5 Igrejas romanas para visitar e se encantar

Igrejas de Roma | Uma das maiores descobertas que fiz em Roma foi a quantidade arte e arquitetura para visitar de graça nas igrejas romanas. Por todos os cantos, a gente encontra trabalhos incríveis de Bernini, Michelangelo e outros grandes nomes.

As igrejas mais famosas, como as Basílicas Papais (principalmente a Basílica de São Pedro) e a mundialmente adorada Capela Sistina, roubam a atenção da maioria dos turistas em Roma.

Mas a cidade tem centenas de outras igrejas menores, menos famosas, mas mesmo assim muito lindas e que valem uma visita!

Eu ainda não visitei todas as igrejas romanas que gostaria – essa lista talvez nunca termine! Preparei essa lista com 5 igrejas menores de Roma que coloquei no meu roteiro.

E sugiro fortemente que você as conheça também!

Leia também: Onde se hospedar em Roma: melhores bairros

A lista não traz nenhuma das basílicas e igrejas grandes, porque você já deve ter pensado em visitá-las. Vamos falar de algumas igrejas pequenas, charmosas e lindas de Roma.

Preparados para conhecer lindas obras de arte e arquitetura, tudo de graça pelas ruas de Roma?

5 igrejas de Roma para visitar

Chiesa Santa Maria degli Angeli

Igreja de Santa Maria dos Anjos foi uma das igrejas romanas mais impressionantes que visitei. A arquitetura é obra do gênio Michelangelo. E como era de se esperar, Michelangelo surpreendeu.

Externamente, a Igreja de Santa Maria dos Anjos foge um pouco do padrão clássico das igrejas romanas. Mas a entrada simples esconde um dos maiores tesouros arquitetônicos de Roma, na minha opinião.

Leia também: O que visitar perto de Roma: cidades para fazer bate e volta

A igreja foi construída sobre as ruínas das antigas termas de Diocleciano. Michelangelo não destruiu, mas pelo contrário, adaptou.

Usou as estruturas e formas das antigas termas para fazer nascer a nova igreja. Os espaços são enormes, grandiosos e extremamente simétricos (como não amar?).

A nave da igreja tem uma forma de cruz monumental, com as pontas ostentando capelas cúbicas. A altura também impressiona, e esconde um curioso segredo: a ‘Linha Meridiana’, uma espécie de relógio de sol construído dentro da Basílica.

Uma linha de 45 metros, feita de bronze e mármore branco, serve para medir o progresso do sol ao longo do ano, determinando com precisão, por exemplo, a chegada da Páscoa.

Exatamente ao meio-dia solar (que varia um pouco ao longo do ano, segundo nossa medida de tempo), a luz do sol atravessa um pequeno orifício na parede e ilumina diretamente a Linha Meridiana.

No solstício de verão, com o sol no mais alto do céu, o raio de sol ilumina a linha no ponto mais perto da parede. No solstício de inverno, o sol ilumina o ponto mais afastado dela.

Além de medir a posição do sol, também foram adicionados orifícios para medir a passagem das estrelas. Sob certas circunstâncias, é possível observar Polaris, Arcturus e Sirius com telescópios, de dentro da igreja.

Tem com não ficar encantado com uma coisa assim?

Chiesa Santissima Trinità dei Monti

Bem em frente a linda Piazza di Spagna, fica a – sempre lotada – escadaria de Trinità dei Monti, e lá no topo, a Igreja da Santíssima Trindade dos Montes. Eu voltei várias e várias vezes a esse lugar, porque alguma coisa ali me hipnotizou.

Não sei se foi poder sentar nas escadas, com o sol de quase verão esquentando nossos corpos, enquanto aproveitávamos uma cerveja italiana e um bom pedaço de pizza…

Talvez tenha sido a beleza de ter encontrado os degraus da escada decorados com flores. Eu sonhava em ir na primavera, para ver os tons de vermelho das flores ladeando as escadarias.

Pode ter sido a linda fonte da praça, a famosa Fontana della Barcaccia, de Bernini (o pai e o filho), ou ainda o Obelisco Salustiano, que está por ali desde 1789, depois de uma longa jornada desde o Egito até Roma.

Mas provavelmente, e acima de tudo, foi a curiosidade pela igrejinha que fica lá no topo da escadaria. Não tive a sorte de encontrar a Igreja da Santíssima Trindade dos Montes aberta em nenhuma das vezes que andei por lá.

Esse repetido desapontamento provavelmente apenas aumentou o meu fascínio. Eu queria porque queria voltar e descobrir como era, por dentro, aquela charmosa capela de fachada renascentista, lá em cima das escadarias.

Infelizmente meu tempo em Roma acabou sem conseguir realizar esse desejo. Dizem que sempre temos que ter um motivo para revisitar uma cidade… E esse é um dos meus sonhos para quando regressar a Roma.

Ah, possivelmente você vai encontrar uma multidão assim por lá:

Por dentro da igreja, estão obras de Giambattista Naldini (Batismo de Cristo e cenas da vida de São João Batista), do aluno de Michelangelo Daniele da Volterra (Assunção da Virgem e Deposição da Cruz) e Cesare Nebbia (Crucificação de Cristo, no altar-mor), entre muitos outros afrescos e telas.


A Praça do Povo é uma das mais famosas de Roma, e ao redor dela você vai encontrar três igrejas lindas e históricas de Roma. Vale a pena visitar cada uma delas! São as 3 próximas igrejas que vamos mostrar nesse post.

Igreja de Santa Maria del Popolo

Igreja de Santa Maria do Povo fica bem ao lado da Porta del Popolo, um antigo portão na Muralha Aurelian, que dava acesso à Roma Antiga.

Contam que a igreja foi erguida no lugar onde Nero morreu e foi sepultado – mais um dos segredos e lendas que estão por todo lado em Roma.

A igreja passou por muitas reformas e a forma barroca que vemos hoje na fachada foi trabalho de Gian Lorenzo Bernini.

Mas a maior atração aqui são as obras de arte e arquitetura que a igreja abriga no seu interior. Segura essa lista de peso!

A igreja tem afrescos de Pinturicchio, a ‘Assunção da Virgem’, de Carracci, arquitetura de Rafael Sanzio, esculturas de Bernini. Não pense que acabou porque eu guardei o melhor para o final: a Capela Cerasi, ao lado esquerdo do altar.

Na Capela Cerasi estão as obras de arte mais impressionantes da Chiesa de Santa Maria del Popolo. Dois lindos quadros de Caravaggio, a ‘Conversão de São Paulo’ e a ‘Crucificação de São Pedro’, estão ladeando, no altar-principal da capela, a ‘Assunção da Virgem’, de Annibale Carracci. 

As obras ficam no escuro, e é preciso pagar dois euros para alguns segundos de luz sobre as telas. Não consigo esquecer o momento que vi os quadros se iluminando!

Aquelas obras históricas e magníficas surgindo na minha frente… Como não sonhar com o momento de ver dois impressionantes Caravaggio, lado a lado, e de graça?

Fiquei por lá por algum tempo e sempre apareceu alguém para ‘iluminar’ as telas novamente pra mim. Por isso, com um pouco de paciência você pode economizar alguns euros…

Igrejas-gêmeas Santa Maria in Montesanto e Santa Maria dei Miracoli

As chamadas igrejas-gêmeas da Piazza del Popolo são um grande atrativo, por conta da sua posição e arquitetura.

As igrejas de Santa Maria em Montesanto (1675) e de Santa Maria dos Milagres (1678) são bastante simétricas. E claro que isso não foi coincidência…

Foram construídas assim a pedido do Papa Alexandre VII, num projeto monumental de remodelação da Praça do Povo.

Os trabalhos foram iniciados por Carlo Rainaldi e terminados por Bernini, e inicialmente as duas igrejas tinham plantas idênticas.

Mas algumas diferenças no espaço disponível para construção levaram a algumas adaptações no projeto. Por conta disso, existem algumas diferenças arquitetônicas bem sutis entre as igrejas.

Para quem olha as igrejas a partir da praça, é possível identificar o ‘Tridente’ de ruas que nascem na Piazza del Popolo.  Da esquerda para a direita, temos a Via del Babuino, a Via del Corso e a Via di Ripetta.

Entre as duas primeiras ruas, está a igreja de Santa Maria in Montesanto. Entre as duas últimas ruas, a igreja Santa Maria dei Miracoli.

Como passa-tempo, vale se demorar na praça tentando encontrar as diferenças arquitetônicas das duas igrejas. Em condições normais, seria como um jogo de sete erros!

Mas eu dei o azar de encontrar a igreja Santa Maria dei Miracoli sob reforma da fachada… Não pude compara-las fielmente. E claro que juntei mais um motivo para minha lista infinita de razões para voltar a Roma!

E mais uma dica: não deixe de entrar nas igrejas e dar uma boa olhada nos detalhes arquitetônicos e obras de arte maravilhosos dos interiores das duas igrejas!

Igrejas de Roma e seus mistérios

Com tanto post aqui no blog falando sobre igrejas romanas, já deu pra ver que visitar templos religiosos é uma das minhas maiores paixões pelo mundo.

Sempre aprendo muito sobre arte, história e lendas de uma cidade ao visitar suas igrejas. Infelizmente não tive tanto tempo em Roma.

Fiquei devendo uma visita a algumas igrejas que eu tinha colocado na lista de desejos, como a Basílica Santa Maria Sopra Minerva e a Igreja San Pietro in Vincoli – onde está a famosa estátua do Moisés de Michelangelo).

Muitas dessas igrejas romanas menores e menos conhecidas guardam incríveis tesouros para os amantes de arte e arquitetura.

Obras incríveis que podemos visitar sem filas e sem ingresso, apreciando pelo tempo que a gente desejar. Claro que isso é um grande incentivo para voltar à Cidade Eterna, e visitar ainda mais lugares incríveis!

Leia também: Conheça as Basílicas Papais de Roma

E pra vocês, qual igreja de Roma você achou mais encantadora?

Planeje sua viagem

Foto em destaque: Pixabay

Lila Cassemiro
Pernambucana, contadora de histórias e bem curiosa. Geminiana apaixonada por artes e culturas, sempre com a mala pronta pra viajar de novo. Eu gosto de gente.
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários:
Catarina disse:

Outra igreja de Roma imperdível e a Basílica Menos de Sant Maria de La Vitoria, cujo interior contém, ao lado esquerdo de quem entra, próximo ao altar-mor, a famosa obra de Bernini, “O Êxtase de Santa Tereza”. Sugiro que a visitem.

Klécia disse:

Oi Catarina, que dica fantástica! Eu sou muito fã de Bernini, já coloquei essa igreja na lista pra próxima visita a Roma.

Catarina disse:

San Pietro in Vincoli não tem o Cristo de Michelangelo, mas sim o o famosíssimo Moisés de Michelangelo, que, até hoje, traz no joelho a marca da famosa porretada que levou de seu autor, quando pediu que a imagem falasse: “Parla!”

Klécia disse:

Oi Catarina! Obrigada pela correção! Já ajustei no post! 😀

Juliana Moreti disse:

Mas cà pensando…. Além da Santa Maria del Popolo, eu amei a San Luigi dei Francesi. A visitei em minha ùltima ida à Roma e fui com um objetivo fixo: ver a “triade caravagiana”! Sim! Tem 3 Caravaggios ali dentro!
Nao sei se voce entrou nela, mas voce passou bem perto (vi uma foto tua ali). Minha 2° favorita é a Chiesa di Santa Teresa. Ali dentro tem um grupo escultural do Bernini de cair o queixo (La Transverberazione di santa Teresa d’Avila). Nesta mesma rua tem a San Carletto. Por dentro nada de especial, mas a fachada do Borromini com um jogo de concavo e convexo também é incrìvel. E é legal pois ela se encontra bem na esquina das 4 fontes (todos a chamam de San Carlo delle 4 fontane).

Outra que eu descobri a existencia aqui no Brasil é a San Pietro in vincoli…. Voce foi? Dentro està o Moises de Michelangelo.
Enfim… capaz de eu me lembrar de outra em breve
hahahahaha

Klécia disse:

Oi Juliana,
nenhuma dessas que citaste eu conheci. Roma é demais para uma vida inteira de descobrimentos e amores! É como se precisasse voltar mil vezes, sempre com mil coisas na lista! 🙂

Juliana Moreti disse:

Trabalho difícil esse de selecionar 5 igrejas.
Das que você selecionou, apenas a Chiesa Santa Maria del Popolo entra na minha lista, Diria que ela é a que eu mais gosto. Me lembro até hoje das diversas tentativas de ir para là e encontrà-la fechada. Quando finalmente consegui entrar, comecei pelas capelas da direita, com o Pinturicchio. Fui para ver a capela Chigi, para apreciar Bernini. Vi o lado esquerdo uma muvuca de gente e imaginei que fosse là, mas ao chegar, tinha apenas quadros. Mas não eram quadros qualquer. Fiquei um bom tempo ali, apreciando e babando. Nao conhecia aquele artista, de nome Caravaggio – rsrsrs! Foi paixão a primeira vista!
Sobre a Capela Chigi, estava em reforma!

A Chiesa Santa Maria degli Angeli é uma das minhas frustrações. Nao consegui pegar a bendita aberta (mas não insisti como fiz com a anterior)

A Chiesa dei Trinità dei Monti eu nem cogitei entrar, mas não sei o motivo. Fui para là apreciar a praça, descer a “scalinata” cheia de flores e, assim como você, apreciar o obelisco (que estava em reforma).

Eu entrei nas igrejas-gêmeas da Piazza del Popolo, mas não me lembro muito de seu interno. O que eu apreciei mesmo eram elas por fora, principalmente se você conseguir colocar em teu foco visual o obelisco no centro das duas. O efeito espelho é magnifico!!!

Analuiza disse:

Oi Klécia… que delícia de texto!!! Eu visito igrejas pelas mesmas razões que você: histórias e arte. Além do mais não podemos ignorar a importância delas na trajetória humana né?!

Achei a Igreja de Santa Maria dos Anjos bárbara! Não só ela em si, mas o fato de Michelangelo ter aproveitado a “velha Roma” para construí-la! Quero as escadarias da Igreja da Santíssima Trindade dos Montes. Muito!

As igrejas da Piazza del Popolo não sei por qual razão me marcaram muito. Quando penso em minha breve estada em Roma, elas são o que primeiro me vem a mente. Curioso né, pois como você bem sabe, apenas vi Roma “por fora”. 🙂 beijocas

Klécia disse:

Sabe que gosto muito dessas igrejas da Piazza del popolo? Elas também me marcaram muito! Fiquei um bom tempo perdida pra lá e pra cá entre elas 🙂

As igrejas sempre tem muita história mesmo, também gosto de visita-las durante as viagens!

Klécia disse:

É mesmo uma delícia de programa para quem ama história e arte, einh Aline? Obrigada pelo comentário!

As igrejas e os templos religiosos em geral são locais que nunca perco nas minhas viagens! Acho-os maravilhosos, principalmente as igrejas ortodoxas e as mesquitas!

Klécia disse:

Também acho mesquitas e igrejas ortodoxas maravilhosas <3

Gisele Rocha disse:

Eu não sou católica, mas confesso que tenho grande paixão por igrejas (fora dos horários de missas, longe dos discursos dos padres, por favor). Gosto de observar os detalhes, sentir o cheiro, observar as pessoas… tudo é lindo!

Klécia disse:

Visitar igrejas também me inspira praticamente pelos mesmos motivos, Gisele! Gosto de ver e sentir a história que aconteceu e segue acontecendo ali 🙂