo. É só descer na praia do cachorro e seguir para a esquerda, pelo litoral sempre, até a Baía dos Porcos. Ocasionalmente, a gente tinha que subir em umas pedras/morros que vinham até a beira mar, mas foi bem fácil não se perder. O único cuidado é com a maré, que se subir pode te deixar preso em alguns lugares. Sempre melhor fazer na maré baixa 😉

Patricia disse:

Adorei esse post!!
Sou super adepta do slow travel, de conhecer os locais, usar transporte público e fugir da multidão de turistas e passeios batidos.
Noronha é um lugar que quero muito conhecer, mas sempre achei ser super caro. Saber que dá pra fazer muita coisa por conta, andando e de ônibus é ótimo!!!! Obrigada pelas dicas!

Klécia disse:

Que bom que gostou, Patrícia! Slow travel virou estilo de vida pra gente! Não largamos mais!

Muito bom viajar dessa forma. Levo meu planejamento e tento visitar as atrações turísticas no meu ritmo. Muito interessante e bem explicado o Post! Belas fotos e parabéns!

Klécia disse:

A viagem fica muito mais a nossa cara, com certeza! Aumentamos a probabilidade do destino se tornar inesquecível!

Ju Garzon disse:

Com certeza vou salvar este post para o futuro. Fernando de Noronha é um lugar “sonho” para mim e conhece-lo no modo slow travel deve ser extremamente enriquecedor!! As fotos estão lindas!

Beijo,
Ju
http://madamebr.com

Klécia disse:

Que bom que gostou, Ju! Você vai adorar Noronha, tenho certeza! <3

que sonho de lugar <3 noronha ta na minha lista a teeeeempos! e o conceito de slow travel é o que tenho procurado nas minhas viagens.. apesar de ainda ser um pouquinho desesperada hhahaha

beeeijo :**

Klécia disse:

Quando eu começo a ler sobre um lugar sempre bate o desespero na hora de montar o roteiro haha Mas ir escolhendo o que mais se identifica comigo vem sendo um processo de auto-conhecimento também, e sempre rende uma viagem mais a minha cara 😀

Que viagem gostosa! Nunca tinha pensando em slow travel pra Fernando de Noronha, a maioria corre tanto por lá, né? hahaha. Adorei o roteiro e o post! 😀

Klécia disse:

É gente correndo pra todo lado haha Mas valeu muito fazer cada coisa em nosso tempo, foi uma viagem inesquecível 🙂

Que roteiro completíssimo Klecia, Fernando de Noronha deve ser o paraíso sem dúvida! Eu já há algum tempo adoto a filosofia do slow travel nas minhas viagens, e realmente não tem coisa melhor!

Klécia disse:

Não tem mesmo! Agora não largo mais <3

O post ficou bem completo e informativo.
Conheci essa filosofia do slow travel há pouco tempo e vou tentar adaptar na minha próxima viagem.
É cada lugar lindo nesse paraíso. Mergulhar nesse mar cristalino deve ser uma experiência única!

Klécia disse:

Tenta sim, Juliana! Você vai curtir! 🙂 E sim, o mar de Noronha é muito amor!