Igrejas de Roma: Conhecendo as Basílicas Papais

Visitar igrejas é uma das minhas atividades favoritas nas viagens. E não somente pelo componente religioso.

Eu acredito que os ambientes sacros contam muito da história de uma cidade, do seu povo e das relações de ocupação dos espaços pelo homem, ao longo dos séculos.

Junte a isso a minha paixão por arte e imagine a felicidade dessa pequena viajante, ao realizar um tour por algumas das mais icônicas Igrejas de Roma.

As igrejas de Roma são um verdadeiro coletivo de museus, e conhecer alguns dos templos mais importantes foi uma das melhores experiências de viagem na Cidade Eterna.

Igrejas de Roma: verdadeiros museus!

Roma bem que podia ser chamada de cidade das igrejas. São mais de 900 espalhadas pela cidade, com uma maioria absoluta de templos católicos.

E o mais empolgante é saber que, em muitas delas, você vai encontrar esculturas, arquitetura, afrescos, pinturas e uma variedade inimaginável de outras obras de artistas mundialmente reconhecidos.

Pequenos (ou enormes) museus espalhados pela cidade, que você quase sempre vai poder visitar de graça. Uma oportunidade única, não acha?

Leia também: Onde se hospedar em Roma (melhores bairros)

O que são Basílicas Papais?

As Basílicas Papais são igrejas que estão diretamente sob o controle do Papa. Elas tem ‘privilégios’ perante as outras igrejas, e todas elas têm um trono papal.

Nessas igrejas ficam as chamadas ‘Portas Santas’, que se abrem durante os anos santos da Igreja Católica.

Quatro igrejas de Roma recebem a denominação de Basílicas Papais, ou Basílicas Maiores.

A Basílica de São Pedro, no Vaticano, e a Basílica de São Paulo Extramuros foram as primeiras a receber a denominação, por serem os locais dos sepulcros dos apóstolos Pedro e Paulo, respectivamente.

Posteriormente, foram nomeadas as igrejas de São João de Latrão, por ser a Catedral de Roma, e por último a Basílica de Santa Maria Maior, por ser a mais antiga igreja consagrada à Virgem Maria.

Conheça as 4 Basílicas Papais de Roma

Definitivamente você vai ter que escolher suas prioridades, porque opções você vai ter de sobra.

Uma igreja mais linda e impressionante que a outra. Nessa primeira parte da nossa viagem pelas Igrejas de Roma, vou apresentar as lindas Basílicas Papais, as maiores e mais imponentes igrejas de Roma!

Leia também: Roma de cinema: filmes para ver antes de ir

Arquibasílica de São João de Latrão

Basilica di San Giovani in Laterano (em italiano) me marcou muito, porque foi a primeira igreja que visitei em Roma. 

Nos fundos da basílica, fui atraída pelos desenhos egípcios do Obelisco Laterano (falei dele no post sobre as praças, fontes e obeliscos de Roma). Dando a volta, descobri a fachada de uma igreja imponente, gigante, até difícil de enquadrar na foto. 

Entendi o porquê dessa majestade quando soube que a Igreja de São João de Latrão é a sede do bispado de Roma. Ou seja, é a Catedral comandada diretamente pelo bispo de Roma, o Papa.

Eu sei. Você também pensava que essa a Igreja do Papa era a Basílica de São Pedro, no Vaticano. Quase todo mundo pensa.

Talvez por isso, a Basílica de Latrão passa despercebida do circuito turístico em Roma. Mas pra surpresa de todo mundo, é isso mesmo.

Igrejas de Roma - Basílica de Latrão
Foto: Fui Ser Viajante
Igrejas de Roma - Basílica de Latrão
Foto: Fui Ser Viajante

A Igreja de Latrão está acima de todas as demais igrejas católicas do mundo, sendo a única que recebe o título de arquibasílica.

Ela é a mais antiga igreja no mundo ocidental, sendo conhecida como a “mãe e cabeça de todas as igrejas da cidade e do mundo”.

Toda a imponência da fachada é aumentada nos interiores, onde há seis luxuosos túmulos papais. Cada um, uma obra de arte.

A igreja é incrivelmente rica em detalhes arquitetônicos. Chamam atenção as enormes portas de bronze do século I a.C, que se abrem para nos receber.

Depois, é só olhar para cima para se encantar com os tetos trabalhados em dourado e os lindos mosaicos das abóbadas. Como se não fosse suficiente, ainda há incríveis peças de arte e decoração por toda a igreja.

Com destaque para o lindo baldaquino e o batistério – primeiro batistério da história das igrejas católicas.

Já te convenci a sair um pouco do circuito turístico tradicional de Roma e passar por lá?

Igrejas de Roma - Basílica de Latrão
Foto: Fui Ser Viajante
Igrejas de Roma - Basílica de Latrão
Foto: Fui Ser Viajante

Basílica de Santa Maria Maior

Em seguida, conheci a Basílica Papale di Santa Maria Maggiore (em italiano). Ela fica razoavelmente perto da Basílica de Latrão. Essa é a maior igreja mariana de Roma (por isso é chamada de Igreja de Santa Maria Maior).

Em minha opinião, é uma das mais lindas igrejas de toda Roma. O que mais me encantou foi o teto, completamente ornamentado com ouro.

Existem também lindos mosaicos bizantinos nas abóbadas das capelas laterais. A atração para olhar para cima é irresistível!

O bonito altar é ladeado por duas capelas, a Capela Paulina e a Capela Sistina. Aposto que você também não sabia que existia outra Capela Sistina em Roma, além da famosa de Michelangelo! 

Igrejas de Roma - Basílica de Maria Maior
Foto: Fui Ser Viajante
Igrejas de Roma - Basílica de Maria Maior

A Capela Paulina é uma área restrita, dedicada à oração dos fiéis. Você pode entrar em silêncio, mas lá não é permitido tirar fotografias.

Já na Capela Sistina, é possível realizar visitações durante a manhã, com permissão para fotos. Quando for visitar, preste atenção no majestoso candelabro de anjos, feito inteiramente de ouro. Surreal!

Tem uma curiosidade que achei muito bonita sobre a Igreja de Santa Maria Maior. Conta a tradição católica que o local da construção da igreja foi escolhido pela própria Virgem Maria.

Ela apareceu em sonho ao papa Libério, falando que um milagre iria indicar o local da futura construção. E eis que, em 5 de agosto, em pleno verão romano, começa a nevar sobre uma pequena capela de Roma.

Igrejas de Roma - Basílica de Maria Maior
Foto: Fui Ser Viajante
Igrejas de Roma - Basílica de Maria Maior
Foto: Fui Ser Viajante

Era o sinal para ali erguer o novo templo, a primeira igreja romana dedicada à Virgem Maria.

E o mais interessante é que, todos os anos, nesse mesmo dia, uma chuva de pétalas brancas cai da linda Capela Paulina, que fica ao lado do altar, parar celebrar o aniversário do sinal milagroso. Deve ser bem bonito de ver.

Basílica de São Pedro

A igreja mais famosa do mundo católico não fica exatamente em Roma, mas no Vaticano. A Basílica de São Pedro é também uma das Basílicas Papais, com certeza a mais conhecida delas.

A Basílica atrai milhares de turistas e fiéis todos os dias, seja para ver o túmulo de São Pedro, ou as incríveis peças de arte e arquitetura. Quem não quer ver a Pietá de Michelangelo e os detalhes do baldaquino de Bernini?

La Pietá - Visita à Basílica de São Pedro
Foto: Fui Ser Viajante
Baldaquino da Baseilica de São Pedro, Roma
Foto: Fui Ser Viajante

Apesar das enormes filas que peguei na visita (já começo a questionar se abril é mesmo um bom mês para visitar Roma…), valeu cada instante lá dentro.

Da subida ao topo da cúpula, quando fomos presenteados com a linda vista da Praça São Pedro, até as várias belezas do interior da Basílica, fiquei satisfeita por cada minuto de espera.

Independente de religião, se houvesse apenas uma igreja para visitar durante sua passagem por Roma e Vaticano, eu escolheria a Basílica de São Pedro.

Visita à Basílica de São Pedro
Foto: Fui Ser Viajante
Visita à Basílica de São Pedro
Foto: Fui Ser Viajante

Sem pensar duas vezes. Principalmente pelo que ela representa para o mundo cristão, mas também pela arte e beleza que ela preserva no seu interior.

Voltei apaixonada, e com um enorme sentimento de paz. Um dia que nunca vou esquecer!

Contei mais detalhes da  visita a mais conhecida igreja católica do mundo no post Conhecendo o interior da Basílica de São Pedro, no Vaticano.

E pra te fazer viajar, veja as fotos da linda Basílica de São Pedro!

Basílica de São Paulo Extramuros

Basilica Papale di San Paolo fuori le Mura (em italiano) é a basílica onde repousam os restos mortais de São Paulo. Seu nome é uma referência à sua localização, fora da antiga muralha Aureliana que protegia Roma, séculos atrás.

Infelizmente, não consegui encaixar a Basílica de São Paulo Extramuros nessa minha curta visita à Roma, exatamente pela sua localização afastada.

Mas não tem como não ficar encantada pelas lindas fotos do interior da Basílica. Com certeza entrará no roteiro da minha próxima visita à Roma – já tenho mil motivos para voltar!

Para quem quiser dar uma espiada na Basílica antes de um relato mais detalhado aqui no FSV, deixo o link para um post bem bacana sobre ela, do blog 360 Meridianos: Basílica de São Paulo Extramuros.

Circuito das sete basílicas peregrinas de Roma

Existe uma tradição chamada visita às sete Basílicas Peregrinas de Roma.

Os fiéis peregrinos, que vão à Cidade Eterna para receber Indulgência Plena durante um Jubileu (perdão de todos os pecados, concedido pelo papa em uma data festiva), devem visitar estas sete igrejas para obter a indulgência.

É um percurso de mais de 20 quilômetros, que envolve a passagem pelas quatro Basílicas Papais (Basílica de Latrão, Basílica de Santa Maria Maior, Basílica de São Pedro e Basílica de São Paulo Extramuros), pela Basílica de Santa Cruz de Jerusalém, e por mais duas Basílicas Extramuros, de São Lourenço e de São Sebastião.

Esse é o circuito tradicional, instituído em 1952 por São Filipe Néri. No Jubileu do ano 2000, o papa João Paulo II alterou um pouco a rota, substituindo a Basílica de São Sebastião pelo Santuário da Mãe do Divino Amor.

Fiquei tentada a, numa volta a Roma, completar a visita às sete Igrejas Peregrinas e relatar a experiência por aqui.

E você, toparia o desafio? Conhece alguma das Basílicas Peregrinas que a gente ainda não visitou?

Planeje sua viagem

Lila Cassemiro
Pernambucana, contadora de histórias e bem curiosa. Geminiana apaixonada por artes e culturas, sempre com a mala pronta pra viajar de novo. Eu gosto de gente.
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários:

oi Klécia… eu não tinha ideia sobre quase nada que você conta neste texto a respeito das igrejas de Roma: não sabia desta nomenclatura e divisão papal, muito menos que existem 900 igrejas em Roma! Não sabia sobre a importância da Igreja de São João de Latrão ou sobre o milagre de Santa Maria Maggiore. Enfim, você ajudou a lançar luzes na escuridão de minha ignorância. 🙂

Eu gosto de visitar igrejas pela mesma razão que você: pela quantidade de arte que abriga, por sua arquitetura e principalmente porque não podemos negar sua influência na trajetória da humanidade. São fonte de informação, portanto!

Preciso dizer que eu A-DO-REI este texto?! Lindo, como só o Fui Ser Viajante sabe fazer! beijocas

Klécia disse:

É sempre uma viagem fenomenal quando adentramos templos religiosos, seja em qual parte do mundo! E Roma, pra mim, foi especial demais! 🙂

Lu Aquino disse:

Uau, 900 igrejas? Não fazia ideia. Adorei o post, ótima orientação pra não ficar perdido diante de tantas opções! 🙂

Klécia disse:

Inacreditável ne, Lu? Roma é maravilhosa mesmo!

Anderson Oliveira disse:

Eu com certeza ia pirar, também sou desses que adora ir visitar uma igreja na viagem, gosto do silencio dentro delas e de toda a arquitetura que as envolve. Roma deve ser um Show a parte. Adorei o post com muitas dicas legais. Grande abraco !

Klécia disse:

Então você é dos meus, Anderson! Obrigada pelo comentário e boas viagens!

cwrgutierrez disse:

Roma é uma cidade de museus ao céu aberto, mas também tem cada igreja linda lá né, as fotos estão ótimas parabéns.

Klécia disse:

Tem uma igreja mais linda que a outra! obrigada!! 🙂