18 cervejarias na Bélgica: onde tem tour e bares para visitar

Nem só de waffles e chocolates vive a Bélgica. O país é um verdadeiro paraíso para o turismo cervejeiro. Nesse post reunimos indicações de 18 cervejarias na Bélgica que merecem entrar no seu roteiro de viagem.

Se você está interessado em viajar e beber cervejas, pode começar a sonhar com um roteiro por Bruxelas, Bruges, Antuérpia e várias outras cidades do interior da Bélgica. Desde os mosteiros trapistas, até a maior cervejaria do mundo.

O que não falta é opção de cervejaria na Bélgica para visitar.

Curiosidades sobre a cerveja na Bélgica

A cerveja está para os belgas assim como o vinho está para os franceses. A cultura cervejeira na Bélgica é praticamente uma religião.

E isso inclui, claro, servir as cervejas em seus copos corretos.

É possível que você entre em um pub, peça determinada cerveja, e o atendente te responda que não será possível te servir porque eles só tem 3 copos para aquela cerveja e eles estão em uso no momento. Isso acontece, mesmo.

Estima-se que hoje sejam produzidos mais de mil rótulos de cervejas diferentes, dentro de centenas de cervejarias ativas espalhadas pelo território da Bélgica.

Os estilos de cerveja produzidos na Bélgica são os mais variados: pale lager, amber ales, lambic, Flemish red ales, sour brown ales, strong ales, stouts, a lista vai longe…

Claro que em uma visita a Bélgica, você não vai conhecer todas as cervejarias dessa lista. Mas já salva as referências das cervejarias na Bélgica que ficam nas cidades onde você vai passar (e já marca uma visita).

Instagram blog Fui Ser Viajante

Cervejarias na Bélgica com tour e visita à fábrica

Cantillon (Bruxelas)

A primeira cervejaria nessa lista é uma aposta ousada. Você já viu, provou, ou mesmo ouviu falar, sobre as cervejas lambic?

Diferente dos métodos de fermentação que estamos mais acostumados, das cervejas Ale ou Lager, o método lambic é bem menos conhecido dentro do universo cervejeiro.

Mas, pasme: a lambic é a família cervejeira mais antiga de todas!

A diferença básica é que a fermentação das cervejas lambic acontece sem adição controlada de leveduras. São utilizadas leveduras selvagens presentes no ar!

Esse método tem tudo a ver com a história das primeiras cervejas. É um processo rústico e difícil de reproduzir. Isso porque somente uma região no mundo tem, no ar, as leveduras necessárias para produzir a cerveja lambic.

E adivinha onde? Bem na região do Vale do Senne, o pequeno rio que corta a cidade de Bruxelas, na Bélgica!

Muitas cervejarias na Bélgica que produziram lambics foram fechando com o tempo, pelas dificuldades associadas com o processo. Mas ainda existem algumas que seguem em atividade. Uma delas é a Brasserie Cantillon, em Bruxelas.

O que fazer em Bruxelas - Cervejaria Cantillon
Foto: Fui Ser Viajante

O tour pela cervejaria é um dos mais interessantes que já fizemos (exatamente porque esse método de produzir cerveja é tão diferente para nós).

E ao fim do tour, você pode provar as cervejas ácidas e frutadas da Brasserie Cantillon ali mesmo, num pequeno bar dentro da cervejaria.

Uma experiência cervejeira que você precisa ter na Bélgica.

Het Anker (Mechelen)

A história da cervejaria Het Anker vem do início do século XV. Hoje no local funciona a cervejaria e também uma destilaria, e ambas podem ser visitadas.

Essa cervejaria produz as famosas cervejas Carolus e Lucifer. Você pode fazer um tour guiado pela cervejaria, ou mesmo participar de algum dos eventos organizados pela cervejaria, focados em degustação e harmonização.

No local, também funciona uma loja de souvenir e o bar / restaurante da cervejaria.

Para quem deseja ter a experiência completa, é possível se hospedar no hotel que funciona dentro dessa cervejaria na Bélgica.

Além de evitar o problema de beber e dirigir, se hospedar na cervejaria facilita viver experiências locais, como alugar uma bicicleta na própria cervejaria e explorar os arredores.

Conheça o hotel da cervejaria Het Anker:

Bourgogne des Flandres (Bruges)

Os amantes de cerveja artesanal também vão gostar de conhecer Bruges para visitar mais algumas cervejarias na Bélgica. Para começar, vamos falar da tradicional Cervejaria Bourgogne des Flandres.

A cerveja Bourgogne des Flandres tem uma receita ousada. Na fábrica, é produzida uma dark ale (Bourgogne des Flandres brune).

Com essa cerveja, é produzido um blend, misturando essa cerveja dark ale com uma cerveja lambic e então o blend é envelhecido durante 8 meses em barris de carvalho, até o ponto do equilíbrio ser alcançado.

Siga o blog Fui Ser Viajante no Youtube

O resultado é uma cerveja marrom-avermelhada, com baixo teor alcoólico e final rico. No sensorial, a cerveja combina características dos dois estilos utilizados no blend, trazendo notas adocicadas, de frutas e caramelo, além de uma leve acidez.

Além da visita à cervejaria e seu bar, você também pode conhecer a loja própria da marca, com excelentes opções de lembrança e venda direta das cervejas da marca.

De Halve Maan (Bruges)

Outra experiência de tour cervejeiro muito legal para fazer em Bruges é a visita a cervejaria De Halve Maan.

A cervejaria fica bem no centro da cidade e é super antiga, tem muita história pra contar. Além disso, nossa guia era super descontraída e entendia demais sobre todo o processo de fabricação e história dessa cervejaria na Bélgica.

A visita foi bem completa, e se encerrou no bar da cervejaria, onde podemos provar a cerveja mais tradicional da cervejaria De Halve Maan: a Brugse Zot (incluído no valor do tour).

Visita à cervejaria De Halve Man em Bruges, na Bélgica
Foto: Fui Ser Viajante

Para quem quiser estender a visita e provar as demais cervejas, no bar também servem refeições e petiscos para acompanhar.

Outro destaque é a loja da cervejaria, com vários itens interessantes para amantes de cerveja, além das garrafas das cervejas De Halve Maan para trazer pra casa a preço de fábrica.

Brasserie d’Achouffe (Achouffe)

Com sede na simpática cidade de Achouffe, essa cervejaria na Bélgica já é bem conhecida dos brasileiros.

Seus rótulos com duendes coloridos não passam despercebidos nas prateleiras de supermecados e lojas especializadas.

A Cervejaria de Achouffe foi fundada em 1982 pelos cunhados Pierre Gobron e Christian Bauweraerts, como um hobby. Mas o negócio deu muito certo, e em setembro de 2006, a cervejaria foi vendida ao grupo da cervejaria Duvel Moortgat.

Não esqueça que o Seguro Viagem é obrigatório em toda viagem para a Europa.

É possível visitar a fábrica, com direito a degustação de cervejas no final. (reservas são feitas online). O ideal é reservar com antecedência, com pelo menos 14 dias de antecedência).

Antigamente era possível “chegar no local e fazer o tour”, mas isso não estava acontecendo desde o início da pandemia. Confira na época da sua visita.

O local onde a cervejaria está localizada é um charme por si só, com um ar campestre que incrementa ainda mais a visita. No local também funciona a loja oficial da marca, ideal para comprar cervejas a preço de fábrica.

Rodenbach (Roeselare)

A Rodembach surgiu como um negócio familiar, em 1821. Eles próprios desenvolveram os estudos de vinificacao da cerveja e otimizaram o processo de maturacao em barris de carvalho.

A marca produz cervejas através de fermentação híbrida (alta fermentação + adição de lactobacilos) e amadurecimento em barris de carvalho.

O resultado são cervejas famosas por sua qualidade e sabor único.

A cor marrom-avermelhada é uma característica marcante dessa cerveja, que já é reconhecida como produto regional típico, e premiado internacionalmente.

Dentre as cervejas produzidas na fábrica, há também o blend que combina cervejas jovens e cervejas envelhecidas, como a Rodenbach Alexander.

A visita a fábrica dura cerca de 2 horas, e você vai conhecer o processo de produção de cervejas através da fermentação mista, além de ver ao vivo os 294 barris, alguns com mais de 150 anos de idade, onde as cervejas Rodenbach são envelhecidas.

Lindemans (Vlezenbeek)

A cervejaria Lindemans começou como um negócio familiar, na intenção de produzir cervejas para aquecer o inverno dos camponeses na pequena cidade de Vlezenbeek.

Com o tempo, as atividades agrícolas na fazenda foram cedendo espaço para a cervejaria, que crescia cada vez mais.

A Lindemans produz cervejas lambic, e também oferece tours guiados pela fábrica (seguidos de degustação), de segunda a sexta. É preciso reservar com antecedência.

De Koninck (Antuérpia)

Está preparado para ter uma experiência imersiva no mundo das cervejarias na Bélgica?

A Antuépia é seu destino, e a cervejaria De Koninck é a experiência que você procura.

A cervejaria está na Antuérpia desde 1827, e o tour na cervejaria da cidade é uma das principais atividades turísticas da cidade.

O tour nessa cervejaria na Bélgica é interativo. Você vai passar por experiências de realidade virtual, como dirigir um caminhão de entregas pela cidade de Antuérpia, e testar suas habilidades de serviço enchendo um copo com a cerveja da casa.

Você faz no seu próprio ritmo (sem guia). Há uma prova de degustação no começo e no fim do tour.

Uma curiosidade é que foi a De Koninck que criou o Bolleke, modelo de copo utilizado por várias cervejarias belgas. Por isso, quando estiver na Antuérpia, não peça uma cerveja, peça uma Bolleke. 

Stella Artois (Leuven)

A cidade de Leuven é vibrante e jovem, uma cidade universitária que fica a apenas 30 minutos de trem de Bruxelas.

Muita gente aproveita e faz um bate e volta de 1 dia em Leuven, saindo de trem de manhã e voltando a Bruxelas no fim do dia. Nesse tempo, você pode aproveitar para visitar a fábrica da cerveja Stella Artois, que fica na cidade.

Hoje, a Stella Artois faz parte do maior grupo cervejeiro do mundo, a AB InBev, e é facilmente encontrada em mercados ou bares espalhados pelo mundo.

Mas sua história e suas raízes estão fincadas em Leuven, e pode ser uma boa oportunidade para os fãs da marca saberem mais sobre a história dessa cervejaria na Bélgica.

As visitas interativas acontecem aos sábados, com degustação de Stella Artois após a visita.

Brasserie à Vapeur (Pipaix)

A Brasserie à Vapeur é a última cervejaria a vapor da Bélgica.

Tem um passado muito sombrio por trás de sua história, já que em 25 de agosto de 1990, Anne-Marie Lemaire, a esposa do mestre cervejeiro, faleceu por consequência de queimaduras causadas pela explosão do gerador de vapor.

Mas depois de algum tempo de luto, o marido Jean Louis Dits, voltou a fermentar na fábrica.

No último sábado de cada mês, Jean Louis abre as portas de sua cervejaria ao público, para mostrar como é o processo de fabricar cerveja usando o antigo equipamento.

Nesse dia, ele também organiza comes e bebes no pátio da casa da fazenda vizinha à cervejaria, com vários produtos locais (incluindo a cerveja própria).

Não esqueça que o Seguro Viagem é obrigatório em toda viagem para a Europa.

St. Bernardus (Watou)

A Cervejaria St. Bernardus é um dos lugares mais interessantes para quem procura combinar a história das antigas cervejas trapistas com a modernidade de uma fábrica novinha em folha.

A história da St. Bernardus se mistura com a de dois mosteiros trapistas: a Mont des Cats (na França) e Sint-Sixtus, que produz a lendária Westvleteren (na Bélgica).

Embora o passado tenha trazido a tradição trapista para a St. Bernardus, hoje a cerveja já não é mais produzida por monges, muito menos está sendo produzida dentro de um mosteiro.

A produção de cerveja na St. Bernardus não é mais feita pelos monges e sim em uma moderna fábrica – que pode ser conhecida pelos visitantes em um tour guiado.

Além da visita a fábrica, todo o ambiente da cervejaria é diferenciado, incluindo a loja e o bar no rooftop – com uma linda vista dos arredores!

Contamos mais nesse post sobre nossa visita a cervejaria St. Bernardus.

Mais sobre a visita a Watou:

Duvel Moortgat (Breendonk)

A Duvel é outra marca de cerveja belga bem conhecida dos brasileiros. O tour na fábrica é uma visita para quem conhecer uma estrutura cervejeira moderna mas com tradição familiar.

A cervejaria belga Duvel Moortgart foi fundada em 1871, por Jan-Leonard Moortgat e sua esposa Maria De Block.

A busca sempre foi pela excelência. Em 1963, a cervejaria adquiriu a licença para a produção das cervejas da Abadia de Maredsous.

Em 1965, o nome Vedett foi lançado, rebatizando uma pils de exportação que estava em produção desde os anos 1940. Mais recentemente, a Vedett Extra Blond e a Vedett Extra White foram adicionadas à família.

O grupo Moortgat segue expandindo (e adquirindo cervejarias). Das marcas que pertencem ao grupo, temos a Brasserie d’Achouffe, a Liefmans e De Koninck, na Bélgica, e as americanas Ommegang Brewery (Nova York) e Boulevard Brewery (Kansas).

Chimay (Chymay)

Na Bélgica, você pode visitar a cerveja trapista mais vendida no mundo. Estamos falando da Chimay, cerveja produzida na abadia Notre Dame de Scourmont, um pequeno retiro religioso no meio de uma natureza maravilhosa nas florestas do sul da Bélgica.

Foi nesse lugar lindo que, em 1852, os monges trapistas isolaram a levedura e criaram a receita de uma das cervejas mais apreciadas no mundo.

A visita é autoguiada e inclui o museu da cervejaria (você não passa pela fábrica em si), os jardins e a igreja da Abadia Notre Dame de Scourmont. Você pode ainda fazer compras na loja e provar as cervejas, queijos trapistas e outros petiscos no bar próprio.

Mais sobre a visita a Watou:

Huyghe – Delirium Tremens (Melle)

A casa do elefante rosa é uma destino interessante para os amantes da cultura cervejeira.

Localizada na cidade de Melle, a fábrica da Cervejaria Huyghe oferece um tour pela moderna fábrica, para que você possa conhecer o processo de produção dos rótulos da marca.

Para conhecer mais sobre a Delirium Tremens, o mais indicado é reservar seu tour online antecipado.

Cervejarias na Bélgica que não tem visitação (mas tem loja / bar)

Westvleteren (Vleteren)

Se você já pesquisou um pouco sobre roteiros e cervejarias que precisa conhecer pelo mundo, deve ter ouvido histórias sobre a lendária Westvleteren.

Essa cervejaria trapista ficou mundialmente conhecida por produzir a melhor cerveja do mundo.

Cervejaria Westvleteren: Abadia de Sint-Sixtus
Foto: Fui Ser Viajante

A cervejaria foi fundada por monges do mosteiro vizinho de Mont des Cats, que fugiram da França pela perseguição religiosa em 1831.

A fabricação de cerveja no mosteiro de Sint-Sixtus começou em 1838. Permaneceu ativa durante as 2 guerras mundiais, mas em 1946 a situação no mosteiro não era das melhores.

Por isso, os monges cederam a receita da Westvleteren para os monges da St. Bernardus, na cidade vizinha de Watou, com uma licença de produção.

Somente em 1992 o mosteiro de Sint-Sixtus voltou a concentrar a produção exclusiva de Westvleteren.

Mas a história dos 2 mosteiros estaria para sempre ligada, e há quem diga que a produção da St Bernardus Abt. 12 segue, até hoje, a mesma receita da Westvleteren 12. Será?

A fábrica da Westvleteren não recebe visitas do público. Mas você pode visitar o bar da cervejeria, bem em frente ao mosteiro trapista. Veja mais detalhes da nossa visita ao bar In de Vedre para beber a lendária Westvleteren.

Para visitar a Westvleteren, o mais indicado é se hospedar em Poperinge (a capital do Lúpulo da Bélgica).

Mais sobre a visita a Westvleteren:

Orval (Villers-devant-Orval)

Mais uma cerveja trapista que você pode conhecer na Bélgica. O mosteiro atual foi inaugurado em 1931, e está localizado na região da Wallonia.

A tradição do mosteiro é a produção de cervejas e queijos seguindo os preceitos trapistas.

A cerveja passa por um tempo de maturação, e o resultado vem na forma de um sabor complexo, com a presença de um caráter amargo e frutado. O copo de serviço da  cerveja Orval também é sua marca registrada.

A fábrica da cervejaria é normalmente fechada ao público, mas abre suas portas por dois dias a cada ano, em eventos especiais.

Para os demais dias, você pode visitar a loja da Orval, e as ruínas de um antigo mosteiro. Há um bar a menos de 200 metros da cervejaria que serve as cervejas da marca.

Notre-Dame de Saint-Remy (Ardenas)

A abadia de Notre Dame de Saint Remy foi fundada em 1230, pelo Conde de Rochefort. Os relatos da produção de cerveja na abadia datam de 1595. Lá são produzidas as trapistas Rochefort 6, 8 e 10.

A visita a abadia não é aberta ao público. Só a igreja pode ser visitada, fora dos horários de culto.

Como essa abadia foi destruída e reerguida várias vezes em sua história, o conjunto arquitetônico tem construções de diferentes épocas.

A igreja não é a original da época da construção. Bem simples e extremamente branca, é bem diferente das igrejas da região.

Não há loja, nem venda de cervejas ao público no local.

Der Trappisten Van Westmalle (Antuérpia)

Em 6 de junho de 1794, dez monges franceses fixaram residência na região, precisamente no caminho entre Antuérpia e Turnhout.

Entre idas e vindas das guerras e perseguição religiosa francesa, a fabricação da cerveja para uso próprio dos monges começou em 1856.

Mas os monges de Westmalle decidiram vender suas cervejas nos portões da abadia, o que foi tornando as cervejas de Westmalle cada vez mais famosas.

A cerveja Westmalle Tripel, por exemplo, é geralmente reconhecida como a “mãe de todas as tripéis”. Este estilo de cerveja foi fabricado pela primeira vez em Westmalle, no ano de 1934.

Embora os serviços de visitação à cervejaria não estejam abertos ao público, em frente a Westmalle há um café / restaurante onde você pode relaxar, provas as cervejas dessa abadia trapista, bem como seus queijos e a comida.

Conhece outras cervejarias na Bélgica?

A Bélgica é um destino perfeito para uma viagem cervejeira. Além dessas cervejarias citadas no post, há várias outras cervejarias de médio e pequeno porte no país, esperando sua visita.

Conhece outras cervejarias na Bélgica? Conta pra gente sua dica na caixa de comentários!

Planeje sua viagem

Queremos que você saiba: esse post contém links de afiliados. Isso quer dizer que, ao clicar e fazer sua reserva a partir desses links, você apoia nosso trabalho (sem pagar nada a mais por isso). Queremos te dizer muito obrigado!

Para saber mais sobre nosso trabalho e conhecer nossos parceiros, consulte a política do blog.

Lila Cassemiro
Pernambucana, contadora de histórias e bem curiosa. Geminiana apaixonada por artes e culturas, sempre com a mala pronta pra viajar de novo. Eu gosto de gente.
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *