Descubra 8 destinos pouco explorados no interior do Paraná

O Paraná é um estado cheio de destinos maravilhosos, alguns que já ganharam fama internacional. Ele é um dos que mais recebem turistas no Brasil, principalmente por causa de Foz do Iguaçu.

E não pára por aí: Curitiba, Ilha do Mel e Londrina são outros destinos já consagrados de turismo no Paraná.

Mas o turismo no Paraná vai muito além. Estamos falando de um estado enorme e cheio de história, agraciado com uma bela lista de belezas naturais.

Portanto, há muitos lugares incríveis para conhecer no Paraná, seja no verão ou no inverno.

Com esse post, queremos ajudar a divulgar algumas maravilhas do interior do estado, que quase sempre passam despercebidas dos guias turísticos. São 8 lugares que valem a pena conhecer no Paraná, reunidos nessa lista!

Turismo no Paraná: 8 destinos pouco explorados no interior

Tibagi

Tibagi é uma cidade que faz parte do grupo chamado Campos Gerais do Paraná. A cidade oferece um boa variedade de atrativos, incluindo trilhas, cachoeiras e esportes radicais, ideais para quem curte passeios de aventura.

Mas se você for mais dos que curtem prédios históricos e museus, também vai encontrar por lá muitos lugares que contam a história do início do desbravamento do Paraná.

Nada se compara, porém, ao Cânion Guartelá. Com vales profundos, quedas d’água e corredeiras e até mesmo inscrições rupestres, esse é um passeio e tanto para curtir o visual e, ao mesmo tempo, aprender um pouco sobre nossa própria história.

Canion Guartelá, Tibagi. Paraná
Foto: Paulo Hulyk via Flickr. Attribution-NonCommercial 2.0 Generic (CC BY-NC 2.0)

O cânion fica no planalto dos Campos Gerais e está localizado entre os municípios de Castro e Tibagi, a aproximadamente 200 km de Curitiba. Ele tem cerca de 30 km de extensão e 450 metros de altura.

A Cachoeira da Ponte de Pedra é outro grande atrativo da região, bem como o mirante, que oferece vista para o Rio Iapó. A vista que se tem desse, que é o sexto maior cânion do mundo (e nada menos que o maior do Brasil), compensam qualquer cansaço devido ao esforço para se chegar até lá.

Outra atração que vale muito uma parada são os Panelões do Sumidouro, que são tipo umas banheiras de hidromassagem natural.

São, na verdade, uns buracos que recebem água da cachoeira. Não são fundos, então pode entrar e se refrescar a vontade.

Há trilhas sinalizadas que ajudam bastante na hora de explorar a área, por vezes dispondo de passarelas de madeira ou piso de cascalho. A mais básica tem cerca de 5 km, levando em média de 2 horas e meia a 3 horas para ser concluída.

Há também a trilha completa, que inclui Mirante do Canion Guartelá, a Cachoeira da Ponte da Pedra, os panelões do Sumidouro e até as pinturas rupestres. Isso tudo acrescenta uns 3 km a mais da trilha básica. Esta só pode ser realizada com guia contratado na região.

Por fim, outra atração bem diferente da região é a Fenda do Nick, descoberta há não muito tempo na região rural de Tibagi.

O local é o resultado da separação das paredes de uma montanha que foi dividida por um terremoto há milhares de anos, e assim, se formou um corredor de pedras com cerca de 3 km de extensão.

Por lá fica uma trilha montanha adentro através dos paredões de arenito de até 70 metros de altura. A trilha tem 3 níveis: os dois primeiros são de caminhada leve e poucos obstáculos naturais, porém, no terceiro é preciso executar uma parte em rapel.

Como fica em uma propriedade particular, a visita a esse local deve ser guiada por um operadora de turismo local.

No blog Até Onde Eu Puder Ir, você encontra um post completo com dicas de O que fazer em Tibagi Paraná.

Veja onde se hospedar em Tibagi

Maringá

A cidade de Maringá oferece roteiros históricos, gastronômicos e de lazer, além de ser um dos principais destinos de negócios no Paraná.

Maringá é conhecida como ‘Cidade Verde’. Estima-se que a média gire em torno de uma árvore para cada quatro habitantes.

Portanto, uma simples caminhada pelas ruas curtindo tanta área verde, por si só já é uma atividade que todos os turistas curtem fazer.

Da mesma forma, a cidade também conta com vários parques e bosques. Os principais deles são o Parque do Ingá, Parque Alfredo Nyffeller e o Parque do Japão.

O Parque do Ingá é considerado o pulmão da cidade, é o parque mais famoso de Maringá. Ele tem 474 mil m², conta com um belo lago artificial, um píer e 7 Km de pavimentação. Ainda há uma gruta, que abriga uma imagem de Nossa Senhora Aparecida.

Maringá também oferece boas opções no que se refere a turismo religioso. A Catedral Nossa Senhora da Glória, por exemplo, recebe muitos turistas que se interessam não apenas pela sua importância religiosa, mas também pela sua arquitetura, no mínimo, peculiar.

Maringá, Paraná
Foto: André S. Macedo via Flickr. Attribution-NonCommercial 2.0 Generic (CC BY-NC 2.0)

Segundo consta, o arquiteto José Augusto Bellucci se inspirou no satélite soviético Sputnik para projetar a catedral.

Sua estrutura cônica apontando para o céu faz referência ‘àquele que vai em direção à Deus’, tal qual um foguete seguindo para o espaço.

Por lá também se encontra o Museu da Catedral, onde estão documentos da história da cidade. E também é possível chegar ao topo da catedral e, do mirante, ter uma das mais belas vistas de cidade. Basta ter disposição para encarar os mais de 460 degraus.

Ainda na temática religiosa, existe o Santuário Diocesano Nossa Senhora de Fátima, que fica anexo à Igreja São Francisco Xavier.

Trata-se de uma gruta com telas e imagens que vieram do Japão e de Taiwan, além de uma imagem de Nossa Senhora de Fátima trazida de Portugal que fica suspensa sobre o altar.

Mas nem só de cristianismo vive a cidade, que também conta com a Mesquita Sheik Mohamed Ben Nasser Al Ubudi, inaugurada em 1989 e que apresenta arquitetura com características clássicas de templos religiosos islâmicos.

Em relação a cultura, Maringá dispõe do Museu Bacia do Paraná e de três grandes teatros: o Calil de Haddad, o Barracão e o Reviver.

E entre outras atrações, estão a Vila Olímpica (que recebe competições de diversas modalidades e grandes shows de música) e o Ginásio Chico Netto (também é palco de shows musicais e de esportes).

Por fim, outros pontos muito visitados da cidade, são o Mercadão de Maringá (onde é possível comprar todo tipo de iguaria e bebidas) e a famosa Feira do Produtor, que acontece todos os dias em bairros diferentes e atrai tanto turistas como moradores da região.

Veja onde se hospedar em Maringá

Guaratuba

Guaratuba é uma cidade litorânea com boa infraestrutura e que ao mesmo tempo mantém uma vibe rústica de vila de pescadores. Muitos a consideram uma das cidades mais bonitas do litoral paranaense.

Guaratuba, Paraná
Foto: Iva Castro via Flickr. Attribution-NonCommercial 2.0 Generic (CC BY-NC 2.0)

Além, é claro, de suas belas praias, a cidade oferece vários outros pontos turísticos.

Pra quem é mais aventureiro, por exemplo, a boa é o Salto Parati. Trata-se de uma cachoeira de água cristalina cercada por uma área conservada da Mata Atlântica.

Para chegar até ela é preciso tomar um barco que sai da Baía de Guaratuba e leva quase meia hora até o rio Parati.

Depois de atracar no porto, pega-se uma trilha de aproximadamente 40 minutos até o local da cachoeira. Essa trilha (que conta até com uma ponte suspensa), por si só, já valeria todo o passeio.

Ainda no quesito trilhas, o Morro do Cabaraquara é outra ótima ideia de passeio. É possível chegar ao topo do morro – que possui 455 metros de altura – e ter aquela visão panorâmica maravilhosa do Oceano Atlântico, da Serra do Mar e da cidade de Guaratuba. 

E pra quem quer um pouco mais de cultura, o passeio mais legal é uma visita ao Casarão do Porto, que fica na área central da cidade e é reconhecido como Patrimônio Histórico do Paraná.

E por fim, como já dito anteriormente, uma visita às praias da cidade não podem ficar de fora do roteiro.

A Praia Central e a de Brejatuba são, ambas, ótimas e muito procuradas por quem visita Guaratuba. Elas já foram citadas mais detalhadamente no nosso post sobre as melhores praias para você visitar no Paraná.

Veja onde se hospedar em Guaratuba

Ribeirão Claro

Ainda na vibe aventureira, temos o município de Ribeirão Claro. Ele fica no chamado ‘Norte Pioneiro’, na divisa com o estado de São Paulo.

Os passeios por lá podem começar pela trilha que leva ao topo do Morro do Gavião, e que recompensa com um visual encantador.

Depois, que tal uma tirolesa (que pode até atingir 50 km/h)? Ou quem sabe voo livre? Pois essas são algumas das opções por lá. Além delas, também é possível praticar rapel e escalada.

Dispondo de uma localização privilegiada, estando às margens do Rio Paranapanema, as belas paisagens naturais de Ribeirão Claro, bem como sua proximidade à Represa de Chavantes, acabam levando para lá turistas em todas as épocas do ano.

A Cascata do Gummy é outra bela atração, com sua queda de 33 metros, desaguando na Represa Chavantes. Ainda falando de cachoeiras, há também Cascata Véu da Noiva, que conta com quatro quedas d’água.

Já a Gruta da Água Virtuosa, tem uma área de aproximadamente 400 m², com uma caverna toda esculpida em rocha natural. A água é tão gelada quanto límpida. Para chegar até ela é preciso fazer uma trilha.

Mas se você estiver procurando algo mais tranquilo, a Fazenda Monte Belo pode ser uma boa pedida. Ela faz parte da chamada Rota do Café, e combina em um só passeio as experiências de turismo natural e histórico.

Ainda nessa pegada fazendeira, a Fazenda Pinhalzinho também é um passeio interessante. Lá, você encontra um ambiente rústico que contrasta com as instalações aconchegantes. Um dos seus principais atrativos é o laboratório de degustação de café, onde você pode fazer um teste cego.

Até mesmo a Ponte Pênsil da cidade (que a liga a Chavantes-SP), é uma atração interessante. Ela é uma das três pontes pênseis do Brasil, sendo a única com o piso e as laterais revestidos em madeira.

A ponte foi tombada pelo patrimônio histórico estadual. Mas também foi destruída duas vezes: foi queimada durante a Revolução de 1924, e dinamitada na Revolução Constitucionalista de 1932.

Com tanta história e ainda toda sua beleza arquitetônica, sem dúvida merece ser visitada.

E ainda há espaço para o turismo religioso. Ribeirão Claro também faz parte da Rota do Rosário. Por lá você encontra o Santuário de São Vicente de Pallotti, que é o único dedicado a esse santo no mundo.

Veja onde se hospedar em Ribeirão Claro

Prudentópolis

Prudentópolis é tida como um pedacinho da Ucrânia no Paraná.

A influência do país europeu pode ser vista na arquitetura, na gastronomia – em pratos típicos como o khrin (conserva de raiz-forte e beterraba), o pierogi (pastel assado recheado com batata e nata) e a borscht (sopa de beterraba), no artesanato e nos costumes, como por exemplo na missa da principal igreja, que é rezada em ucraniano.

Além disso, a região conta com mais de 100 cachoeiras, algumas com mais de 100 metros de altura. Uma das mais famosas é o Salto São Francisco, que tem uma das maiores quedas d’água do Sul do Brasil, com 196 metros de altura.

Prudentópolis, Paraná
Foto: Larissa Warnavin via Flickr (Attribution 2.0 Generic (CC BY 2.0)

Já o Ninho do Corvo é muito procurado para rapel, tirolesa e a exclusiva ‘corvolesa’, uma tirolesa que termina com banho de cachoeira.

Se você preferir algo mais sossegado, os poços tranquilos e cristalinos do Recanto Perehouski são ideais. Além dos poços verdinhos e ótimos para um relaxante mergulho, por lá é servido um almoço caseiro com deliciosos pratos ucranianos.

A cidade também dispõe de diversas atividades culturais, como o Museu do Milênio e o Museu das Irmãs Servas de Maria Imaculada. Ambos, obviamente, contam bastante sobre a cultura ucraniana, reunindo artes sacras, artesanato, móveis, documentos e fotografias antigas.

A cidade também é chamada de ‘capital da oração’, portanto, dispõe de diversas igrejas. Dentre elas, a mais famosa é a Igreja de São Josafat, que desde 1979 é tombada como Patrimônio Artístico e Cultural do Paraná.

Veja onde se hospedar em Prudentópolis

Porto Rico

Porto Rico é uma cidade do noroeste do estado, localizada a 176 km de Maringá.

O município é famoso pelas chamadas ‘praias de água doce’, que são calmas e perfeitas para passeios de barco, esportes náuticos e pescaria.

Porto Rico no Paraná
Foto: AUGUSTO JANISKI JUNIOR via Flickr (Attribution 2.0 Generic (CC BY 2.0)

As mais famosas delas são a de Santa Rosa, Ilha Mineira, do Porto de São José e Praia da Carioca. Todas elas muito convidativas e cada qual com suas atrações em especial.

A cidade também recebe muitos turistas interessados no mergulho, sendo considerada um dos melhores lugares no mundo para mergulho em água doce.

Porto Rico também conta com um parque aquático com cerca de 15 mil metros quadrados, clubes de rodeio e de aeromodelismo.

Veja onde se hospedar em Porto Rico

Sengés

Com nada menos que 60 quedas d’águas, Sengés é chamada de paraíso das cachoeiras. Ela é um ótimo destino no Paraná para quem busca fugir da correria do dia a dia e quer aproveitar as belezas da natureza.

Além das cachoeiras, Sengés também tem cânions, vales, lagos, grutas e represas, que são cenários perfeitos para quem curte essa conexão com o meio ambiente.

Existe a possibilidade de se fazer uma trilha que passa por algumas dessas cachoeiras (como a do Pocinho e a dos Veadinhos), que apesar de seus 14 km, tem nível fácil. Contudo, a contratação de um guia é altamente recomendada, já que ela não é bem demarcada e seria muito fácil se perder por lá.

Outra atração da cidade é o Poço Encantado, que é uma pequena lagoa de cor azulada e também uma nascente d’água. O movimento da areia na vertente, causa ondas que deslocam as águas num belo espetáculo.

É imprescindível, no entanto, alertar que o acesso ao Poço Encantado é feito mediante autorização da PISA Reflorestamento, bem como por estar localizado em propriedade particular, é necessária a autorização dos proprietários.

Por essa razão, é obrigatório o acompanhamento de um guia durante a visita.

Veja onde se hospedar nas proximidades de Sengés

Sapopema

Uma cidade que conta com menos de 7 mil habitantes e que é o lugar perfeito pra quem ama natureza. Sapopema não costuma entrar no roteiro da maioria dos viajantes, mas é bem conhecido por quem é adepto do montanhismo.

Um dos pontos mais famoso é o Pico Agudo, que oferece uma vista incrível para o vale do rio Tibagi. No caminho para lá, você passa pelo Salto Lambari, uma pequena mas bela cachoeira que pode ser visitada no mesmo roteiro, se você estiver com tempo.

Outra que fica bem próxima do Pico Agudo é a Cachoeira da Mata, que e uma boa pedida para a volta da trilha. Nela há um poço pequeno que tem uns de 3 metros de profundidade, no máximo.

Outras linda cachoeira é a do Salto das Orquídeas. Ela está em uma propriedade particular e oferece infraestrutura para receber visitantes, inclusive área de camping,  restaurante e estacionamento.

Na verdade, existem outras diversas cachoeiras que merecem sua visita pela cidade: Cachoeira Bela Vista, Cachoeira da Viúva, Cachoeira França, Cachoeira Rodeio Bonito, Salto João de Paula, Salto Serra Fria…

Sapopema, Paraná
Foto: Carlos Eduardo Boaro via Flickr Trilhando Montanhas (CC BY-NC 2.0)

Além disso, existem diversas fazendas e sítios que vendem produtos como queijos e doces caseiros, oferecem café rural e passeios a cavalo. Ainda existem os mirantes e grutas.

Enfim, Sapopema tem tudo que um aventureiro e amante da natureza podem querer.

Veja onde se hospedar em Sapopema

Outros destinos no Paraná

Como dissemos no início do post, o Paraná tem alguns destinos bem famosos e que merecem muito sua visita seja pela primeira vez, ou em uma nova visita fazendo um roteiro ‘mais alternativo’.

Por isso, recomendamos alguns desses roteiros que já falamos aqui no blog. Tem bastante coisa sobre Curitiba (e também lugares para se visitar fazendo um bate-volta a partir da capital), tem sobre Foz do Iguaçu, Morretes, Londrina, hotéis fazenda no Paraná, e sobre a sempre linda Ilha do Mel.

Foto de destaque: Diego F. Gonçalves via Flickr. Attribution-NonCommercial-NoDerivs 2.0 Generic (CC BY-NC-ND 2.0)

Thiago Amaral
Thiago é um professor de Inglês que, apesar dos seus (já) 30 e poucos, ainda vai ser jornalista. Não viaja tanto quanto gostaria, mas também um dia o fará. Por ora, se arrisca escrevendo sobre assuntos aleatórios e eventualmente viaja com sua esposa Marcela e filha Alice. E por isso foi convidado a escrever (eventualmente) neste blog: para dar dicas e contar sobre a experiência de viajar em família e com criança.
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *