Antiga fábrica da Bhering: o Rio de Janeiro descolado que você precisa conhecer

Era uma vez, em 1930, um prédio de seis andares onde funcionava uma fábrica de chocolates no Rio de Janeiro, a primeira do Brasil. O tempo passou, a fábrica fechou, e o enorme prédio ficou abandonado por anos. Mas o Rio de Janeiro segue, apesar de tudo, abençoado por Deus e bonito por natureza.

Em 2005, inspirado em ocupacões artísticas de fábricas em Berlim, Londres e Paris, o dono da Bhering resolveu dar um novo uso ao espaço, desativado desde a década de 90, e começou a alugar para artistas em busca de preços mais convidativos, fora da Zona Sul. E desde então, a área vem sendo ocupada com muita arte, gastronomia e mais coisas bacanas.

A Antiga Fábrica da Bhering, na zona portuária da cidade, hoje abriga ateliês fotográficos, de pintura, escritórios de arquitetura, livraria, restaurantes, cafeterias… É tanta atividade criativa que o local virou um dos maiores centros de arte da cidade. Para ficar ainda mais legal, uma vez por mês, isso tudo se abre num grande movimento para trazer as pessoas para perto dos artistas. O Circuito Interno da Bhering acontece sempre no primeiro sábado do mês, das 13h às 20h. A entrada é gratuita e os ateliês abrem as portas para receber, conversar e mostrar seus trabalhos para todo mundo. É uma tarde cheia de música, artes plásticas, design e gastronomia. A antiga fábrica da Bhering se transforma de novo num lugar mágico…

Antiga Fábrica da Bhering - circuito Bhering

Antiga fábrica da Bhering: uma locação massa para fotografar!

Eu fui conferir as atividades do Circuito Interno da Bhering mês passado e fiquei chocada de como eu ainda não tinha ouvido falar do evento nem da antiga fábrica Bhering. O prédio por si só é um atrativo a parte. Por sorte eu tinha levado a câmera, porque eu descobri que as estruturas de concreto e ferro nos seis andares da antiga fábrica são excelentes cenários para fotografia urbana.

Leia também: 41 museus para conhecer de graça no Rio de Janeiro

Pense em filmes como ‘Olga’ e ‘Meu nome não é Johnny’. Sabe o que eles tem em comum? Eles tiveram cenas gravadas em um dos andares da Bhering. A lista de artistas que já passaram por ali é impressionante, como Fernanda Montenegro e Tony Ramos.

Não sei se foi a cara de prédio abandonado, ou a pegada industrial, mas o fato é que eu me apaixonei pela locação. O projeto arquitetônico da antiga fábrica Bhering foi baseado numa antiga fábrica alemã, e usa e abusa das estruturas de ferro expostas e no aproveitamento da luz natural. Agora eu cismei que quero porque quero fazer um ensaio fotográfico bem ali!

Antiga Fábrica da Bhering - circuito Bhering

E o Circuito Interno da Bhering?

O evento é muito bacana. Comecei a visitação pelo terraço, no sexto andar, e fui descendo e encontrando coisas lindas em cada nova sala. Alguns ateliês estavam fechados, mas a grande maioria estava aberta. E os artistas estavam lá, trabalhando ou conversando com os visitantes.

Leia também: Da Casa da Táta: café da manhã com amor no Rio de Janeiro

No terraço, me encantei com as peças de cerâmica do Atelier do Terraço, além da linda vista da Zona Portuária do Rio. O pôr do sol lá de cima deve ser uma das coisas mais incríveis de se ver. No terceiro andar, me perdi entre as relíquias da Livraria da Fábrica e suas prateleiras cheias de obras raras e interessantes. No primeiro andar, a antiga garagem das carroças foi transformada em palco e estacionamento de food trucks. Sempre tem um show rolando, e o cheiro das delícias vai atraindo a gente. Todo mundo se encontra no térreo para provar as cervejas artesanais e as delícias gastronômicas. Ah, e tem opção vegana, vinhos, bistrô, hambúrguer.

Antiga Fábrica da Bhering - circuito Bhering

Tem muita, muita coisa bacana por lá!

Alguma dúvida que Circuito Bhering é uma boa pedida para o final de semana? Se liga que todo mês, a lista de participantes é atualizada na página do Facebook da antiga Fábrica Bhering.

Confira todos os posts sobre o que fazer no Rio de Janeiro!

Ficha técnica

O quê? Antiga Fábrica da Bhering
Onde? R. Orestes, 28 – Santo Cristo, Rio de Janeiro.
Principais atrativos? Circuito Interno da Bhering.
Quando? A Fábrica Bhering abre de segunda à sábado, de 9h às 18h. No Circuito Interno, a fábrica abre no primeiro sábado de cada mês, e funciona até das 13h às 20h.
Quanto? Entrada gratuita.
Estacionamento no local? Sim.
Como chegar? De carro, táxi ou transporte público. Para quem vai de VLT, desça na estação Cordeiro da Graça e caminhe até a fábrica. Nesse caso, não deixe para voltar muito tarde, para evitar as ruas desertas.
O que levar? Disposição para caminhar pelos seis andares e provar as comidas deliciosas.
Quanto tempo reservar? A tarde toda.
Não deixe de ver: O incrível trabalho do Atelier do Terraço, e o por do sol visto do último andar do prédio.

Salve esse post no seu Pinterest pra lembrar do nosso site sempre que for planejar sua viagem! 😊

Antiga Fábrica da Bhering

 

Lila Cassemiro
Pernambucana, contadora de histórias e bem curiosa. Geminiana apaixonada por artes e culturas, sempre com a mala pronta pra viajar de novo. Eu gosto de gente.
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários:
Analuiza disse:

Que lugar incrível! Bem o tipo de evento que gosto de conhecer, perambular… Encaixado em um estrutura como essa com cara de lugar abandonado e/ou fábrica me atrai ainda mais! Também quero um ensaio fotográfico bem aí!!!! 🙂 bjs

Klécia disse:

Tenho certeza que você ia adorar a fábrica e o evento, Ana! Vamos marcar esse ensaio? 🙂